Complexidade econômica: uma nova perspectiva para entender a antiga questão da riqueza das nações

O próprio Paulo Gala apresenta seu livro Complexidade econômica: uma nova perspectiva para entender a antiga questão da riqueza das nações. Reproduzo sua apresentação abaixo.

“O processo de desenvolvimento sempre intrigou os economistas. Pensadores do passado – como o italiano Antonio Serra, de Nápoles, no início do século XVII; John Cary, de Bristol, no final do século XVII; ou Duarte Ribeiro de Macedo, de Portugal, na mesma época – indagavam sobre o que fazer para acelerar o progresso do reino e alcançar riqueza para todos. Muito antes de Adam Smith ter escrito o livro que se tornou clássico, esses economistas já observavam a questão da riqueza e da pobreza das nações, que perdura até hoje e continua inflamando corações e mentes.

Desde os clássicos da economia, como David Ricardo, Karl Marx e Adam Smith, passando pelos antigos economistas do desenvolvimento da tradição  anglo-saxã, como Ragnar Nurkse, Gunnar Myrdal e Rosestein-Rodan, ou da tradição latino-americana, como Raúl Prebisch e Celso Furtado, ou ainda pelo pensamento mais recente de economistas institucionalistas, como Douglass North, e de economistas mais neoclássicos, como Dani Rodrik e Daron Acemoglu – o que, afinal explica a pobreza e a riqueza das nações? O que explica o desenvolvimento econômico?

O livro procura responder essa questão a partir de duas perspectivas:

(i) a antiga tradição estruturalista em economia, para a qual a chave para a riqueza das nações estava na especialização produtiva em atividades econômicas com retornos crescentes de escala e

(ii) a moderna concepção da complexidade econômica, que parte de um enfoque parecido com o dos estruturalistas, mas usa muito a abordagem empírica, analisando enormes bancos de dados de Big Data e redes para o comércio internacional. Continue reading “Complexidade econômica: uma nova perspectiva para entender a antiga questão da riqueza das nações”

Palavras

Como Escrever Bem, livro de autoria de William Zinsser, publicado em 1976, finalmente, em 2017, foi traduzido pela Editora Três Estrelas. Continuo apresentando minhas anotações de sua leitura.

Evite jargão, seja jornalês, seja economês. É uma mistura de palavras vulgares, palavras inventadas e chavões tão difundidos que dificilmente um escritor consegue evitar seu uso inconsciente ou fácil.

Para não ser um escrevinhador qualquer, combata esses lugares-comuns. Você nunca deixará a sua “marca no mundo” como escritor se não desenvolver respeito pelas palavras e uma curiosidade quase obsessiva em relação aos vários matizes de seus significados.

Eu adoro dicionários, especialmente, os etimológicos! De onde vêm as palavras? Continue reading “Palavras”

Estilo de Escrita

Como Escrever Bem, livro de autoria de William Zinsser, publicado em 1976, finalmente, em 2017, foi traduzido pela Editora Três Estrelas. Continuo apresentando minhas anotações de sua leitura.

Os escritores mostram-se com maior naturalidade quando escrevem na primeira pessoa. A escrita é uma relação íntima entre duas pessoas levada ao papel e ela será tão boa quanto a sua capacidade de preservar a sua humanidade. Por isso, Zinsser estimula a escrita na primeira pessoa, seja do singular (“eu” e “mim”), seja do plural (“nós” e “nossos”). Abandone a terceira pessoa ou o sujeito indefinido. Continue reading “Estilo de Escrita”

Como Escrever Bem por William Zinsser

Este livro foi publicado em 1976, chegando agora à terceira geração de leitores, tendo suas vendas superado mais de um milhão de exemplares. Finalmente, em 2017, foi traduzido e publicado pela Editora Três Estrelas no Brasil.

As preocupações de William Zinsser como professor se modificaram. Ficou mais interessado em coisas intangíveis que produzem bons textos: confiança, prazer, intenção, integridade. Seus alunos pretendem usar a escrita para tentar entender quem eles são e qual a herança que carregam dentro de si.

Facilitada pelos processadores de texto em computadores, a essência do escrever é reescrever. Apenas escrever fluentemente não significa escrever bem.

Bons escritores adoram a possibilidade de remexer em suas frases, podando, revisando e remodelando. Escritores ruins se tornaram ainda mais verborrágicos com a facilidade de escrever em computadores pessoais.

Este livro sobre o ofício de escrever não teve seus princípios modificados desde que foi escrito há quarenta anos. Escrever exige o velho e duro hábito de pensar com originalidade e o manejo das velhas ferramentas da língua. Continue reading “Como Escrever Bem por William Zinsser”

Por que a Informação Cresce: A Evolução da Ordem, de Átomos à Economia

Navegando na internet em busca do livro de Cesar Hidalgo com o título acima, achei apenas uma resenha dele, postada em 29 de setembro de 2016 por Fabio Hideki Ono. Há crescente importância da Economia de Dados e Informações – foco que adoto na disciplina “Métodos de Análise Econômica” que ministro no 2o. semestre letivo –, em que se busca transformar a complexidade de grandes planilhas de dados, orientado por teorias e conceitos, em simplicidade analítica, propiciando novas reflexões.

Compartilho abaixo, destacando passagens importantes da resenha de Fabio Hideki Ono. Continue reading “Por que a Informação Cresce: A Evolução da Ordem, de Átomos à Economia”

Rio Baby-Boom

Nasci em Belo Horizonte, mas morei no Rio de Janeiro na primeira fase de minha infância (1952-1953) e depois retornei na primeira fase de minha vida profissional (1978-1985). Pelas inúmeras férias passadas lá, onde meus avós moravam – e, principalmente, pelo grupo de amigos cariocas que até hoje tenho a felicidade de manter –, eu me sinto mais ambientado lá do que na minha cidade-natal.

Eu me pego cantarolando o Xote de Copacabana, música de Jackson do Pandeiro:

Eu vou voltar que não aguento

O Rio de Janeiro não me sai do pensamento

Eu vou voltar que não aguento

O Rio de Janeiro não me sai do pensamento

Ainda me lembro que eu fui à Copacabana

E passei mais de uma semana sem poder me controlar

Com ar de doido que parecia estar vendo

Aquelas moças correndo

de maiô à beira-mar

As mulheres na areia

Se deitam de todo o jeito

Que o coração do sujeito

Chega a mudar a pancada

E muitas delas vestem

Um tal de biquini

Se o cabra não se previne

Dá uma confusão danada

O Rio de Janeiro é central na História do Brasil. Agradou-me conhecer o contexto de minha infância passada lá em meados do século passado… mesmo sendo passado.

Ruy Castro descreve, no livro A noite do meu bem: a história e as histórias do samba-canção, o que era o Rio de Janeiro otimista do pós-guerra, da geração baby-boom, do samba-canção.

Fonte para Download:
Estatísticas do Século XX.pdf Continue reading “Rio Baby-Boom”

Benevolência enquanto Valor Escolhido

E alguém que é pobre, deficiente ou incapaz de se sustentar? O que fazer? É uma pergunta válida, segundo os objetivistas egoístas, “desde que não seja a primeira pergunta que fazemos sobre um sistema social”. Esta pergunta, necessariamente, tem de ser feita pelo filósofo objetivista David Kelley em ensaio publicado no livro organizado por Tom G. Palmer, A Moralidade do Capitalismo.

É um legado do altruísmo pensar que o padrão principal para avaliar a sociedade é a maneira como trata seus membros menos produtivos. “Bemaventurados são os pobres de espírito”, disse Jesus, “bem-aventurados são os mansos”.

Mas, para o Objetivismo, não há razão justa para destinar qualquer estima especial aos pobres ou mansos ou considerar suas necessidades como principais. “Se tivéssemos que escolher entre uma sociedade coletivista na qual ninguém é livre, mas ninguém passa fome, e uma sociedade individualista em que todos são livres, mas algumas pessoas passam fome”, o  filósofo objetivista David Kelley  argumentaria que, nessa dicotomia reducionista, obviamente, a segunda, a sociedade livre, é a escolha moral. Ninguém pode exigir o direito de fazer com que os outros o sirvam involuntariamente, mesmo que sua própria vida dependa disso. Continue reading “Benevolência enquanto Valor Escolhido”