Modelagem Pós-keynesiana comparada à Econometria das Escolas Ortodoxas

Continuo a tradução do artigo LAS CORRIENTES TEÓRICAS Y LOS FUNDAMENTOS DEL ANÁLISIS POST-KEYNESIANO, publicado na revista equatoriana Cuestiones Económicas Vol. 27, No. 2:2, 2017, de autoria de Jean-François Ponsot.

Os pós-keynesianos (PK) têm sido relutantes em métodos empíricos e instrumentos econométricos Nesse ponto, eles foram leais a Keynes, a quem a econometria nascente de Tinbergen atribuía “alquimia”. Esta posição crítica do PK pode ser entendido por alguns trabalhos do Programa de Pesquisa Científico ortodoxo: apenas validam ou confirmam empiricamente a teoria ortodoxa como um “artefato” simples, segundo Lavoie (2014).

Os resultados são parciais, devido ao fato de adotarem procedimentos fracos. A ferramenta Econometria é usada como um “instrumento mágico”. Mas não é porque a Economia Ortodoxa abusa de técnicas quantitativas a razão de dever ser rejeitada. Pelo contrário, algumas PKs, principalmente Kaldorianos ou Kaleckianos, consideram os trabalhos heterodoxos necessitam ser usados ​​mais cientificamente, na medida em que se baseiam em hipóteses realistas, ao contrário dos trabalhos ortodoxos.

Este é o caso particular do processo de modelagem de empresas de Godley e Lavoie (Godley & Lavoie, 2007) no final dos anos 90, com modelagem SFC (Fluxos e Estoque Coerentes). Hoje amplamente desenvolvido, esta modelagem PK tenta superar a confusão entre fluxos e estoques, é considerada o “pecado original” da Macroeconomia, de acordo com Kalecki. Através de seus desenvolvimentos mais recentes, em particular a Mobilização de Modelos Multiagentes (ABM), isso abre a modelagem para vários problemas.

A Modelagem SFC é também um aspecto metodológico geral onde os principais desenvolvimentos PK – moeda endógena, abordagem kaleckiano e kaldoriano para crescimento e a distribuição, abordagem minskyniano da instabilidade financeira – são integrados. Sua aplicação à economia aberta (taxa de câmbio) oferece perspectivas interessantes.

A modelagem PK é capaz de estudar dimensões simultaneamente da economia real e da financeira, contribuindo assim para uma análise mais completa da economia monetária da produção. O progresso alcançado permite, por outro lado, além dos modelos de equilíbrio geral dinâmico estocástico (Dinâmico Equilíbrio Geral Estocástico: DSGE) é uma alternativa credível e relevante, cujos limites são bem identificados e interpretados por economistas ortodoxos (Blanchard, 2009).

A crise financeira global deu origem a algumas críticas às suposições fundamentais de Economia Ortodoxa, mas não reforçou a influência de abordagens heterodoxas na escolha dos formuladores de políticas. Como a análise PK está posicionada nesta nova configuração?

Uma resposta pode ser descrita com base em quatro pontos:

(1) o confronto com a Macroeconomia padrão, baseada em Modelos do Novo Consenso” (Novos Modelos de Consenso, ou NCM) são fortalecidos;

(2) na revanche, a proximidade com neo-keynesianos críticos, particularmente Stiglitz e Krugman, aumenta, sem, entretanto, estabelecer uma ponte colaborativa entre PK e neo-keynesianos;

3) o diálogo com os reguladores (ou “regulacionistas”) franceses foram melhor alimentados nas décadas anteriores; e

(4) finalmente, os contatos com institucionalistas se multiplicaram.

NCM X PK

A Macroeconomia padrão do início dos anos 2000 baseia-se em um consenso ou uma nova síntese entre os principais modelos macro padrão. Este “Novo Consenso” articula habilmente os elementos de:

  1. a Nova Economia Clássica I (Escola de Antecipações Racionais),
  2. a Nova Economia Clássica II (Escola de Ciclos Econômicos Reais) e
  3. a Nova Economia Keynesiana.

As consequências do Novo Consenso sobre política econômica são simples:

  1. a política monetária deve basear-se em estratégias de metas de inflação (metas de inflação e Regra de Taylor);
  2. a política orçamentária é ineficaz, prejudicial e conveniente para a consolidação de orçamento de privilégios.

PKs sempre se opuseram a NCM. Segundo eles, a orientação da inflação é inútil e a política orçamentária deve estar ativa, em particular nos períodos de crise quando o multiplicador do orçamento é mais alto.

Críticas internas à economia padrão apareceram também no campo ortodoxo, incitando um relaxamento da hipótese básica do NCM:

No que se refere à política monetária, a meta de inflação parecia ser um quadro maravilhoso durantes seus primeiros 15 ou 20 anos. Mas agora tivemos um período prolongado durante o qual se mostrou incapaz de fornecer a demanda agregada no nível amplamente reconhecido como tendo sido necessário”. (Romer, 2013).

Olivier Blanchard, economista-chefe do FMI, fez sua mea culpa. Ele reabilita políticas orçamentárias ativas para relançar a economia. Vários estudos empíricos mostram o multiplicador fiscal ser acima de um.

Blanchard também se distancia da modelagem padrão:

“Os modelos DSGE tornaram-se onipresentes. Dezenas de sujeitos de pesquisadores estão envolvidos em sua construção. Quase todo banco central tem um ou mais quer ter um. Eles são usados ​​para avaliar regras de política, fazer previsões condicionais ou, às vezes, para traçar cenários atuais. Existe pouca dúvida de eles representarem uma conquista impressionante, mas eles também têm falhas óbvias. Pode ser um caso onde a tecnologia tenha ultrapassado nossa capacidade de usá-la ou pelo menos nossa capacidade de usá-la melhor” (Blanchard, 2009).

Essa inflexão não causa uma aproximação com a PK, porém a convergência nos pontos de vista dele são cada vez mais evidentes. Ajuda a si mesmo o fenômeno de surgimento de neo-keynesianos autocríticos.

PK VERSUS DISSIDENTES NEO-KEYNESIANOS

Após a crise financeira global, alguns economistas da ortodoxia, mais ou menos pragmáticos, desviaram de sua posição original. Marc Lavoie se interessou por aqueles economistas “dissidentes”. Eles colocam em causa os trabalhos da análise convencional encontrada nos Manuais de Economia ou consideram a necessidade de relaxar as suposições básicas dos modelos canônicos. São os casos des Paul Krugman, Joseph Stiglitz, Ronald Coase, Robert Shiller, Oliver Williamson, Amartya Sen, Dani Rodrik e Herbert Simon. Eles são dissidentes ortodoxos e se tornaram líderes da Nova Ortodoxia imposta nos tempos atuais.

Outrora também houve dissidência. Por exemplo, Milton Friedman era um dissidente antes da teoria monetarista não compor o coração dominante entre economistas ortodoxos da década de 1970. O trabalho de Keynes também seguiu esse caminho, de acordo com Marc Lavoie.

Você poderia adicionar o nome do neo-keynesiano Olivier Blanchard. Sua obra já foi comentada nessa lista de economistas ortodoxos dissidentes. Sua proximidade com os pesquisadores da PK permanece limitados: é mais um processo relevante da crítica interna do paradigma dominante, mas consiste apenas em olhar paralelo ao lado da heterodoxia.

Paul Krugman e Joseph Stiglitz mantêm uma relação mais ambígua com o PPC PK após a crise financeira global. Os dois publicaram trabalhos em 2012 (Krugman, 2012; Stiglitz, 2012) avançando com argumentos encontrados trabalho dos PK, referentes à ineficiência dos mercados financeira, à orientação de políticas econômicas ou às desigualdades sociais.

A análise de Stiglitz da dívida grega está próxima de argumentos avançados pelo MMT. Sua crítica orientada à inflação tem duas semelhanças óbvias com as críticas de PK ao NCM (Hein & Stockhammer, 2011). Stiglitz rejeita agora a Teoria da Produtividade Marginal, defendida por ele no passado.

Os ataques de Krugman aos “austerianos” (adeptos do “Austericídio”) e à Nova Economia Clássica, sua recomendação de recuperação do uso orçamento para retomada do crescimento, nada tem a dizer diferente de surrados argumentos PK. Infelizmente, com isso se verifica as trocas entre neo-keynesianos críticos e os PKs pouco terem se desenvolvido, até o momento, embora exista uma convergência cada vez mais evidente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s