Pensamento em Rede

O pensamento em rede significa focar nos relacionamentos entre entidades, e não nas próprias entidades. Por exemplo, como Melanie Mitchell descreveu no capítulo 7 do seu livro “Complexidade”, o fato de humanos e plantas de mostarda terem, cada um, apenas cerca de 25.000 genes não parece corresponder à complexidade biológica dos humanos em comparação com essas plantas. 

De fato, nas últimas décadas, alguns biólogos propuseram a complexidade de um organismo surge em grande parte da complexidade nas interações entre seus genes. Mitchell diz muito mais sobre essas interações no capítulo 18, mas por enquanto é suficiente dizer: os resultados recentes no pensamento em rede estão tendo impactos significativos na Biologia.

O pensamento em rede recentemente ajudou a iluminar outros, aparentemente não relacionados, mistérios científicos e tecnológicos. 

Por que a expectativa de vida típica dos organismos é uma função simples de seu tamanho? 

Por que rumores, piadas e “mitos urbanos” se espalham tão rapidamente? 

Por que redes grandes e complexas, como redes de energia elétrica e a Internet, são tão robustas em algumas circunstâncias e tão suscetíveis a falhas em grande escala em outras? 

Quais tipos de eventos podem causar o colapso de uma comunidade ecológica antes estável?

Por mais discrepantes sejam essas perguntas, os pesquisadores de redes acreditam as respostas refletirem semelhanças entre redes em muitas disciplinas diferentes. Os objetivos da Ciência de Redes são descobrir essas semelhanças e usá-las para caracterizar diferentes redes em uma linguagem comum. Os cientistas de redes também querem entender como as redes surgiram na natureza e como elas mudam com o tempo.

A compreensão científica das redes pode ter um grande impacto não apenas em nossa compreensão de muitos sistemas naturais e sociais, mas também em nossa capacidade de projetar e usar redes complexas de maneira eficaz, desde uma melhor pesquisa na Web e roteamento da Internet até o controle da disseminação de doenças, a eficácia do crime organizado e os danos ecológicos resultantes das ações humanas.

Afinal, o que é uma ‘rede’?

Para investigar as redes cientificamente, temos de definir exatamente o pretendido dizer com rede. Em termos mais simples, uma rede é uma coleção de nós conectados por links. Os nós correspondem aos indivíduos em uma rede (por exemplo, neurônios, sites da Web, pessoas) e links para as conexões entre eles (por exemplo, sinapses, hiperlinks da Web, relacionamentos sociais).

Por exemplo, parte de minha própria rede social envolve alguns de meus amigos próximos, alguns de seus amigos próximos, etc., com um total de 19 nós. É claro a maioria das redes “reais” ser consideravelmente maior. O Número de Dunbar estima cerca de 150 “amigos” por pessoa.

À primeira vista, essa rede parece uma bagunça emaranhada. No entanto, se você olhar mais de perto, verá alguma estrutura para essa bagunça. Existem alguns clusters mutuamente conectados – não surpreendentemente, alguns de meus amigos também são amigos uns dos outros. 

Por exemplo, uns estão todos conectados um ao outro, assim como outros comigo como uma ponte entre os dois grupos. Mesmo sabendo pouco sobre minha história, você pode imaginar essas duas “comunidades” de amigos estarem associadas a diferentes interesses meus ou a diferentes períodos da minha vida. (Ambos são verdadeiros.)

Você também pode notar: há algumas pessoas com muitos amigos e algumas pessoas com apenas um amigo. Isso se deve apenas à incompletude dessa rede, mas na maioria das grandes redes sociais sempre haverá algumas pessoas com muitos amigos e algumas pessoas com poucos.

Em seus esforços para desenvolver uma linguagem comum, os cientistas de redes criaram uma terminologia para esses diferentes tipos de estruturas de rede. A existência de comunidades fortemente unidas em redes é denominada agrupamento. O número de links de entrada ou saída de um nó é denominado grau do nó

Usando essa terminologia, podemos dizer determinada rede possui um pequeno número de nós de alto grau e um maior número de nós de baixo grau.

Por que as redes do mundo real têm essas características? Esta é uma questão importante da Ciência de Redes. Ela foi abordada em grande parte pelo desenvolvimento de modelos de redes.

Duas classes de modelos foram estudados em profundidade. São conhecidas como redes de mundo pequeno e redes sem escala.

Continua em próximo post.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s