América do Sul e Cadeias Continentais de Valor

Marta Watanabe (Valor, 15/08/22) informa: depois de recuperarem em 2021 o nível pré-pandemia, as exportações brasileiras para os países da América do Sul avançam neste ano em ritmo mais acelerado face à média total e também em relação às importações, em contraste com que acontece no balanço comercial do país.

Com isso, o superávit comercial nas trocas com os países vizinhos alcançou US$ 7,97 bilhões de janeiro a julho deste ano, mais que o dobro dos US$ 3,68 bilhões em igual período de 2021. O saldo do balanço comercial do país caiu 10% no mesmo período.

Como resultado, a parte do superávit com os países sul-americanos equivale de janeiro a julho deste ano a 20% do total, em avanço na comparação com os 8,3% de iguais meses do ano passado, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex/ME).

As vendas de produtos brasileiros à região somaram US$ 24,85 bilhões este ano e avançaram 39,4%. Os embarques totais do país cresceram 20,1%. A diferença também se deu no ritmo de aumento da importação, com alta de 19,4% no comércio com os vizinhos e de 31,6% quando se olha o total das compras externas do país, sempre de janeiro a julho.

A exportação brasileira aos sul-americanos caiu em 2020 com a eclosão da pandemia de covid-19. Naquele ano, de janeiro a julho, o país exportou aos países vizinhos US$ 12,02 bilhões, valor 27,2% abaixo dos US$ 16,5 bilhões de 2019.

Em 2021, com a recuperação econômica na região, a exportação somou US$ 17,82 bilhões, sempre no acumulado até julho. O desempenho dos embarques este ano contribuiu para um superávit levemente acima dos US$ 7,92 bilhões de iguais meses de 2018, antes pico da série desde 1997, considerando o período dos sete primeiros meses do ano.

Para o presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), a recuperação das vendas externas ao mercado sul-americano é importante porque a região é tradicionalmente consumidora de produtos manufaturados brasileiros, embora a exportação de petróleo para países como o Chile tenha ajudado também a aumentar os embarques e o superávit comercial no comércio regional.

Um terço () dos US$ 5,18 bilhões que os chilenos absorveram de janeiro a julho em produtos brasileiros foi petróleo, seguido de automóveis com 7%. Já na importação brasileira de produtos sul-americanos predominam commodities ou produtos com pequeno beneficiamento.

Dados da Secex mostram: dos cinco principais itens embarcados aos vizinhos de janeiro a julho, quatro foram manufaturados, todos ligados a automotivo ou transportes. O petróleo liderou a lista, com 9,4%, praticamente empatado com os 9,03% em carros. Os dois itens foram seguidos por partes e acessórios de automóveis, veículos para transporte de mercadorias e tratores. Os cinco produtos foram responsáveis por 28% da pauta de exportação do Brasil rumo aos sul- americanos.

Lia Valls, pesquisadora do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV Ibre), disse: o aumento do valor das exportações brasileiras tem sido acompanhado por elevação das quantidades embarcadas. Segundo dados levantados no âmbito do Indicador de Comércio Exterior (Icomex), a quantidade exportada para a Argentina subiu 14% de janeiro a julho deste ano contra igual período do ano passado. Nas importações houve queda de quantum de 0,7%. Nas exportações para os demais países da América do Sul, o aumento de volume foi de 14,3% enquanto a quantidade importada caiu 7,5%.

A principal explicação para o aumento das exportações é a maior parte dos países dessa região ser exportadora de commodities, itens com forte elevação de preços, gerando divisas adicionais. Isso proporcionou a esses países novas oportunidades de importação de manufaturados brasileiros.

Em momento de gargalos logísticos no comércio global, 1. a proximidade geográfica do Brasil, 2. o custo logístico adaptado à região, 3. a disponibilidade de contêineres e 4. a viabilidade de transporte terrestre incluem-se entre as principais razões de o comércio na região ter sido favorecido.

Não se trata de algo homogêneo. Segundo dados da Secex, considerando o comércio com todos os 11 demais países da região, o Brasil teve déficit com três países de janeiro a julho. O saldo negativo é explicado principalmente pelo fornecimento de produtos ligados a energia. Houve déficit com a Bolívia, do qual o Brasil importa gás, com o Paraguai, que fornece energia elétrica, e com a Guiana, por causa do petróleo.

Os guianenses praticamente apareceram neste ano no mapa brasileiro de importações. O Brasil importou deles US$ 313 milhões de janeiro a julho, quase tudo em petróleo.

A Argentina também tem uma situação diferente e específica. A exportação de US$ 8,89 bilhões de janeiro a julho deste ano aos argentinos representa recuperação, com alta de 34% contra igual período do ano passado.

Com situação externa ainda difícil, porém, o país não tem divisas disponíveis para permitir um balanço comercial muito desfavorável, o que pode voltar a impactar o Brasil. Recentemente, o banco central argentino baixou novas medidas já sentidas por alguns setores onde os exportadores são menores e mais pulverizados, relata Barral.

A Abicalçados reúne fabricantes do setor calçadist. Já se manifesta sobre dificuldades enfrentadas pelas empresas nos embarques à Argentina, mas o efeito disso ainda não apareceu claramente nos números do comércio bilateral, informa.

As restrições impostas pelo sócio do Mercosul para as exportações brasileiras não são algo novo no comércio bilateral. Elas ganharam corpo com as licenças de importação durante a gestão de Cristina Kirchner, quando esteve à frente do governo argentino de 2007 a 2015. Mesmo antes da pandemia, os embarques brasileiros aos argentinos também caíram em razão da crise econômica no país vizinho, que ainda enfrenta inflação alta neste ano.

O cenário mais positivo do comércio com os vizinhos deve propiciar uma exportação brasileira aos sul-americanos de US$ 41 bilhões em 2022. No ano passado essa receita foi de US$ 34,1 bilhões.

O superávit com esse grupo de países deve aumentar neste ano, contrastando com a projeção da AEB para o saldo total brasileiro. Após o superávit recorde de US$ 61,22 bilhões no balanço comercial total de 2021, estima saldo positivo de US$ 54,13 bilhões ao fim deste ano.

Há incerteza, porém, sobre a sustentabilidade do desempenho do comércio com a vizinhança em prazo mais longo. Os dados e cenários mostram o Brasil pode ocupar mais espaços nos mercados de diferentes países da América do Sul.

Depende mais de o Brasil querer aumentar suas exportações e menos de as empresas destes países desejarem ampliar suas importações. Apesar dos bons resultados alcançados, não se pode considerar esse mercado vizinho como cativo. A China, principalmente, está ocupando espaços e desalojando o Brasil como principal fornecedor em alguns países.

Em 2022, o desempenho mais positivo das exportações brasileiras aos vizinhos sul-americanos deve-se à recuperação econômica na maioria dos países. O comércio futuro depende disso e de outros fatores, como o papel dos acordos comerciais com parte dos parceiros e do alinhamento político.

O resultado das eleições no Brasil, avalia, também pode influenciar na política externa regional. Em prazo mais curto, a preocupação é com possível desaceleração econômica à frente.

Segundo as projeções de consenso do relatório de agosto da consultoria FocusEconomics, a estimativa é que o PIB da Colômbia cresça 5,8% em 2022 após expansão de 10,6% no ano passado. Para 2023, a estimativa é de alta de 2,6%.

No Chile, o crescimento projetado é de expansão de 2% neste ano, após alta de 11,7% em 2021. Para o ano que vem, a estimativa é de crescimento de 0,2%.

O desarranjo do comércio internacional, sob impacto da pandemia e depois pela guerra entre Rússia e Ucrânia, trouxe desafios comuns a todos os países latino-americanos, como a pressão de preços. No médio prazo, porém, o contexto internacional pode favorecer o comércio com a Argentina e os demais países sul-americanos.

A região, aponta, é uma das poucas do mundo onde não há uma corrida armamentista, o que a torna um fornecedor considerado confiável do ponto de vista político. O movimento de realocação de recursos produtivos nas maiores economias, trata-se de uma oportunidade para a região na atração de indústrias.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s