Crítica de von Mises à Visão Holística e Metafísica da Sociedade

Ludwig von Mises, em determinado ponto de seu livro “Ação Humana: Um Tratado de Economia”, começa a destratar as ideias adversárias.

“Segundo as doutrinas do universalismo, do realismo conceitual, do holismo, do coletivismo e de alguns representantes da Gestaltpsychologie, a sociedade é uma entidade capaz de viver sua própria vida, independente e separada das vidas dos diversos indivíduos, agindo por sua própria conta e visando a seus próprios fins. Eles são diferentes dos pretendidos pelos indivíduos.

Assim sendo, é evidente poder surgir um antagonismo entre:

  1. os objetivos da sociedade e
  2. os objetivos individuais.

Para salvaguardar o florescimento e futuro desenvolvimento da sociedade, torna-se necessário controlar o egoísmo dos indivíduos e obrigá-los a sacrificar seus desígnios egoístas em benefício da sociedade.

Chegando a esta conclusão, todas as doutrinas holísticas têm forçosamente de abandonar os métodos tradicionais da ciência humana e do raciocínio lógico e adotar uma profissão de fé teológica ou metafísica.

Forçosamente têm de admitir a Providência, através de seus profetas, apóstolos e líderes carismáticos, obrigarem os homens – perversos por natureza, isto é, dispostos a perseguir seus próprios fins – a entrar no caminho certo determinado pelo Senhor ou por o Weltgeist ou por a história eles trilharem.”

[Evidentemente, é uma imagem caricata surgida da pergunta apressada para obter uma resposta pueril sem maior reflexão: – Ei, você, o que mais importa: sua vida ou a vida social?

Niilismo é uma atitude filosófica pessimista por sempre adotar um ceticismo extremo perante qualquer situação ou realidade possível. Consiste na negação de todos os princípios religiosos, políticos e sociais. O conceito de niilismo teve origem na palavra em latim nihil, significando “nada”.

Nietzsche o descreveu como “a falta de convicção sobre onde se encontra o ser humano após a desvalorização de qualquer crença”. Essa desvalorização acaba por culminar na consciência do absurdo e do nada. O niilismo representa uma atitude crítica em relação às convenções sociais.

Von Mises não é niilista. É sim um radical iluminista, adepto do liberalismo do século XVIII em luta contra o mercantilismo das monarquias absolutistas. Daí a sensação de anacronismo de sua obra.]

“A teoria científica elaborada pela Filosofia Social do Racionalismo e do Liberalismo do século XVIII e pela moderna Economia não recorre a nenhuma interferência miraculosa de poderes sobre-humanos. Toda vez quando o indivíduo substitui a ação isolada pela ação concertada, resulta uma melhora imediata e perceptível de sua situação.

As vantagens advindas da cooperação pacífica e da divisão do trabalho são universais. Beneficiam imediatamente quem assim age e não apenas, futuramente, os seus descendentes.

Aquilo sacrificado pelo indivíduo em favor da sociedade é amplamente compensado por vantagens ainda maiores. Seu sacrifício é apenas temporário e aparente. Renuncia a um ganho menor para poder obter um maior em seguida. Nenhum ser razoável deixa de perceber fato tão evidente.

O que motiva a intensificação da cooperação social – ampliando a divisão de trabalho, fortalecendo a proteção legal e garantindo a paz – é o desejo de todos os interessados em melhorar suas próprias condições de vida.

Ao defender o seu próprio – corretamente compreendido – interesse, o indivíduo contribui para intensificar a cooperação e a convivência pacífica. A sociedade é fruto da ação humana, isto é, do desejo humano de diminuir seu desconforto tanto quanto lhe seja possível.”

[Ludwig von Mises é um militante radical das ideias de Adam Smith. Infelizmente, suas ideias dão margem para a intolerância de seus adeptos com quem professa ideias alheias.]

“O problema essencial de todas essas Filosofias sociais do tipo universalista, coletivista, holística é o seguinte: como identificar a verdadeira lei, o autêntico profeta de Deus e a autoridade legítima?

Pois muitos pretendem terem sido enviados pela Providência e cada um prega um evangelho diferente. Para o crente fiel, não pode haver dúvida. Ele tem plena confiança de haver adotado a única doutrina verdadeira.

Mas é exatamente essa firmeza de convicções que torna os antagonismos irreconciliáveis. Cada grupo está disposto a fazer prevalecer seus próprios princípios.

Como não há argumentação lógica capaz de decidir entre os vários credos dissidentes, não resta outro meio para resolver tais disputas a não ser o conflito armado.

As doutrinas sociais não racionalistas, não utilitaristas e não liberais têm de provocar conflitos armados e guerras civis até um dos adversários ser aniquilado ou subjugado. A história das grandes religiões é um registro de batalhas e guerras como também o é a história das pseudorreligiões modernas como são o socialismo, a estatolatria e o nacionalismo.

A intolerância e a propaganda apoiadas na espada do verdugo ou do carrasco são inerentes a qualquer sistema de ética heterônoma.”

[Ludwig von Mises, no livro “Ação Humana: Um Tratado de Economia”, apresenta desse jeito seu inimigo principal apriorístico. Está intimamente relacionado com o apriorismo, com a doutrina conferindo importância aos conhecimentos, conceitos ou pensamentos “a priori”, independentemente da experiência ou da prática.

Heteronomia significa dependência, submissão, obediência. É um sistema de ética segundo o qual as normas de conduta provêm de fora.

A palavra heteronomia é formada do radical grego “hetero”, significando “diferente”, e “momos”, significando “lei”. Portanto, é a aceitação de normas não impostas por nós, mas reconhecidas como válidas para orientar a nossa consciência. Esta vai discernir o valor moral de nossos atos.

Heteronomia é a condição de submissão de valores e tradições. Pode ser vista como a obediência passiva aos costumes por conformismo ou por temor à reprovação da sociedade ou dos deuses.

Heteronomia é o oposto de autonomia, formada do radical grego “auto”, significando “por si mesmo”. Ela se refere à liberdade e à independência. É a faculdade de se reger por si mesmo, a propriedade pela qual o homem pretende poder escolher as leis regentes de sua conduta.

A autonomia não nega sua influência externa, os condicionamentos e os determinismos, mas recoloca no homem sua capacidade de refletir sobre as limitações lhe impostas e observadas, se elas lhe dão, de fato, a direção a seguir.

Autor de inúmeras obras de filosofia e, em especial, de filosofia política, Cornelius Castoriadis é considerado um filósofo da autonomia. Entre suas inúmeras obras destacam-se: Instituição Imaginária da Sociedade, Encruzilhadas do Labirinto, Socialismo ou Barbárie.

Os adeptos da autonomia criticam o totalitarismo sem cair no individualismo radical das ideias do Ludwig von Mises.]

Sua visão de Estado é maniqueísta. Confira no post a seguir.

 

1 thought on “Crítica de von Mises à Visão Holística e Metafísica da Sociedade

  1. Prezado Fernando,

    quando o pensamento alcança um elevado grau de autonomia, ocorre naturalmente a ruptura com as tradições que estão em dissonância ao novo paradigma recém adquirido pelos indivíduos. Podemos chamar a isso de autodeterminação.

    Ao estudar à nossa capacidade de adquirir conhecimento, constatei que podemos atingir um ponto que impossibilita o retrocesso cultural/cognitivo que passa a guiar a nova percepção da realidade.

    A Heteronomia é um câncer social que não tem como ser contornado e precisa ser erradicado por meio da refundação ou evolução das bases para aquisição de conhecimento.

    Sic Wikipedia: https://pt.wikipedia.org/wiki/Heteronomia – Na América Latina a heteronomia foi imposta violentamente pelos colonizadores e pela Igreja católica, resultando em uma cultura paternalista, sectária, alienada, irracional, acrítica, com dependência emocional pelos opressores. Ao invés de buscar autonomia o oprimido eventualmente adere aos valores impostos e passa a admirar o opressor, imitá-lo e reproduzir a opressão. Isso levou ao atraso cultural e intelectual dos povos latinos. A crença em entidades inexistentes é a prova disso: Sic: https://rcristo.com.br/2019/08/15/o-fim-das-crencas-em-inexistentes-e-inevitavel/

    Um conhecimento dito: “Bem Fundado” impede que ocorra esse retrocesso. Segue explicações: https://rcristo.com.br/2019/12/20/qual-a-origem-do-conhecimento-a-resposta-e/

    Conclusão: para todo espaço gerado, o vazio { } se instala automaticamente; portanto, o vazio { } é um autovetor e autovalor para todos os espaços de conhecimento!

    Obs: o vazio { } é o aniquilador dos absolutos, ele sempre vem primeiro! 😉

    Se algo não puder ser contado é nulo e não pode fazer referência ao conhecimento!

    Abs.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s