Risco de Investimentos em Corretoras e Agentes Autônomos

Felipe Bottino é CEO da Pi Investimentos, plataforma aberta de investimentos do Santander. Publicou artigo (Valor, 26/03/19) para anunciar: o mercado de investimentos brasileiro mudou radicalmente nos últimos anos, mas o investidor ainda não tem muitos motivos para comemorar.

Estamos deixando para trás, rapidamente, o modelo dominado por bancos, ultraconservador, com taxas elevadas e plataforma fechada. E migramos para uma era de agentes autônomos. Ela traz consigo vantagens como uma plataforma aberta e mais facilidade de acesso para os clientes. Mas ninguém deve se enganar: as taxas ainda são pouco atrativas diante do alto risco dos investimentos oferecidos.

O modelo “Banco 1.0” trata os clientes como hipossuficientes e subentende os gerentes não serem especialistas de investimentos. Dessa forma, oferece principalmente produtos extremamente conservadores e de alta liquidez.

Nesse ambiente, o objetivo é:

  1. preservar o capital do cliente e
  2. evitar ele adquirir produtos com perfil de risco inadequado.

Com menos ênfase na performance, a plataforma aberta não se faz necessária.

Em contrapartida, no modelo “Agentes autônomos 2.0”

  1. o cliente é tido como autossuficiente e
  2. o profissional com o papel do gerente bancário é percebido como um grande especialista de investimentos.

Com o foco no resultado, a plataforma aberta com produtos sofisticados torna-se um diferencial. Esse modelo vem sendo bastante difundido nos últimos anos. Continuar a ler

Day Trade + Market Timing = Jogo de Adivinhação

Market timing é um tipo de estratégia comum para se investir em ações. Muitos fundos de investimento, por exemplo, utilizam esta estratégia.

O conceito de market timing é o ato de tentar comprar ativos na baixa e vender na alta. Ele consiste em uma análise dos investidores com o objetivo de prever os passos de O Mercado divino — e obter lucro com esta análise.

Quando bem sucedida, esta uma estratégia capaz de ser bastante lucrativa. No entanto, esta não é uma tarefa fácil, portanto, raramente bem sucedida. Assim, investidores profissionais, como gestores de fundos de investimentos em ações, costumam errar em suas estratégias de market timing.

Tipicamente o market timing se utiliza do cenário de todo o mercado para prever as tendências. Esta estratégia não costuma focar em um ativo específico, mas sim no movimento do mercado como um todo.

Álvaro Campos (Valor, 08/03/19) noticia: com cada vez mais consultorias prometendo ganhos substanciais para pessoas físicas operando na bolsa – o que levou a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) a emitir um ofício orientando casas de análise a evitar expressões como “renda certa” -, uma dupla de pesquisadores da FGV realizou um estudo de modo a mostrar ser quase impossível viver de “day trade”, operação onde o investidor compra e vende o ativo no mesmo dia, visando lucro em curtíssimo prazo. Continuar a ler

Elizabeth White – Palestra TEDxVCU: Crise Financeira Pessoal = Crise na Aposentadoria

Fonte: site do IBGE. Com a crise das commodities, entre set 2011 e 2016, especialmente a queda da cotação do petróleo e a seca, provocando inflação de alimentos e reação com austeridade, Rússia (US$ 8.655 ) e Brasil (US$ 8.649) convergiram para renda per capita próximas; a China elevou a sua para US$ 7.993; a Índia manteve a sua relativamente estagnada em US$ 1.706. No mesmo período, os EUA tiveram a sua aumentada de US$ 51.559 em 2012 para US$ 57.808 em 2016, último ano do governo Obama. Mas não imagine todos os cidadãos estarem com bem-estar social lá nos EUA. Leia o depoimento pessoal abaixo deElizabeth White, dado em Palestra TEDxVCU.

“Você me conhece. Estou no seu círculo de amizades, escondida, mas à vista. Minhas roupas continuam impecáveis, compradas nos bons anos quando eu ainda ganhava dinheiro. De olhar para mim, você não saberia que cortaram minha eletricidade semana passada por falta de pagamento, ou que eu cheguei à elegibilidade pra receber cupons de alimentação. Mas se prestasse atenção, veria a tristeza nos meus olhos, ouviria um quê de medo na minha voz autoconfiante.

Ultimamente tenho comprado frascos de amostra de Tide de US$ 1,99 para conter as despesas. Aposto que não sabia que detergentes vinham nesse tamanho. Você me convida para os mesmos restaurantes caros que nós dois sempre curtimos, mas agora peço água mineral com um pouco de limão, não uma taça de “chardonnay” de US$ 12. Estou sendo econômica em minhas escolhas no menu. Meticulosa, conto cada centavo na minha cabeça. Me recuso a dividir uma comanda igualmente para cobrir sobremesas, cafés gourmet e dois ou três taças de vinho que não consumi.

Estou cansada de tentar manter as aparências. Um amigo me disse que estou falida, e não pobre, e há uma diferença. Vivo sem TV a cabo, sem plano de academia e sem hora marcada com manicure. Descobri que posso cuidar do meu cabelo. Não tenho poupança de aposentadoria, nem dinheiro economizado. Eu gastei tudo tempos atrás. Não há casa em condomínio caro para alugar e nem marido para me sustentar. Meses de pagamento atrasado e falta dele dizimaram meu crédito. Cobradores de contas ligam constantemente, lendo textos decorados antes de expressar simpatia pela minha difícil situação, em seguida exigem condições de pagamentos que eu jamais conseguiria cumprir. Amigos se perguntam em particular como alguém tão bem instruída pode estar numa crise financeira assim. Continuar a ler

Curtis “Wall Street” Carroll – Palestra TEDxSanQuentin: Empoderamento e Alfabetismo Financeiros

Aos 14 anos, arrombei um fliperama em um boliche e, ao sair do prédio, um segurança agarrou meu braço, e eu corri. Disparei rua abaixo e tentei pular uma cerca. Mas, quando cheguei no topo, o peso das 3 mil moedas na minha mochila me jogou no chão. Quando dei por mim, havia um segurança em cima de mim, falando: “Da próxima vez, seu bostinha, roube algo que possa carregar”. (Risos)

Fui levado para o juizado de menores e, quando fui solto sob a custódia da minha mãe, a primeira coisa que meu tio falou foi: “Como você foi pego?” Eu disse: “Cara, o saco estava pesado demais”. Ele falou: “Pra que você foi pegar todas as moedas?” Falei: “Eram pequenas. Você queria o quê?” E, dez minutos depois, ele me levou para arrombar outro fliperama. A gente precisava de gasolina pra chegar em casa. Essa era a minha vida.

Cresci em Oakland, na Califórnia, com minha mãe e familiares próximos viciados em cocaína crack. Meu mundo era viver com a família, amigos e em abrigos para sem-teto. Muitas vezes, nosso jantar era em filas de pão e sopões. Um dos meus “manos” me disse: “O dinheiro é quem manda no mundo e tudo nele. E, nestas ruas, o dinheiro é rei. Se você seguir o dinheiro, ele vai te levar para o bandido ou o mocinho“. Continuar a ler

Tim Ferriss em Palestra TED2017 sobre Estoicismo

Em 1999, eu estava no último ano da faculdade. Eu estava muito feliz.

Lembro-me exatamente de onde estava dez dias depois. Estava sentado na carroceria da minha van no estacionamento do campus quando decidi cometer suicídio.

Fui da decisão a um plano completo muito rapidamente. Fiquei a um passo do precipício. Foi o mais perto onde eu já estive. Só tirei o dedo do gatilho graças a algumas coincidências. Depois do ocorrido, o que me deu mais medo: a oportunidade.

Então, eu me tornei muito metódico sobre testar formas diferentes de lidar com meus altos e baixos, o que provou ser um bom investimento. (Risos) Pessoas normais podem ter de seis a dez crises depressivas sérias na vida.

Eu tenho transtorno bipolar. É de família. Eu havia tido mais de 50 até aquele momento.

Aprendi muito. Tive muitas chances de jogada, muitas lutas no ringue com a escuridão, fazendo boas anotações. Então pensei: em vez de me levantar e criar a receita do sucesso ou uma dica iluminadora, eu compartilharia minha receita para evitar a autodestruição, e, certamente, autoparalisia.

A ferramenta encontrada provou ser a rede de segurança mais confiável para a queda livre emocional. Ela é a mesma ferramenta capaz de me ajudar a tomar as melhores decisões no trabalho. Mas isso é secundário. E é… o estoicismo Continuar a ler

John Doerr – Palestra TED2018: Objetivos e Resultados-chave

Estamos em um momento crítico. Nossos líderes, algumas de nossas maiores instituições, estão falhando conosco. Por quê? Em alguns casos, porque eles são ruins ou antiéticos, mas, muitas vezes, porque eles têm nos direcionado aos objetivos errados. E isso é inaceitável. Isso tem que parar. Como iremos corrigir esses erros? Como iremos escolher o curso certo? Não será fácil.

Por anos, trabalhei com equipes talentosas que escolheram objetivos certos, objetivos errados, muitas tiveram êxito, algumas falharam. Hoje, vou compartilhar com vocês o que realmente faz a diferença, o que é crucial, como e por que elas definiram metas relevantes e audaciosas. As metas certas pelos motivos certos.

Vamos voltar a 1975. Eu tinha muito a aprender, era engenheiro de computação, tinha cabelo comprido, mas estava trabalhando subordinado a Andy Grove. Ele tem sido considerado o melhor gerente de sua ou qualquer era. Andy era um líder excelente e também professor. Ele me disse: “John, o que você sabe não é o mais importante. A execução é o que mais importa“. Andy inventou um sistema chamado “Objectives and Key Results“. Ele é todo voltado à excelência na execução. Temos um vídeo clássico dos anos 70 do professor Andy Grove.

(Vídeo) Andy Grove: As duas palavras-chave da gestão por sistemas de objetivos são objetivos e resultados-chave. Elas atendem aos dois propósitos. O objetivo é a direção. Os resultados-chave têm de ser medidos. Mas, ao final, você consegue olhar e dizer sem dúvida: “Eu fiz isso ou não?” Sim. Não. Simples. Continuar a ler

Motivações para Investimento em Tesouro Direto e Perfis de Investidores Comparados

Nathália Larghi (Valor, 27/03/19) avalia: aplicar no Tesouro Direto, o programa de venda de títulos públicos pela internet, tem sido considerada uma estratégia para guardar o dinheiro de forma segura e, ao mesmo tempo, garantir bons retornos.

Evidência disso foi o recorde no número de investidores ativos registrado nos últimos 12 meses: foram 315 mil novos aplicadores ativos, atingindo o total de 896,3 mil pessoas ativas no programa. Ao todo, já são mais de 3,59 milhões de investidores cadastrados.

Para se ter uma ideia do aumento na demanda, nos dois primeiros meses de 2019, foram registrados 110 mil novos investidores ativos (58.851 + 51.161). No primeiro semestre do ano anterior (2018), a média mensal oscilava em torno de 9 mil novos investidores ativos.

O valor médio por operação no Tesouro Direto em fevereiro de 2019 foi R$ 5.452,24. Até um mil reais eram 64,9% dos investimentos, elevando-se em relação ao percentual de um ano antes: 59,2%.

Uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) em parceria com o instituto de pesquisa Datafolha mostrou: 50% das pessoas investedoras em títulos públicos por meio do site foram motivadas pelo retorno da aplicação. A segurança (risco soberano) aparece em segundo lugar entre as principais justificativas para a escolha, citada por 40% das pessoas. A facilidade (liquidez) foi apontada por 9%.

Recentemente, temos visto um processo de Educação Financeira maior. O pequeno investidor sempre optou pela poupança, pela visão de segurança e facilidade/liquidez, mas agora está migrando para o Tesouro Direto por ter a mesma sensação, mas com retornos maiores. Por isso, houve a chegada de clientes recém-saídos da poupança, em busca de estabilidade, mas escolhendo os títulos públicos como investimento inicial. Continuar a ler