Teoria da Complexidade

Tradução da Palestra TED de Nicolas Perony sobre Teoria da Complexidade:

Ciência nos deu a chance de saber tanto sobre os confins do universo, o que é ao mesmo tempo tremendamente importante e extremamente distante, e ainda muito, muito mais próximo, muito mais diretamente relacionado a nós, há muitas coisas que não entendemos. E uma delas é a extraordinária complexidade social dos animais que nos rodeiam, e hoje quero lhes contar algumas histórias sobre a complexidade animal.

Em primeiro lugar, o que chamamos de complexidade? O que é complexo?

Bom, complexo não significa complicado. Algo complicado compreende muitas partes pequenas, todas diferentes, e cada uma delas tem o seu próprio papel no mecanismo. Por outro lado, um sistema complexo é feito de muitas, muitas partes similares, e é a sua interação que produz um comportamento globalmente coerente. Sistemas complexos têm muitas partes interagindo que se comportam de acordo com regras simples, individuais, e isso resulta em propriedades emergentes.

O comportamento do sistema como um todo não pode ser previsto apenas a partir de regras individuais. Como Aristóteles escreveu, o todo é maior que a soma de suas partes. Mas, à partir de Aristóteles, vamos passar para um exemplo mais concreto de sistemas complexos.

Continuar a ler

Podcast sobre Estagdesigualdade

Fernando Nogueira da Costa, Professor titular do Instituto de Economia da Unicamp
‘O Brasil patina na estagdesigualdade’

A economia não cresce desde 2015, está estagnada e a desigualdade aumenta. O desemprego na classe D é de 18%; na classe E, 30% . A renda financeira de cada um dos 115 mil endinheirados cresceu em R$ 3,5 milhões em plena estagnação de dezembro de 2015 a junho de 2019. Em média, um milhão de reais a cada ano… Só.

Vinte Anos de Economia Brasileira – Atualização 2018

 

Gerson Gomes me enviou um dos trabalhos de economistas brasileiros mais importante e colaborativo com o exercício da profissão (clique para download): VINTE ANOS DE ECONOMIA 2018 – julho de 2019

Abnegado, aliás, como o Informe JRA do José Roberto Afonso — este envia diariamente por e-mail links com publicações recém-lançadas –, Gerson, com a colaboração de Carlos Antônio Silva da Cruz, contribui com a interpretação estatística da economia brasileira. O leitor visualiza todos os ciclos de 1994 a 2018. Com as teorias corretas qualquer pessoa com alguma formação em Economia consegue fazer análises profundas com base nos gráficos. Conceitos são importantes para não ficar no empirismo descritivo — ou como um “ascensorista” do sobe-e-desce.

Aprendemos com nossa mentora, a Professora Maria da Conceição Tavares: “nunca diga nada sobre a realidade brasileira sem comprovar com dados e informações objetivas, senão o criticarão como sendo mera ideologia o dito por você!

Esta nova edição dos “Vinte Anos de Economia Brasileira”, a sexta desde 2014, incorpora os dados de 2018, cobrindo praticamente todo o período pós-Plano Real.

Esse período se inicia com a intensificação das políticas de corte neoliberalprivatizações e limitação do papel do Estado, abertura comercial e financeira da economia, desregulamentação  das relações capital/trabalho, esvaziamento das organizações de representação dos trabalhadores e redução dos direitos sociais. Foram  implantadas no País nos anos 90.

Conclui, depois de um ciclo social-desenvolvimentista de crescimento, inclusão social e consolidação democrática, com o retorno, em 2016, ao fundamentalismo de mercado, no bojo da crise político-institucional  desencadeada após as eleições de 2014.

Apresentação no COFECON em Brasília

O Conselho Federal de Economia promoveu nesta sexta-feira (02) um debate de conjuntura econômica, por ocasião da sua 691ª Sessão Plenária. Os palestrantes foram os economistas Carlos Alberto Luque, diretor-presidente da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE), e Fernando Nogueira Costa, professor titular da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Continuar a ler

Brasil do Amanhã: Paradigmas do Desenvolvimento

O Programa de Educação Tutorial (PET/Economia) da Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara (UNESP/FCL-Ar) me convidou como palestrante da IV Semana de Discussões em Economia e Atualidades (DEA), realizada nos dias 4, 5 e 6 de junho de 2019, nas dependências da UNESP/FCL Araraquara.

O DEA se trata de um espaço de reflexão e análise crítica da realidade econômica nacional e traz em pauta as principais discussões emergentes no cenário brasileiro, de modo a integrar toda a comunidade acadêmica. O tema proposto para este ano será “O Brasil do amanhã: os paradigmas do desenvolvimento”, visando abordar diferentes interpretações para os desafios econômicos e as alternativas para a retomada do desenvolvimento do país.

Ontem à noite ministrei uma palestra apresentando as discussões e reflexões propostas pela temática do IV DEA, para ampliar o debate acadêmico e a formação dos estudantes, além de promover o pensamento crítico.

Download da PalestraFERNANDO N. COSTA – Apresentação UNESP-FCL Araraquara 05.06.2019