Constelações e Confluências de Narrativas

Assim como o mundo experimenta co-epidemias de doenças, onde duas ou mais doenças interagem positivamente entre si, também vemos co-epidemias de narrativas nas quais as narrativas são percebidas como compartilhando um tema comum. Estudos de casos, por exemplo, iluminam um argumento político, criando uma imagem na mente difícil de perceber, se alguém se concentra em apenas uma das narrativas.

Em outras palavras, narrativas econômicas em larga escala são frequentemente compostas por uma constelação de muitas narrativas menores. Cada narrativa menor pode sugerir parte de uma história maior, mas precisamos ver a constelação completa para discernir o tema completo.

A analogia com as constelações deve ser esclarecida. Constelações astronômicas, como Cygnus, o Cisne, são alinhamentos aleatórios das estrelas, mas os humanos as interpretam de uma maneira de modo a parecer natural para a mente humana. Nesse caso, configura como um cisne.

Às vezes, os humanos cooptam constelações para certos propósitos. Por exemplo, os cristãos renomearam Cygnus como a Cruz do Norte para colocar um de seus símbolos no céu. Eles também o associaram a outra constelação, a Cruzeiro do Sul, para as pessoas habitantes no Hemisfério Sul. Outros grupos e culturas têm narrativas diferentes com outras motivações.

As narrativas aparecem nas constelações, em parte porque sua credibilidade depende de um conjunto de outras narrativas existentes no momento. Eles parecem plausíveis e interessantes no contexto das outras narrativas.

O contador de histórias não precisa refutar as outras narrativas para preparar o cenário para a atual. Além disso, a narrativa pode se basear em certos fatos pressupostos para os quais o falante e o ouvinte não sabem como testar.

Algumas narrativas são contagiosas porque parecem oferecer um fato confirmatório de algum preconceito. Podemos dizer com alguma precisão: a maioria das pessoas mostra seu próprio conhecimento e tenta ocultar sua ignorância de milhões de fatos. Portanto, narrativas aparentemente contrárias ao pensamento predominante podem ter taxas mais baixas de contágio, pois não resultam em epidemias.

Algumas constelações narrativas podem infectar apenas uma pequena fração da população, mas se essa fração da população reduzir substancialmente suas decisões de gastos, a narrativa poderá ser muito importante. Por exemplo, se a narrativa atingiu apenas 20% da população de um país, mas essa fração decide adiar a compra de um carro novo ou consertar sua casa, o impacto de seus gastos reduzidos pode ser grande o suficiente para levar o país a uma recessão.

Multiplicador indica quantas vezes se há de tomar outro como parcela. Em Economia, o multiplicador é um fator de proporcionalidade: mensura quanto uma variável endógena muda em resposta a uma variação de alguma variável exógena.

O multiplicador keynesiano não é outra coisa senão um efeito de segunda ordem sobre o sistema econômico criado pelo investimento. Quando um investimento é feito, ele não só permite um aumento proporcional na capacidade produtiva física, mas também tem um impacto nas rendas das pessoas diretamente contratadas ou dos fornecedores, durante sua maturação, e em outras diversas rodadas de recebimentos-pagamentos indiretos. E haverá um ganho maior em rendas futuras, quando a nova capacidade produtiva for utilizada.

As receitas são então usadas de duas maneiras: ou se transformam em fluxos de gastos imediatos ou em investimentos em estoques de ativos financeiros. Se essa parte investida no mercado financeiro reforçar o circuito do endividamento, tanto para consumo, quanto para novos investimentos produtivos, adiante estimulará novamente a multiplicação de renda. Em última análise, são cruciais as narrativas estimulantes das tomadas de decisões de investimento.

Em economia e negócios, um efeito de rede também designado externalidade de rede ou procura de economias de escala é o efeito da utilização de um bem ou serviço tem sobre o valor do produto para outros utilizadores. Quando o efeito de rede estiver presente, o valor de um produto ou serviço depende do número de utilizações de outras pessoas.

As redes sociais online configuradas em sites como Twitter, Facebook e Google+ tornam-se mais úteis como canais de comunicação de rumores ou boatos quantos mais utilizadores aderirem às narrativas (falsas ou não) transmitidas.  Por exemplo, o Google+ “não pegou”.

Cria uma externalidade negativa quando um utilizador transmite uma fake-news sem a intenção de criar valor para os outros utilizadores mal-intencionados, mas acaba por fazê-lo de qualquer forma.

A expressão “efeito de rede” é aplicada mais comumente a externalidades positivas, como no caso narrativa verdadeira. Externalidades de rede negativas também podem ocorrer onde os utilizadores podem divulgar maior quantidade de uma narrativa de menor valor. Usos excessivos levam a “congestionamentos de rede”, saturando sua caixa postal de spams ou abestalhando seu WhatsApp.

Ao longo do tempo, os efeitos positivos de rede podem criar um efeito de movimento social. Isso se a rede se tornar mais valiosa, para mais pessoas se juntarem, em um ciclo de feedback positivo.

Além de uma constelação de narrativas, há uma confluência de narrativas. Todas em conjunto podem ajudar a impulsionar eventos econômicos. Por uma confluência, Shiller quer dizer um grupo de narrativas não vistas como particularmente associadas uma à outra, mas têm efeitos econômicos semelhantes em determinado momento. Portanto, podem explicar um evento econômico excepcionalmente grande.

Por exemplo, em seu livro de 2000, Irrational Exuberance, Shiller listou uma dúzia de fatores precipitantes, ou narrativas, ocorridos juntos por volta de 2000 para criar a bolha no mercado de ações mais inflada nos Estados Unidos em todos os tempos. Logo a seguir, veio um acidente qualquer capaz de estourar a bolha.

A lista, em resumo, compreendia a World Wide Web, o triunfo do capitalismo, histórias de sucesso nos negócios, domínio republicano, baby boomers se aposentando, expansão da mídia nos negócios, analistas otimistas, novos planos de aposentadoria, fundos mútuos, declínio da inflação, aumento do volume de comércio e crescente cultura do jogo.

Se quisermos saber por que um evento econômico incomumente grande aconteceu, precisamos listar as narrativas aparentemente não relacionadas. Elas, por acaso, estavam se tornando virais ao mesmo tempo e afetando a economia na mesma direção.

No entanto, é importante reconhecer: grandes eventos econômicos geralmente não podem ser descritos como causados ​​por apenas uma única constelação de narrativas. É muito mais provável esses grandes eventos econômicos não serem explicáveis ​​em termos tão satisfatórios. Em vez disso, explicar esses eventos requer fazer uma lista de narrativas econômicas com causalidades hipotéticas testadas e aprovadas empiricamente. Elas, por si só, não podem ser descritas como uma história simples ou uma narrativa contagiosa.

Na parte III deste livro, Shiller focaliza algumas das estrelas mais brilhantes das constelações narrativas, aquelas significativas o suficiente para contribuir substancialmente para mudanças nas motivações econômicas. Ainda não podemos vincular essas constelações precisamente a eventos econômicos graves. Mas mesmo com visões parciais das constelações e confluências, estamos progredindo na compreensão dos eventos.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s