Emissões no Mercado de Capitais e no Mercado Externo: Sem Compensação da Redução do Crédito do BNDES

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) teve este ano o pior volume de desembolsos entre janeiro e junho para um primeiro semestre neste século. O desempenho da instituição reflete a dificuldade de recuperação da economia brasileira e os problemas encontrados no início do ano na mudança da Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) para a Taxa de Longo Prazo (TLP). Entre janeiro e junho, o banco de fomento emprestou R$ 27,8 bilhões, acima apenas dos R$ 20,9 bilhões dos seis primeiros meses de 2000.

O montante ainda fica 17% abaixo dos R$ 33,5 bilhões desembolsados no primeiro semestre do ano passado. Um alento veio das consultas: subiram 3,5% na comparação com os seis primeiros meses de 2017, para R$ 49,7 bilhões. Já os enquadramentos somaram R$ 47,5 bilhões, aumento de 9,19% ante primeiro semestre de 2017 e as aprovações atingiram R$ 30,3 bilhões, 10,08% abaixo de igual período no ano passado.

Fabio Graner (Valor, 09/07/18) deduz: as captações de recursos por empresas nos mercados de capitais local e internacional mostraram-se insuficientes para compensar a redução do crédito do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e alavancar o crescimento e o investimento em bases mais elevadas. Isso mostram os dados apresentados pelo Banco Central (BC) em boxe no último Relatório de Inflação (junho de 2018). A autoridade monetária e a equipe econômica neoliberal vêm fazendo esforço para chamar atenção para o aumento da participação de fontes alternativas de financiamento — e “tampar o sol com peneira”!

O chamado “financiamento amplo” tomado por um grupo de companhias selecionadas pelo BC – que considera, além das operações com empresas feitas pelo BNDES e pelo sistema financeiro nacional, as captações no mercado de capitais e no exterior – cresceu 3,2% no período de 2016 a maio de 2018 (considerado na análise do BC), menos que a inflação, de 4,6% do período.

Além disso, parte relevante da expansão nominal registrada nessa amostragem foi efeito meramente contábil da desvalorização cambial sobre o estoque da dívida feita pelas empresas no exterior. Só entre o fim do ano passado e maio deste ano, a dívida externa das empresas selecionadas pelo BC cresceu R$ 79 bilhões, sendo que R$ 29,1 bilhões foram de captações feitas entre janeiro e maio deste ano. Ou seja, o restante foi variação da dívida por conta de efeito cambial – até maio, o dólar tinha subido quase 13% ante o real.

Parte do dinheiro captado pelas empresas no mercado de capitais, antes dispondo de abundância de recursos a juro mais baixo, foi para trocar dívida cara por mais barata, dada a queda da Selic abaixo da antiga TJLP, além de reduzir o nível de endividamento. As empresas vêm em um processo de desalavancagem financeira desde a recessão iniciada no fim de 2014. Continue reading “Emissões no Mercado de Capitais e no Mercado Externo: Sem Compensação da Redução do Crédito do BNDES”

Financiamento do Investimento no Brasil e o Papel do Mercado de Capitais

Em contraponto neoliberal, outro estudo encomendado pelo IEDI, elaborado por Carlos A. Rocca (Financiamento do Investimento no Brasil e o Papel do Mercado de Capitais. São Paulo: IEDI; junho/2018), analisa as condições de financiamento dos investimentos no Brasil e o potencial do mercado de capitais como principal fonte de recursos de longo prazo. Faz as seguintes observações.

Existe evidencia considerável demonstrando condições macroeconômicas adversas, caracterizadas principalmente por elevadas taxas de juros, serem o principal fator de inibição do desenvolvimento do mercado de capitais brasileiro, pelo menos desde o Plano Real, em 1994. A ampliação da politica de concessão de crédito com taxas subsidiadas pelo BNDES a partir de 2010 introduziu uma forte competição com as fontes de recursos do mercado de capitais, especialmente em relação às empresas de maior porte e mais qualificadas para captar recursos nesse mercado.

Um novo cenário mais favorável para o desenvolvimento do mercado de capitais surge após o golpe e o oportunismo neoliberal. Dada a desinflação de alimentos, maior componente do IPCA, depois de um longo ciclo de seca, esse índice caiu significativamente para patamar abaixo de 2,5% aa e propiciou condições para a redução da taxa real de juros para níveis mais próximos dos internacionais.

Com dirigentes neoliberais, houve a mudança de posicionamento do BNDES em favor do mercado de capitais com a adoção de taxas de financiamento referenciadas a taxa de mercado (TLP) da NTN-B de 5 anos. Passa a ser uma referência de custo de oportunidade, ou seja, o custo do funding possível de ser captado pelo Tesouro Nacional e ser transferido para alavancagem financeira do BNDES sob o risco de elevação da dívida bruta pública. Continue reading “Financiamento do Investimento no Brasil e o Papel do Mercado de Capitais”

Concentração e Centralização do Capital: Aqui-e-Agora

Estou escrevendo a respeito da atualidade da obra da Professora Maria da Conceição Tavares. Observo como seus temas reaparecem na realidade atual. Um deles é a concentração e centralização do capital necessária para dar competitividade internacional aos agentes econômicos sediados na economia brasileira. A hipótese era a transnacionalização de empresas originadas no Brasil ter impacto no balanço de pagamentos do País.

Bom estudo de caso, aqui-e-agora, é a compra da Fibria pela Suzano Papel e Celulose. Ela foi oficialmente notificada no dia 2 de julho de 2018 no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), de acordo com despacho publicado no “Diário Oficial da União” (DOU). O prazo de 240 dias prorrogáveis por outros 90 começou a contar. Assim, a autoridade antitruste tem até o fim do primeiro semestre de 2019 para autorizar ou vetar o negócio.

A operação, anunciada em meados de março, representará a fusão das duas maiores fabricantes de celulose de eucalipto do mundo. Hoje, juntas, as duas empresas têm um valor de mercado de R$ 90 bilhões.

Na instauração do processo, as empresas apontaram: o negócio atinge os setores de produção de celulose e outras pastas para a fabricação de papel, cultivo de eucalipto, extração de madeira em florestas plantadas, fabricação de papel e administração da infraestrutura portuária. Continue reading “Concentração e Centralização do Capital: Aqui-e-Agora”

Por um BNDES relevante

A Carta IEDI 857 volta ao tema do financiamento de longo prazo e do investimento privado no Brasil, a partir do trabalho preparado pelo professor da URFJ e ex-vice-presidente do BNDES João Carlos Ferraz, cuja versão integral está disponível no site do IEDI.

Este é o quinto exemplar da série recente de estudos sobre este tema. Inclui os documentos:

  1. “O BNDES em uma encruzilhada: como evitar sua desmontagem” (Carta IEDI n. 828 de 30/1/18) preparado pelo economista Ernani Teixeira;
  2. “Para um novo desenvolvimento, um novo BNDES” (Carta IEDI n. 834 de 5/3/18) realizado pelo consultor do IEDI, João Furtado;
  3. “Aliviando as restrições de crédito em países emergentes: o impacto dos financiamentos do BNDES na produtividade das firmas industriais brasileiras” (estudo publicado em 1/6/18), de autoria de Filipe Sousa e Gianmarco Ottaviano;
  4. “Financiamento do investimento no Brasil e o papel do mercado de capitais” (Carta IEDI n. 850 de 6/6/18) de Carlos Rocca.

Como se sabe, o país atravessa um momento de retração dos investimentos ao mesmo tempo em que estão em curso transformações nos padrões de produção, concorrência, modelos de negócio, consumo e estilos de vida. Neste momento de incerteza, ganha grande relevância discutir como preparar o BNDES para que mantenha um papel relevante para o futuro do país.

Esse é o ponto de partida do trabalho de João Carlos Ferraz. Qual deve ser a contribuição do BNDES para a evolução futura do país, a partir do seu estágio de desenvolvimento e em meio a transformações importantes na economia real, tanto no Brasil como no mundo? Continue reading “Por um BNDES relevante”

Evolução Recente do Crédito no Segmento de Pessoas Jurídicas

O Relatório de Inflaçãodo Banco Central do Brasil divulgado em dezembro de 2017 apresenta box sob o título acima. O mercado de crédito tinha registrado desempenho melhor no segmento de pessoas físicas comparado ao de pessoas jurídicas, embora ambos observem queda significativa desde 2015, agravada no período do golpismo de 2016.

O objetivo desse boxe é identificar os aspectos centrais da dinâmica do crédito para pessoas jurídicas (PJ), em especial:

  1. a influência do tamanho das empresas e
  2. a substituição de fontes de financiamento.

Uma perspectiva de análise interessante é aborda a evolução dos empréstimos às empresas pelo seu porte. Para tanto, considerou-se o período entre dezembro de 2014 a outubro de 2017, desmembrado em dois intervalos:

  • dezembro de 2014 a dezembro de 2015 e
  • dezembro de 2015 a outubro de 2017.

Continue reading “Evolução Recente do Crédito no Segmento de Pessoas Jurídicas”

Processo de Desmanche do BNDES… e do Desenvolvimento do País

Bruno Villas Bôas, Catherine Vieira e Fernando Torres (Valor, 15/03/18) informam que o peso do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) nos investimentos do país está no menor nível em, pelo menos, 13 anos.

Os economistas ortodoxos abominam o crédito ir além da poupança pré-existente porque, de acordo com a Lei de Say pré-keynesiana, pressupõem que ele desequilibra a demanda agregada com a oferta agregada, causando inflação. Por isso, desmancham o Estado desenvolvimentista brasileiro através da descapitalização dos bancos públicos que propiciaram o ingresso do País no grupo BRIC dos grandes países emergentes. Praticam um crime lesa-pátria!

Mas estão tão felizes quanto “pinto-no-lixo” com os gráficos abaixo e acima. A economia caminha para um “equilíbrio” com 12,3 milhões de desempregados… Viva o Keynes! Morte ao Hayek! 🙂

Os desembolsos do banco responderam por 5,3% do financiamento da formação bruta de capital fixo (FBCF, conta que mede os investimento na economia) em 2017, após três anos em queda. Para especialistas, o financiamento de longo prazo passa por um processo de transição de fontes, e o BNDES deixa de ser um forte termômetro dos investimentos.

Levantamento realizado por Carlos Antonio Rocca, diretor do Centro de Estudos do Mercado de Capitais (Cemec) da Fipe, mostra que os desembolsos do BNDES representavam 15,2% dos investimentos em 2014. Naquele ano, as liberações somaram R$ 187,8 bilhões, lideradas pela infraestrutura. No ano seguinte, o governo reduziu repasses ou empréstimos ao banco. Desde então, essa proporção recuou paulatinamente: 11% (2015), 6% (2016) e 5,3% (2017). E a taxa de investimento despencou do patamar de 20% para 15,6% do PIB. Coloquem como responsabilidade da ortodoxia a existência do desemprego de 12,3 milhões pessoas no fim de 2017. Continue reading “Processo de Desmanche do BNDES… e do Desenvolvimento do País”