Algoritmos detectam Emoções: Previsão de Comportamentos Humanos

Marília de Camargo Cesar (Valor, 25/04/19) informa: o mercado de contact center, formado pelas empresas especializadas em serviços de atendimento ao consumidor, está migrando suas operações para a nuvem computacional, sistema pelo qual softwares e serviços são acessados via internet e pagos como se fossem uma conta de água ou luz. Com isso, os custos operacionais dessas empresas, que usam inteligência artificial para prever o comportamento do consumidor e fazer análise avançada de dados, estão caindo, o que ajuda a impulsionar e o desenvolvimento de novos produtos.

A tecnologia disponível já é capaz não somente de produzir sofisticados relatórios e métricas a partir das conversas com o cliente – feitas por telefone, pelo celular, por chats virtuais ou via site da companhia. Mas pode também analisar suas emoções e personalidade. Dependendo das palavras ou frases ditas ou escritas no diálogo, o software distingue o perfil e encaminha a chamada para o atendente que combine melhor com aquela pessoa.

Na Atento, maior empresa de contact center da América Latina, com 46 mil estações de trabalho e 80 mil funcionários, a adoção da plataforma Nice Nexidia, que avalia o comportamento dos clientes durante o atendimento, resultou num aumento de 40% na produtividade dos agentes. A checagem feita pelos supervisores das conversas dos atendentes passou a ser feita em menos tempo – de 1.300 segundos caiu para 800, por conversa. Continuar a ler

Quatro Tipos de Escritor segundo Design do Escritor

Os 4 tipos de escritor são, embora não pareça, uma ferramenta essencial do ponto vista literário, porque define a maneira como você escreve sua história.

Antes de tudo, há dois métodos básicos:

  1. o Método Criador diz respeito a apenas escrever e mais nada, escrevendo milhares de palavras sem parar, aproveitando o brainstorm, literalmente, tempestade cerebral, mas na verdade é uma série de ideias surgindo na sua mente até ela se esgotar.
  2. o Método Editor consiste em revisar o material já escrito de maneira a torná-lo mais legível e poético, e não só palavra ao lado de palavra.

Os Métodos em si têm de coexistir, mesmo quando você só escrever seus capítulos e os publicar, o simples fato de filtrar uma parte das ideias já seria no caso o Método Editor, enquanto escrever seria o Criador.

Continuar a ler

Employer Brand Research: Preferências de Gerações Profissionais

Stela Campos (Valor, 25/04/19) informa: se puder escolher, o jovem brasileiro prefere trabalhar em uma multinacional. Ele quer um bom salário, benefícios, treinamentos e fazer parte de uma gestão sólida. Acima de tudo, espera ter estabilidade, o que significa que, para ele, as startups e suas incertezas não estão no radar neste momento.

Encantar os jovens e também os mais experientes é hoje o grande desafio para as companhias que estão empenhadas em melhorar a sua marca empregadora, sejam elas multinacionais ou startups.

Uma ampla pesquisa realizada pela Randstad, consultoria de capital humano, intitulada “Employer Brand Research” levantou o que atrai e o que desanima diferentes gerações em relação ao empregadores, em 32 países. No Brasil, foram entrevistados 4.073 profissionais, homens e mulheres, com idades entre 18 e 65 anos, sendo que a maior parte entre os 25 e 44 anos. São estudantes e profissionais, empregados e desempregados, predominantemente da região Sudeste do país.

As grandes lacunas, entre o que os empregados buscam e o que os empregadores oferecem no Brasil, dizem respeito a salário e benefícios, progressão de carreira e ambiente de trabalho. O que mais chama a atenção no levantamento, no entanto, sé quando se olha com lupa as demandas de cada grupo geracional. Continuar a ler

Efeito Halo: Viés da Primeira Impressão

Stela Campos (Valor, 02/05/19) narra: ao conduzir uma entrevista de emprego, o entrevistador costuma valorizar demais a primeira impressão sobre um candidato. Mesmo sem se dar conta, ele faz perguntas apenas capazes de reforçar a sua intuição. A tendência é ele supervalorizar essas respostas em detrimento de outras que deveriam ter maior peso, levando em conta os atributos requeridos para aquela vaga.

Um viés semelhante pode existir quando executivos precisam tomar decisões estratégicas importantes para o negócio como escolher o país onde deve ser instalada uma nova fábrica ou em qual startup devem investir. No geral, eles também se deixam levar por suas primeiras impressões e olham mais para os dados que corroboram com as suas expectativas.

A semelhança entre os processos de seleção de candidatos e de tomada de decisões estratégicas nas empresas é tema de um novo estudo conduzido pelo professor Daniel Kahneman, da Universidade de Princeton, vencedor do prêmio Nobel de Ciências Econômicas em 2002, pelo professor de estratégia Olivier Sibony, da HEC Paris e pelo professor Dan Lovallo, da Universidade de Sidnei.

No estudo chamado “A Structure Approach to Strategic Decisions” (“uma aproximação estruturada para decisões estratégicas”), eles defendem os processos de entrevistas de emprego mais estruturados, usados por empresas como Google, Amazon e Mckinsey, garantirem maior assertividade nos recrutamentos. Por esta razão, podem servir de inspiração para gestores que precisam tomar decisões mais complexas.

Continuar a ler

Trabalho na Vanguarda da Economia com Visão da Complexidade

Em “The Changing Face of Mainstream Economics”, escrito por David Colander, Ric Holt e Barkley Rosser (Middlebury College Economics Discussion Paper No. 03-27 – Department Of Economics – Middlebury College – http://www.middlebury.edu/~econ, November 2003), os coautores enfatizam a complexidade como um fator determinante do novo trabalho na vanguarda da Economia, porque lhes parece ser a visão por trás deste trabalho. Mas o trabalho real envolve um número grande de frentes. As pessoas ao trabalharem nessas frentes têm diferentes graus de conexão com a abordagem de complexidade mais ampla.

Junto com isso, e interagindo com isso, é uma nova abertura para ideias de outras disciplinas. Assim, a modelagem continua sendo o núcleo central da abordagem do mainstream, mas a natureza dos modelos complexos e os pressupostos subjacentes são muito mais abertos e transdisciplinar.

Há muita discussão agora sobre como descrever as pesquisas envolvendo mais de uma disciplina. O termo mais antigo é provavelmente multidisciplinar.

Continuar a ler

Processo de Disseminação de Pensamento Econômico de Vanguarda

Em “The Changing Face of Mainstream Economics”, escrito por David Colander, Ric Holt e Barkley Rosser (Middlebury College Economics Discussion Paper No. 03-27 – Department Of Economics – Middlebury College – http://www.middlebury.edu/~econ, November 2003), os coautores sugerem: quando uma ideia é expressa em um modelo aceitável, o processo de disseminação é longo e prolongado. Funciona ao longo das seguintes etapas.

O trabalho na ponta geralmente aparece primeiro em documentos de trabalho apresentados em seminários de pós-graduação e oficinas incubadoras de novas ideias em Economia, embora às vezes essas ideias sejam inicialmente geradas por pessoas fora desses seminários. As ideias nesses documentos de trabalho gerarão discussões entre os professores em escolas de pós-graduação.

Algumas serão banidas sumariamente [muitas pelo argumento ad hominem (ao homem): desqualificação do interlocutor 
por não ser especialista ou 
por juízo negativo de suas intenções, atacando a pessoa, em vez da 
opinião dela, com a intenção de 
desviar a discussão e desacreditar a proposta desse oponente].

Outras serão tentativamente aceitas, e mencionadas aos professores de outras escolas. Algumas ideias geram um burburinho e, quando isso acontece, atrairá um interesse intenso. Aliás, isso geralmente ocorre antes da publicação.

Eventualmente, a ideia pode ser publicada em um dos principais periódicos ranqueados, mas essa publicação é frequentemente um processo de demarcação de lápides sobre apropriação da ideia alheia em vez de uma disseminação da nova ideia. A difusão da ideia em toda a elite da profissão já terá ocorrido, provavelmente, embora às vezes uma ideia seja publicada e não ser notada até algum tempo depois.

Continuar a ler

Elite da Profissão: mas quem é essa “nomenclatura”, hein?

Em “The Changing Face of Mainstream Economics”, escrito por David Colander, Ric Holt e Barkley Rosser (Middlebury College Economics Discussion Paper No. 03-27 – Department Of Economics – Middlebury College – http://www.middlebury.edu/~econ, November 2003), os coautores acham se o campo da Economia fosse estático e unidimensional, essas duas classificações, ortodoxo / heterodoxo, seria suficiente, mas não é – e eles não são. A profissão de economista é dinâmica, mudando constantemente.

Uma vez que estas classificações costumam atrasar os desenvolvimentos no campo profissional em décadas, os termos ortodoxo e heterodoxo, quando usados ​​em um cenário atual, tendem a ser como só olhar para trás, descrevendo crenças arraigadas e preconceitos retrógrados. Embora ainda possam aparecer em textos, são adjetivos [e não substantivos] empregados como fortes condenações de muitos colegas na profissão. Porém, estão sendo atacados por economistas na vanguarda da profissão.

Compreender o aspecto dinâmico da profissão e o papel dos economistas em seu desenvolvimento, no limite, coloca como central a distinção entre mainstream e ortodoxa. A vantagem é parte da Economia mainstream ser crítica da ortodoxia, e parte da heterodoxia econômica ser levada a sério pela elite da profissão.

O argumento de Colander, Holt e Rosser é o moderno na Economia mainstream está aberto a novas abordagens, desde que sejam feitas com cuidado na compreensão dos pontos fortes da recente abordagem ortodoxa e com uma modelagem da metodologia aceitável para o mainstream. [Em outros termos, são aceitáveis se não forem destronar as ideias dominantes na “elite da profissão”…]

Continuar a ler

Heterodoxia X Ortodoxia = Mainstream

Em “The Changing Face of Mainstream Economics”, escrito por David Colander, Ric Holt e Barkley Rosser (Middlebury College Economics Discussion Paper No. 03-27 – Department Of Economics – Middlebury College – http://www.middlebury.edu/~econ, November 2003), os coautores reconhecem ser útil para o argumento deles em defesa da Ordem dos Economistas considerarem cuidadosamente os termos mainstream, ortodoxia e heterodoxia. Como eles são usados muitas vezes em sentido pejorativo, espelhando discursos de ódio mútuo, é necessário mostrar como eles se relacionam com a sua ideia de a dinâmica da mudança em uma profissão estar à margem dessa profissão.

Começam a argumentação com o termo mainstream economics. Em algum sentido, economia mainstream é o mais fácil dos termos acima para definir, claramente, embora possa ser o mais difícil de identificar na prática. É em grande parte uma categoria definida sociologicamente. Mainstream consiste nas ideias mantidas por aqueles indivíduos dominantes nas principais instituições acadêmicas, organizações e periódicos, a qualquer momento, especialmente nas principais instituições de pesquisa de pós-graduação. A

Economia mainstream consiste nas ideias cuja elite na profissão acha aceitável, onde por elite Colander, Holt e Rosser entendem os principais economistas no topo das escolas de graduação. Não é um termo suficiente para descrever uma escola historicamente determinada, mas sim um termo capaz de descrever as crenças [e os preconceitos] vistas pelas principais escolas e instituições na profissão como intelectualmente válidas e, portanto, vale a pena trabalhar com elas [para obter mobilidade social dentro da carreira profissional]. Devido a isso, a economia mainstream geralmente representa uma abordagem mais ampla e mais eclética da Economia em lugar da caracterizada como “ortodoxia” na profissão.

Continuar a ler

Mudança de Paradigma dentro da Profissão de Economista

Em “The Changing Face of Mainstream Economics”, escrito por David Colander, Ric Holt e Barkley Rosser (Middlebury College Economics Discussion Paper No. 03-27 – Department Of Economics – Middlebury College – http://www.middlebury.edu/~econ, November 2003), eles destacam: questões sociológicas interferem e restringem o que é possível intelectualmente.

A reprodução de ideias envolve as estruturas sociais, políticas e econômicas dos acadêmicos e da formulação de políticas em estabelecimentos de ensino e pesquisa onde as ideias são desenvolvidas e transmitidas. Ideias, embora originais e possivelmente maravilhosas, se não forem aceitas por algumas cabeças da “elite da profissão”, eventualmente não terão suas pesquisas financiadas por órgãos de governo, não serão aceitas e transmitidas dentro da profissão. Para internamente mover a disciplina para uma nova posição, algumas das pessoas inclusas dentro da “elite da profissão” devem aceitar essas ideias.

[Observa-se a indiferença quanto à liberdade de pensamento e expressão ao aceitar essa Teoria das Elites como o padrão dominante. É uma postura não só elitista como também conservadora, adotada apenas pelos idolatras dessa hierarquia ortodoxa.]

Continuar a ler

Mudança de Face da Economia Tradicional

Em “The Changing Face of Mainstream Economics”, escrito por David Colander, Ric Holt e Barkley Rosser (Middlebury College Economics Discussion Paper No. 03-27 – Department Of Economics – Middlebury College – http://www.middlebury.edu/~econ, November 2003), eles comentam: se alguém lê a literatura heterodoxa em economia hoje em dia, tem-se a impressão de a moderna economia mainstream é muito parecida com a economia de 50 anos atrás. Ela é chamada ainda deeconomia neoclássica” e é criticada da mesma forma como os economistas heterodoxos anteriores criticaram a economia mainstream dos anos 1950 ou 1960.

Neste artigo, os coautores argumentam muito desta crítica hoje estar anacrônica porque o pensamento econômico dominante mudou. Para eles, a economia está se afastando de uma adesão estrita à Santíssima Trindade – racionalidade, egoísmo e equilíbrio – para uma posição mais eclética de comportamento intencional, iluminado por interesse próprio e sustentabilidade. O artigo desenvolve essas ideias considerando a natureza desse processo de mudança e da dinâmica sociológica pela qual a profissão de economistas passa.

Para entender o argumento deles, é útil pensar na profissão como um sistema complexo. Os sistemas complexos não podem ser entendidos a partir dos primeiros princípios assumidos. Eles só podem ser entendidos através do processo de mudança subjacente a eles. Da mesma forma, a profissão de economista pode ser melhor entendida pelo processo de mudança caracterizadora dela.

Continuar a ler

Novas Tecnologias e Mercado de Trabalho 4.0

Hélio Zylbertajn é professor sênior da FEA­USP e coordenador do Projeto Salariômetro da Fipe. Bruno Oliva e Gabriel Neto são pesquisadores da Fipe. Publicaram artigo (Valor, 29/04/19) intitulado “Novas Tecnologias e Mercado de Trabalho 4.0“. Reproduzo-o abaixo.

“A sociedade brasileira atravessa um momento de grandes desafios e
transformações em diferentes esferas. Com o mercado de trabalho não é diferente: a aprovação da reforma trabalhista, em 2017, pode ser entendida como uma resposta a conflitos e demandas que já se avolumavam sob a superfície das instituições e das relações do mercado de trabalho.

Nesse contexto, uma das principais novidades da reforma envolveu o fortalecimento das negociações coletivas como mecanismo para ajustar e refinar os termos e condições de trabalho, garantindo a empregadores e trabalhadores maior autonomia e segurança jurídica para buscar soluções para conflitos e questões específicas de suas rotinas produtivas, sem comprometer direitos fundamentais. [Observa-se o frágil poder de barganha dos trabalhadores desempregados nesse contexto recessivo.]

De forma geral, pode-se assumir que reformas institucionais – entendidas também como revisões das “regras do jogo” – podem ser úteis para acomodar e reduzir atritos, custos e incertezas que derivam do embate entre a dinâmica própria do mercado, de um lado, e a rigidez das instituições regulatórias, de outro.

Um dos exemplos de descompasso entre mercado e instituições envolve as dificuldades envolvidas no reconhecimento e enquadramento formal de novas formas e modalidades de trabalho, especialmente aquelas que se popularizam na esteira de inovações e mudanças tecnológicas.

Nos últimos anos, esse diagnóstico pode ser aplicado ao número crescente de indivíduos que tem buscado refúgio do desemprego e da insegurança no trabalho autônomo, firmando parcerias com as chamadas “plataformas digitais” — ferramentas na base de modelos de negócio de empresas e startups nascidas em um ambiente digital, como é o caso da Uber, AirBnB, Loggi, iFood, Rappi entre outras. Continuar a ler

Educação para Redução da Pobreza ou da Desigualdade?

Thais Carrança (Valor, 07/03/19) informa: a expansão da educação não é suficiente para reduzir sozinha a desigualdade e a pobreza do Brasil. Segundo estudo do economista Marcelo Medeiros e dos sociólogos Rogério Barbosa e Flavio Carvalhaes, apenas intervenções muito radicais e improváveis no ensino poderiam reduzir a desigualdade da renda do trabalho de maneira significativa. Ainda assim, seriam necessárias muitas décadas para que elas tivessem efeito completo.

No estudo, cujos resultados foram publicados no artigo “Educação Redução da Pobreza ou da Desigualdade- TDIPEA-2447“, disponibilizado para discussão no site do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), os autores simulam o que poderia ter acontecido se melhorias substanciais no sistema educacional tivessem acontecido em décadas passadas.

Para isso, são criados cenários hipotéticos em que toda a força de trabalho tivesse no mínimo:

  1. ensino médio completo,
  2. superior incompleto e
  3. superior completo.

Nesse último caso, considerando diferentes cursos por renda média progressiva, como:

  1. Formação de Professores e Ciências da Educação,
  2. Economia, Administração e Negócios,
  3. Direito e
  4. Medicina. Continuar a ler