Impulsos e Emoções na Hora de Investir

As mudanças na legislação do imposto de renda do mercado financeiro propostas pelo governo na reforma tributária deverão gerar um aumento de arrecadação de R$ 14,19 bilhões no próximo ano, informou ontem a Receita Federal. No segundo e terceiro anos de vigência, contudo, o resultado dessas simulações aponta para a neutralidade.

O resultado forte em 2022 é determinado principalmente pela cobrança sobre o estoque dos fundos familiares fechados, que vai gerar ganho de R$ 14,47 bilhões. O Fisco estimou que parte do aumento será perdida nos próximos sete anos porque a tributação reduzirá o estoque desses fundos.

Já nos fundos abertos, de acordo com os técnicos da Receita, o fim da tributação regressiva (que hoje vai de 15% a 22,5%) deve gerar perda de R$ 1,5 bilhão no próximo ano aos cofres federais.

Mais de duas semanas depois de ter enviado ao Congresso sua proposta de reforma do IR, a Receita apresentou o detalhamento de as projeções de impacto das medidas. De acordo com os cálculos, o projeto deve gerar um aumento líquido de arrecadação de R$ 2,47 bilhões no próximo ano, passando para R$ 1,6 bilhão em 2023 e R$ 2,08 bilhões em 2024.

Igor Barenboim é professor da Escola de Economia da FGV/SP, sócio da Reach Capital e autor do livro Decisões Financeiras e o Comportamento Humano. Publicou artigo (Valor, 13/07/21) a respeito de Finanças Comportamentais aconselhado a ser lido pelos já saudosos da isenção fiscal sobre Fundos Exclusivos dos ricaços.

No mundo do “fintweet”, opiniões financeiras são disseminadas em profusão nas redes sociais. Cursos de como ganhar dinheiro rápido com ativos financeiros, inclusive com estratégias de negociação diária (“day trade”), viraram lugar comum nas plataformas digitais.

“Encantados com a inclusão financeira de milhões de pessoas no Brasil – só entre maio de 2020 e maio deste ano foram mais de 50% de novos CPFs segundo a B3, passando os 3,5 milhões de brasileiros investidores e expostos à volatilidade do mercado -, mas muito atentos sobre as armadilhas na arte de investir fartamente documentadas na literatura econômica e financeira, eu e a minha irmã Iana, também economista, começamos a conversar sobre algumas premissas, fizemos algumas anotações e acabamos escrevendo um livro.

Nas últimas três décadas, a ideia de que o mercado financeiro é eficiente foi perdendo força entre os economistas. Hoje já é bastante aceito que os indivíduos tomam decisão de modo enviesado, gerando excessos de preços, por vezes bolhas financeiras que terminam por distorcer a alocação de investimentos com consequências negativas para o desenvolvimento econômico.

O crash da bolsa americana de 1987 foi bastante importante para impulsionar a mudança do consenso acadêmico sobre o tema. Na época, a bolsa caiu 22% em um dia sem nenhuma explicação aparente. Mais curioso foi o fato de a Nyse ter fechado o ano de 87 no mesmo patamar em que começou, com flutuação de mais de 20% para ambos os lados.

Daniel Khaneman (ganhador do prêmio Nobel) e Amos Tversky documentaram uma série de vieses comportamentais dos indivíduos na hora de tomar decisões. O artigo mais famoso é de 1979 e aborda a aversão à perda.

Esse viés de comportamento é famoso por induzir as pessoas a não quererem vender seus ativos após uma perda. Por outro lado, ele induz a realização de lucros em cima dos ativos que se valorizaram.

Na vida real é difícil as pessoas decidirem vender um imóvel por um preço inferior ao que elas pagaram. Você venderia sua casa por um preço menor do que você pagou? Com as ações acontece a mesma coisa: ninguém quer vender as ações que caíram.

Mas todo mundo topa vender as que subiram, colocar na cabeça que tiveram lucro e usar os proventos para a viagem dos sonhos. Ignorar perdas e contabilizar lucros traz felicidade momentânea, mas como estratégia de investimento é perigoso.

Em 1990, Shleifer e coautores apresentaram a ideia de que havia limites à arbitragem. Ficou famoso o caso da disparidade dos preços das ações da Royal Dutch, com ações negociadas no mercado holandês, e da Shell, negociada no mercado inglês. Após a fusão das companhias, ativos idênticos negociados em mercados líquidos tinham preços diferentes.

O que poderia explicar isso? A ideia é que simplesmente a falta de garantia de que os preços vão convergir pode criar risco e, portanto, isso é razão suficiente para preços de ativos iguais terem preços diferentes. Basta termos uma parcela de investidores que não tomam sua decisão com base em informações disponíveis para que isso aconteça.

Nos anos 90 e 2000, com a disponibilidade computacional, criou-se farta literatura que documentou a correlação dos retornos dos preços das ações. Mostrando que ações que subiam continuavam a subir por seis a doze meses e, eventualmente, após três anos, seus retornos convergiam à média.

Ficaram documentados na literatura dois padrões muito recorrentes no folclore de Wall Street e que já haviam sido descritos alegoricamente no livro de Edwin Lefèvre, “Reminiscências de um Especulador Financeiro”, de 1923.

São padrões hoje comumente ensinados em cursos de como investir. O primeiro diz respeito aos padrões de curto prazo, em que as ações que sobem devem continuar a subir. Podem ser associados a estratégias grafistas e de extrapolação de tendências.

Também podem ser associados a comportamentos de manada: você vai almoçar no clube domingo e seu filho fala para você que o amiguinho está indo para a Disney porque o pai dele comprou bitcoin. Você se vê compelido a comprar também. Afinal, quem não quer levar o filho para a Disney?

O outro é a reversão à média. As ações que vão bem por um tempo porque todos ficam muito otimistas com seu futuro eventualmente encontram reveses em média e acabam tendo retornos mais modestos.

Essa ideia foi propagada por Warren Buffet e defendida inicialmente por Graham e Dodd em 1934. É o famoso investimento fundamentalista em empresas que estão baratas. Em 1992, Fama e French demonstraram que empresas baratas tendem a ter retorno superior. Isso também é bastante ensinado nos cursos de investimento.

Existem várias estratégias de investimento com regularidade histórica, mas, como a própria história mostra, elas não são infalíveis. Quem optou pelo investimento fundamentalista nos últimos vinte anos pode ter se surpreendido com a ruptura econômica em que empresas de tecnologia como Amazon e Google, por exemplo, não pararam de surpreender positivamente, finalmente turbinadas pela covid-19.

A literatura não para de evoluir e nos últimos anos nos mostrou que os indivíduos parecem ter um viés de comportamento chamado representatividade, na medida em que eles dão peso excessivo às últimas observações. Se eles veem uma empresa que começa a dar muito lucro, rapidamente podem ser sugestionados que essa empresa será o novo Google e podem começar a atribuir preço excessivamente otimista a respeito de seus lucros futuros. Isso pode ser o catalisador de bolhas que uma vez se esvaem quando a realidade se impõe.

Certos impulsos e emoções podem impor perdas que poderiam ser evitadas. Querem fazer cursos sobre como investir, vão em frente. Mas, investidor, não esqueça de ponderar a sua tomada de decisão.”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s