Roubo de Moedas Digitais

“Ladrão que rouba ladrão: cem anos de perdão”.

Olga Kharif (Valor, 06/07/18) informa: criminosos estão roubando mais criptomoedas de suas bolsas, o que tem impulsionado o crescimento de uma indústria artesanal de serviços de modo a permitir a lavagem do dinheiro investido nas moedas. No primeiro semestre deste ano, foram roubados mais de US$ 760 milhões em criptomoedas das bolsas – quase três vezes mais do que em todo o ano de 2017, afirmou a CipherTrace em seu relatório trimestral inicial sobre o assunto.

A CipherTrace é uma firma de segurança em “blockchain” com sede em Menlo Park, na Califórnia. Trabalha com mais de 40 empresas e governos para monitorar transações de criptomoedas. O valor de mercado atual das cem maiores criptomoedas é de cerca de US$ 270 bilhões, segundo o CoinMarketCap.com. Há grande disponibilidade de serviços para limpar dinheiro sujo, afirmou a CipherTrace, e alguns até publicam anúncios por meio do Google AdWords. Continue reading “Roubo de Moedas Digitais”

Bitcoin mais milhares de Criptomoedas: Desconfiança em Sistema Descentralizado

Álvaro Campos (Valor, 18/06/18) avalia: passada a euforia inicial com as criptomoedas, cujo bitcoin é a maior expoente, o Banco de Compensações Internacionais (BIS, na sigla em inglês) resolveu analisar esses ativos. Concluiu eles não poderem ser usados como dinheiro. Eles não possuem atributos fundamentais, como a confiança no seu valor e a capacidade do volume em circulação crescer na mesma proporção da demanda pelas transações. Já a tecnologia subjacente das criptomoedas, o “blockchain“, tem potencial promissor, mas seu uso é limitado.

O BIS aponta: menos de dez anos após a sua criação, as criptomoedas saíram da obscuridade para atrair o interesse de empresas e consumidores, além de bancos centrais e outras autoridades. Elas ganharam atenção porque prometem substituir a confiança em antigas instituições, como bancos comerciais e bancos centrais, pela confiança em um novo sistema totalmente descentralizado, baseado na chamada tecnologia de registro distribuído (DLT).

O estudo mostra que a essência de um “bom dinheiro” sempre foi a confiança na estabilidade do seu valor. Para o dinheiro cumprir seu principal papel — agir como um instrumento de coordenação para facilitar transações — ele precisa ter uma relação de escala eficiente com a economia e ser fornecido de maneira elástica, para lidar com a demanda flutuante. Continue reading “Bitcoin mais milhares de Criptomoedas: Desconfiança em Sistema Descentralizado”

Comportamento dos Milionários: Padrão de Consumo Essencial

A prioridade é fazer investimentos e não consumir. A maioria dos milionários não compram carros importados zero quilômetro, nem o modelo do ano de automóvel de luxo norte-americano.

Preferem comprar carros seminovos de modelos clássicos alemães com menor custo de manutenção e depreciação anual. Ficam com eles como valor-de-uso por muitos anos. Podem demorar meses antes de fazer a escolha na hora de trocar seu usado devido ao obsoletismo tecnológico programado.

São muito sensíveis a variações de preço e estão muito mais dispostos a negociar com gente sem muito dinheiro. As melhores compras são feitas justamente de novo-rico comprador de carro de luxo com forte depreciação depois de sair da loja. Muitos endividado, logo deseja vender, antes mesmo de acabar a garantia.

Outras diferenças relevantes entre quem consegue acumular riqueza e quem não atinge esse objetivo estão no tipo de trabalho. Entre os acumuladores de riqueza mais eficientes, quase 60% são autônomos. Esse número cai para menos de 25% quando se fala dos acumuladores abaixo da média. Continue reading “Comportamento dos Milionários: Padrão de Consumo Essencial”

Educação Financeira para se Tornar Milionário

Para a postura de privilegiar investimento em vez de consumo dê certo, toda a família deve cooperar. É muito mais fácil acumular patrimônio se todos na casa lidam da mesma forma com o dinheiro.

O que se pode esperar de crianças educadas em famílias onde o nível de consumo é muito alto, planeja-se pouco e não há disciplina? Essas crianças, quando crescerem, dificilmente conseguirão se livrar do modelo vivido na infância e na adolescência. Pior, provavelmente, nunca ganharão o suficiente para manter o estilo de vida perdulário acostumado na infância.

O contrário também é verdadeiro. Os pais exemplares com gastos muito menor em relação ao recebido, mensalmente, criam filhos disciplinados. Eles, em geral, se tornam autossuficientes quando adultos.

Os pais gastadores muito se afligem, em geral, com preocupações muito características em relação a seus filhos. Têm medo deles pensarem ser o patrimônio dos pais a fonte permanente de sua renda. Temem ter de sustentar seus filhos quando adultos.

Os filhos, por sua vez, têm inquietações parecidas: meu pai terá condições de me sustentar por todo o tempo de minha vida?! Muitos filhos de pais indisciplinados não conseguem comprar nem um pequeno imóvel sem a ajuda do pai e da mãe.

Cria-se um círculo vicioso. A situação de dependência traz mais medo e insegurança, dificultando ainda mais a sua autonomia. Os gastadores não conseguem abandonar o conforto espiritual da frase-feita: “eu mereço, eu me premio, é um luxo ao que me permito”. E tome gastos com restaurantes de alto custo e viagens selfies exibicionistas! Continue reading “Educação Financeira para se Tornar Milionário”

Independência Financeira

Quanto dinheiro, exatamente, é preciso para ter independência financeira? Afinal de contas, quem é considerado milionário?

Milionário é quem tem um patrimônio líquido de 1 milhão de dólares, ou mais, sem contabilizar o valor imobilizado da residência principal. Vendendo-a, terá 6 meses para recomprar outra, senão o imposto de renda cobra boa parte do ganho de capital. Por isso, a classe de alta renda investidora em moradia de luxo em condomínio, cuja vizinhança impõe, psicologicamente, elevado padrão de consumo exibicionista de luxo, para si e sua família, é o caminho para “se achar milionário de maneira ilusória”.

Com base nessa definição, somente 3,5% dos americanos podem ser considerados milionários. Entre esses — estimados em 4,458 milhões –, 95% têm patrimônio líquido entre 1 milhão e 10 milhões de dólares. Gente com patrimônio líquido maior do que isso é a minoria da minoria.

O passo seguinte é qualificar melhor a definição dada acima. Sim, porque todo mundo precisa ter no mínimo 1 milhão de dólares para ser considerado milionário, mas nem todo mundo possuidor de 1 milhão de dólares pode ser considerado um milionário.

Segundo os autores Thomas Stanley e William Danko do livro The Millionaire Next Door – The Surprising Secrets of America’s Wealthy (O Milionário Mora ao Lado – Os Surpreendentes Segredos dos Americanos Ricos. São Paulo: Manole, 1999), o que define mais precisamente se uma pessoa é milionáriaé o tamanho do seu patrimônio líquido de acordo com sua renda e sua idade atuais. Obviamente, quanto maior o tempo de investimento em renda fixa, mais os juros compostos propiciarão acumulação de riqueza financeira de juros sobre juros. Em outras palavras, o envelhecimento corresponde a enriquecimento dos investidores. Continue reading “Independência Financeira”

O Milionário mora ao lado X Consumismo para ostentação

Qual é o estilo de vida do milionário norte-americano tradicional, self-made-man:

  • Ele não troca de carro há pelo menos quatro anos. A última vez que fez isso, desembolsou 24 800 dólares e comprou uma caminhonete Ford.
  • O seu terno não é Armani nem de nenhuma grife conhecida. Não custou mais do que 400 dólares.
  • Nada de gastar 2 000 dólares – ou mais – em relógio Rolex, em Cartier ou em alguma outra preciosidade. O relógio do milionário americano de verdade não custa mais do que 235 dólares.
  • Ele é, tipicamente, um pequeno empreendedor. Pode ser o dono de uma lanchonete, de uma frota de ambulâncias ou de um serviço de dedetização, um negociante de moedas e selos, um dono de estacionamento para camping…
  • Sua renda familiar anual é de 247 000 dólares, em média. Está bem longe de milhões por ano.
  • Ele mora na mesma casa há cerca de 20 anos. Ela fica num bairro de classe média e vale, em média, 320 000 dólares.

Os verdadeiros 4,5 milhões de milionários norte-americanos e, provavelmente, os 149 mil brasileiros milionários em dólares (sem considerar o valor da residência) não se parecem em absolutamente nada com quem a mídia apresenta como “milionários”. Na realidade, as “celebridades” vistas em destaque são novos-ricos com estilo de vida de consumo perdulário em função da renda.

Eles não se vestem como “milionários”, não viajam como “milionários”, não agem como milionários do lugar-comum ou imaginário social. Eles não ostentam riqueza, nem gastam fortunas. Eles não frequentam resorts exclusivos no exterior, não viajam de primeira classe, não se movimentam regularmente de helicóptero.

Há muita gente rica com renda acima de um milhão de dólares mensais, cujas vidas correspondem perfeitamente ao modelo convencional – astros do entretenimento, barões da indústria ou finanças, executivos turbinados das megacorporações internacionais. Mas trata-se, apenas, de uma pequena minoria, altamente visível e estatisticamente irrelevante. Em geral, tiveram uma enorme mobilidade social ao sair de uma camada de baixa renda e riqueza — e sem adquirir cultura exigente de sabedoria e esforço.

A imensa maioria, na média, se encaixa no perfil não suntuário apresentado anteriormente — resultante de uma pesquisa realizada, durante 20 anos, com 11000 milionários nos Estados Unidos, pelos americanos Thomas Stanley e William Danko. As conclusões aparecem em seu livro The Millionaire Next Door – The Surprising Secrets of America’s Wealthy (O Milionário Mora ao Lado – Os Surpreendentes Segredos dos Americanos Ricos. São Paulo: Manole, 1999). Stanley e Danko são especialistas em marketing e estudam os chamados afluentes desde 1973. Continue reading “O Milionário mora ao lado X Consumismo para ostentação”

Desilusão Monetária

Ilusão monetária se refere ao engano das pessoas quando, em regime inflacionário, interpretam como aumento de seu poder aquisitivo em função de qualquer aumento nominal de seus salários, juros recebidos, etc. Um aumento salarial abaixo da inflação induz a uma ilusão monetária se ele for expressivo em termos nominais.

Igualmente, a renda mensal de 10% obtida em investimentos em renda fixa pode levar a outra ilusão monetária caso a taxa de inflação seja superior. Se a inflação estiver a 11% ao mês e um rendimento tiver elevado 14% nesse mês, então seu aumento poderá ser decomposto em: 11% de correção monetária (ou “ilusão monetária”) e aproximadamente 3% de aumento real.

Outro exemplo: se o banco divulga a rentabilidade de um determinado investimento em 10% de juros no ano, este é o juro nominal. Se a inflação no mesmo período for 6%, com essas duas informações (juro nominal e inflação) calcula-se os juros reais. São os juros recebidos acima da inflação. A fórmula para fazer o cálculo de juros reais é:

Juros Reais = (1 + Juros Nominais) / (1 + Inflação) – 1

No caso, o juro real deduzido precisamente é 3,773% aa.

Porém, alcançado um grande volume de investimentos, há um resultado interessante para a reflexão a respeito de estratégia de Finanças Pessoais. Por exemplo, aplicações mensais de R$ 1.000 com taxa de juros de 0,5% a.m. leva o investidor a tornar-se milionário em 30 anos. Com taxa de juros de 1% a.m. ele adianta o processo de acumulação de capital financeiro em 10 anos! Continue reading “Desilusão Monetária”