Debate no Centro Celso Furtado

O debate sobre Política Monetária e Política Fiscal como instrumentos para superação da crise econômica brasileira, entre os professores Esther Dweck (IE-UFRJ) e Fernando Nogueira da Costa (IE-UNICAMP) tem a gravação no seguinte link (minha fala está após uma hora): https://www.youtube.com/watch?v=axVPsEHtFM0

Download de minha apresentação:

Fernando Nogueira da Costa – Política Monetária e Sistema Bancário – CICEF 16.06.2021

Domingueira AMSUR: Governo Biden, 100 dias e Pacote Econômico trilionário – Fernando Nogueira da Costa

dom., 02 de mai. | Zoom

Horário e local

02 de mai. 17:00 via Zoom inscreva-se em:

https://www.amsur.org/event-details/domingueira-amsur-governo-biden-100-dias-e-pacote-economico-trilionario-fernando-nogueira-da-costa-1/ 

Sobre o evento

O Governo Biden está completando 100 dias e vem se demonstrando ousado e inovador, mesmo mantendo e aprofundando um confronto internacional, buscando manter-se como o País líder no cenário mundial. Seu pacote econômico, de US$ 1,9 trilhão, além de seu impacto enorme na economia dos EUA, rebatendo-se na economia mundial, possui características que apontam para mudanças importantes de postura, valorizando sobremaneira o papel do Estado na economia, bem como focando investimentos em amplos setores econômicos.

Fernando Nogueira da Costa (Professor Titular no IE – UNICAMP), articulista de GGN, Carta Maior e Brasil Debate e editor do blog Cidadania & Cultura. 

Entrevista ao Luís Nassif na TV GGN sobre Bancos e Moedas Digitais

https://www.youtube.com/watch?v=RvAmMFa0Uzk&t=524s

O futuro da economia brasileira ainda guarda grandes incertezas e vai depender da retomada do crescimento e da normalização dos níveis de provisionamento dos créditos de liquidação duvidosa. É desejável haver a extensão e a ampliação de algumas medidas de capital e provisionamento como prevenção de um cenário mais desafiador para os bancos manterem a disposição de emprestar. 

Lucro dos bancos é um tema controverso. Na verdade, embora seja o setor mais lucrativo no país, não é verdade os maiores bancos obterem rentabilidade patrimonial acima de outras grandes empresas não-financeiras. 

O patrimônio líquido deles é muito superior ao das demais grandes empresas. Permite a alavancagem financeiro e o passivo de terceiros não ficar “a descoberto”.

Para seus clientes, os bancos terem lucro não deve ser visto como sinal de exploração. Pelo contrário, é o melhor sinal de capitalização e solidez na alavancagem financeira dos demais setores. 

Continuar a ler

Debate Virtual promovido pelo Centro Celso Furtado sobre MMT e Política Econômica Brasileira

Para ver, especificamente, minha participação no debate, adiante para os 50 minutos do vídeo para ver a apresentação e 1:40 e 2:06 para o debate.

Guia para apresentação:

Fernando Nogueira da Costa – Política Econômica Brasileira e MMT – CICEF 04.03.2021

Observação: Decreto-lei n. 236, de 1938, mandava nas dívidas em moeda estrangeira, caso contivessem cláusula-ouro, ficar inválida a cláusula, mas permanecessem eficazes as obrigações em moeda estrangeira ao determinar seu pagamento pela moeda nacional, correspondente ao débito da moeda estrangeira — e não em ouro. Condenava-se a cláusula-ouro, mas se permitia o débito em moeda estrangeira, caso fossem pagos em moeda nacional para ser convertida nela.

Continuar a ler

Entrevista à Revista Apólice n. 257

O repórter André Felipe de Lima, da Revista Apólice, uma das principais publicações da área de seguros, enviou-me uma entrevista por e-mail sobre os rumos da nossa economia diante da pandemia da covid-19 e a atuação do governo para responder ao cenário socioeconômico alarmante no qual nos encontramos.

Continuar a ler

Rumo da Ciência: Multidisciplinar, Interdisciplinar ou Transdisciplinar?

No dia 26/06/2020, fiz uma vídeo-conferência a convite de seus professores para os alunos da pós-graduação do Departamento de Política e Ciência Tecnológica do Instituto de Geociências da UNICAMP:  https://drive.google.com/file/d/1I3yEzx33Ean7HBEton7lTG_w9nAKocXi/view?usp=sharing Inspirado por sua preparação, escrevi o artigo abaixo.

Continuar a ler

29 Minutos Para Falar Bem Em Público – Parte V

Prossigo com o resumo das principais ideias do livro de autoria de Rachel Polito e Reinaldo Polito: “29 minutos para falar bem em público” (Rio de Janeiro: Sextante, 2015).

COMO SER BOM DE PAPO

  • Seja natural. Essa é uma das regras mais importantes para quem deseja conversar bem.
  • Demonstre ouvir com interesse. Use expressões fisionômicas ou palavras indicativas de estar acompanhando e se interessando pela conversa.
  • Aprenda a contar histórias curtas e interessantes. Essa é uma combinação importante, pois, em uma boa conversa, de maneira geral, não adianta a história ser curta se não for interessante, nem ser interessante se não for curta.
  • Desenvolva seu lado espirituoso e bem-humorado. Esses recursos tornam as conversas atraentes e instigantes.
  • Faça perguntas fechadas (“quem?”, “onde?”, “quando?”) ou abertas (“por quê?”, ”como?”, “de que maneira?”), dependendo do rumo desejado dar à conversa.
  • Tenha interesse verdadeiro pelas pessoas com quem conversa.

Continuar a ler

29 Minutos Para Falar Bem Em Público – Parte IV

Prossigo com o resumo das principais ideias do livro de autoria de Rachel Polito e Reinaldo Polito: “29 minutos para falar bem em público” (Rio de Janeiro: Sextante, 2015).

COMO DAR UM SHOW NO PALCO

  • Descubra o feito por você de melhor e use em suas apresentações. Você sabe contar piadas ou histórias interessantes? Sabe fazer imitações? Leve para os ouvintes essas habilidades. Esse é o espetáculo necessário para sua apresentação ser bem-sucedida.
  • Pratique contar histórias interessantes para amigos e familiares. Essas situações são as mais adequadas para ensaiar esses ingredientes espetaculares. Se funcionar nos ambientes mais íntimos, também poderá dar resultado diante dos ouvintes.
  • Saiba dosar o show de acordo com o tipo de plateia pela frente. Quanto mais numeroso e inculto o público, mais espetacular poderá ser a apresentação. Quanto menor e mais instruído o público, mais moderado deverá ser o espetáculo.

Continuar a ler