A economia dos EUA pode escapar da lei da gravidade?

Crises of Global Economies and the Future of Capitalism: reviving Marxian crisis theory, edited by Kiichiro Yagi, Nobuharu Yokokawa, Shinjiro Hagiwara and Gary A. Dymski, foi publicado em 2013. Vale ler resenhas teóricas mais permanentes, entre as quais a de Dymski, um professor ativista norte-americano muito simpático. Seu capítulo nessa coletânea é intitulado sob uma pergunta: Can the U.S. economy escape the law of gravity? A Minsky–Kalecki approach to the crisis of neoliberalism. Traduzo abaixo um resumo dessa abordagem de Minsky-Kalecki para explicar a crise do neoliberalismo.

A “Revolução Keynesiana” na economia nacional mudou o foco da economia política para longe da regulamentação do mercado microeconômico e em direção ao controle do comportamento agregado. Keynes argumentou as sociedades capitalistas modernas poderem bloquear a dinâmica cíclica geradora recorrente da alta taxa de desemprego e da queda dos preços dos ativos. De maneiras muito diferentes, Minsky e Kalecki desafiaram a visão otimista (deliberadamente) de Keynes quanto o ciclo de negócios ser coisa do passado.

Minsky considera as implicações cíclicas do mercado de capitais nas estruturas financeiras. Kalecki, em seu artigo sobre “pleno emprego”, concentra-se na exploração da força do trabalho.

Gary Dymski inicia sua contribuição ao debate com a apresentação do modelo de instabilidade financeira de Minsky.

O Modelo de Hyman Minsky argumenta, em uma série de artigos e livros publicados principalmente nos anos 1970 e 1980, as economias capitalistas avançadas estarem sujeitas a variabilidade cíclica, devido à instabilidade financeira. A pré-condição para a instabilidade financeira é um conjunto de relações de financiamento entre unidades excedentes com excesso de recursos e unidades deficitárias. Elas buscam gastar além dos meios disponíveis.

Esses arranjos são frágeis em um duplo sentido: as expectativas dos mutuários sobre a renda futura podem se decepcionar; e credores podem encontrar dificuldades em apoiar seus compromissos de financiamento. Portanto, os gastos apoiados pelo financiamento geram, respectivamente, risco de inadimplência e liquidez.

Os intermediários podem melhorar esses riscos para credores ou devedores, mas apenas suportando-os ou repassando-os a terceiros via securitização. O nível desses riscos e, portanto, o grau de fragilidade financeira depende de três fatores:

  1. os termos e condições do financiamento;
  2. o risco dos projetos financiados; e
  3. o balanço de obrigações por unidades de mutuários.

O financiamento de despesas com dívida aumenta a demanda por produtos agregados, mas tem um custo: a economia se torna mais frágil à medida que os compromissos financeiros aumentam em relação aos fluxos de renda. A faixa de resultados de renda que permite unidades deficitárias para cumprir os compromissos de pagamento diminui à medida que a alavancagem (a relação dívida / renda) cresce, tanto para unidades individuais, quanto para a economia como um todo.

A instabilidade financeira tende a aumentar quando um número crescente de famílias gasta além de seus meios. Quando os mutuários não conseguem atender às demandas de pagamento, as interrupções dos fluxos de caixa se espalham para os balanços de outras unidades e partes da economia, onde a responsabilidade financeira pela estrutura de ativos fica comprometida.

Os mercados de revenda de ativos, tanto em mercados financeiros quanto em mercados imobiliários, podem piorar as diferenças entre obrigações a serem pagas pelo fluxo de caixa e os níveis de estoques de dívida. Antes, as antecipações do aumento dos preços dos ativos incentivaram o financiamento de mais compras e despesas de ativos, aumentando o risco financeiro.

Minsky argumentou as expectativas, financiadas por dívidas com despesas financeiras, quando não confirmadas levarem à fragilidade financeira. Ela evolui, sistematicamente, ao longo do ciclo de negócios. Inicialmente, os balanços são robustos porque os ativos têm preços conservadores e compromissos modestos com a dívida. O ritmo acelerado do crescimento da produção acaba esgotando a capacidade industrial e obriga as empresas a assumir dívidas para expandir a produção. Enquanto isso, as expectativas aumentam face aos preços eufóricos de ativos.

A combinação de expectativas eufóricas e a pressão competitiva eleva os índices de dívida / renda e os preços dos ativos simultaneamente, quando a alavancagem é recompensada. Os preços dos ativos aumentam e os encargos da dívida crescem até, finalmente, os compromissos de responsabilidade superarem os retornos dos ativos.

Então, a economia se torna mais financeiramente frágil à medida que a expansão avança. Finalmente, uma desaceleração é induzida. Se as cargas de dívida crescem demais ou as expectativas eufóricas quebram, um período de instabilidade financeira pode começar. Se os valores dos ativos caírem e as unidades com déficit não puderem atender suas dívidas, as vendas de ativos em mercados com poucos compradores podem ser acionadas, levando a um ciclo de deflação da dívida. A possibilidade de uma falha sistêmica é a chamada “Crise de Minsky”.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s