Tim Ferriss em Palestra TED2017 sobre Estoicismo

Em 1999, eu estava no último ano da faculdade. Eu estava muito feliz.

Lembro-me exatamente de onde estava dez dias depois. Estava sentado na carroceria da minha van no estacionamento do campus quando decidi cometer suicídio.

Fui da decisão a um plano completo muito rapidamente. Fiquei a um passo do precipício. Foi o mais perto onde eu já estive. Só tirei o dedo do gatilho graças a algumas coincidências. Depois do ocorrido, o que me deu mais medo: a oportunidade.

Então, eu me tornei muito metódico sobre testar formas diferentes de lidar com meus altos e baixos, o que provou ser um bom investimento. (Risos) Pessoas normais podem ter de seis a dez crises depressivas sérias na vida.

Eu tenho transtorno bipolar. É de família. Eu havia tido mais de 50 até aquele momento.

Aprendi muito. Tive muitas chances de jogada, muitas lutas no ringue com a escuridão, fazendo boas anotações. Então pensei: em vez de me levantar e criar a receita do sucesso ou uma dica iluminadora, eu compartilharia minha receita para evitar a autodestruição, e, certamente, autoparalisia.

A ferramenta encontrada provou ser a rede de segurança mais confiável para a queda livre emocional. Ela é a mesma ferramenta capaz de me ajudar a tomar as melhores decisões no trabalho. Mas isso é secundário. E é… o estoicismo Continuar a ler

John Doerr – Palestra TED2018: Objetivos e Resultados-chave

Estamos em um momento crítico. Nossos líderes, algumas de nossas maiores instituições, estão falhando conosco. Por quê? Em alguns casos, porque eles são ruins ou antiéticos, mas, muitas vezes, porque eles têm nos direcionado aos objetivos errados. E isso é inaceitável. Isso tem que parar. Como iremos corrigir esses erros? Como iremos escolher o curso certo? Não será fácil.

Por anos, trabalhei com equipes talentosas que escolheram objetivos certos, objetivos errados, muitas tiveram êxito, algumas falharam. Hoje, vou compartilhar com vocês o que realmente faz a diferença, o que é crucial, como e por que elas definiram metas relevantes e audaciosas. As metas certas pelos motivos certos.

Vamos voltar a 1975. Eu tinha muito a aprender, era engenheiro de computação, tinha cabelo comprido, mas estava trabalhando subordinado a Andy Grove. Ele tem sido considerado o melhor gerente de sua ou qualquer era. Andy era um líder excelente e também professor. Ele me disse: “John, o que você sabe não é o mais importante. A execução é o que mais importa“. Andy inventou um sistema chamado “Objectives and Key Results“. Ele é todo voltado à excelência na execução. Temos um vídeo clássico dos anos 70 do professor Andy Grove.

(Vídeo) Andy Grove: As duas palavras-chave da gestão por sistemas de objetivos são objetivos e resultados-chave. Elas atendem aos dois propósitos. O objetivo é a direção. Os resultados-chave têm de ser medidos. Mas, ao final, você consegue olhar e dizer sem dúvida: “Eu fiz isso ou não?” Sim. Não. Simples. Continuar a ler

Motivações para Investimento em Tesouro Direto e Perfis de Investidores Comparados

Nathália Larghi (Valor, 27/03/19) avalia: aplicar no Tesouro Direto, o programa de venda de títulos públicos pela internet, tem sido considerada uma estratégia para guardar o dinheiro de forma segura e, ao mesmo tempo, garantir bons retornos.

Evidência disso foi o recorde no número de investidores ativos registrado nos últimos 12 meses: foram 315 mil novos aplicadores ativos, atingindo o total de 896,3 mil pessoas ativas no programa. Ao todo, já são mais de 3,59 milhões de investidores cadastrados.

Para se ter uma ideia do aumento na demanda, nos dois primeiros meses de 2019, foram registrados 110 mil novos investidores ativos (58.851 + 51.161). No primeiro semestre do ano anterior (2018), a média mensal oscilava em torno de 9 mil novos investidores ativos.

O valor médio por operação no Tesouro Direto em fevereiro de 2019 foi R$ 5.452,24. Até um mil reais eram 64,9% dos investimentos, elevando-se em relação ao percentual de um ano antes: 59,2%.

Uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) em parceria com o instituto de pesquisa Datafolha mostrou: 50% das pessoas investedoras em títulos públicos por meio do site foram motivadas pelo retorno da aplicação. A segurança (risco soberano) aparece em segundo lugar entre as principais justificativas para a escolha, citada por 40% das pessoas. A facilidade (liquidez) foi apontada por 9%.

Recentemente, temos visto um processo de Educação Financeira maior. O pequeno investidor sempre optou pela poupança, pela visão de segurança e facilidade/liquidez, mas agora está migrando para o Tesouro Direto por ter a mesma sensação, mas com retornos maiores. Por isso, houve a chegada de clientes recém-saídos da poupança, em busca de estabilidade, mas escolhendo os títulos públicos como investimento inicial. Continuar a ler

Tammy Lally – Palestra TEDxOrlando – Vergonha do Dinheiro

Vocês já tiveram que quebrar as regras da sua família? Hoje estou quebrando as minhas no que diz respeito a dinheiro, sigilo e vergonha.

Em 2006, no 40º aniversário do meu irmão Keith, ele me ligou. “Tam, estou encrencado. Não pediria se não estivesse precisando. Você pode me emprestar US$ 7.5 mil?

Não era a primeira vez que ele precisava de dinheiro rápido, mas, desta vez, a voz dele me assustou. Eu nunca o tinha sentido tão abatido e envergonhado e era o 40º aniversário dele. Após algumas perguntas básicas, que todos nós perguntaríamos, concordei em emprestar o dinheiro, mas sob uma condição: que, como a profissional financeira da família, eu queria me encontrar com ele e a esposa para saber o que estava acontecendo mesmo.

Semanas depois, nos encontramos no Starbucks, e logo comecei com a conversa difícil sobre orçamento. “Vocês deveriam vender a casa, ir pra um lugar menor que possam pagar, vender os “brinquedos”. E o Starbucks? Nada de café de US$ 5 todo dia.”

Alertei para todas as armadilhas em que caímos pra manter a aparência pros vizinhos. De imediato, meu irmão e a esposa entraram em um sentimento de culpa temível, e a coisa ficou confusa. Hesitei entre atuar como terapeuta ou irmã chateada. Queria que eles fossem melhores que isso.

Deixem disso. Vocês têm que se organizar! Vocês são pais. Cresçam e ganhem dinheiro.” Depois que fomos embora, liguei para minha mãe, mas Keith já havia ligado pra ela e dito que eu não tinha ajudado. Na verdade, ele ficou magoado e sentiu que estávamos contra ele. Claro que sentiu. Eu o envergonhei com a conversa sobre orçamento restrito.

Dois meses se passaram, então recebi uma ligação.

Tam? Eu tenho más notícias. Keith cometeu suicídio ontem à noite.” Dias depois, na casa dele, fui procurar respostas no “escritório” dele, a garagem. Lá encontrei uma pilha de faturas do cartão de crédito em atraso e um aviso de execução hipotecária que ele recebeu no dia em que se matou. Meu irmão deixou uma filha linda de 10 anos, o filho genial de 18, a algumas semanas da formatura dele do ensino médio, e a esposa, casados há 20 anos. Continuar a ler

Sua linguagem afeta sua capacidade de economizar dinheiro?

Keith Chen, em  Palestra na TEDGlobal 2012, se pergunta: Could your language affect your ability to save money?

A crise econômica mundial reacendeu o interesse do público em uma das mais antigas questões em Economia, antes mesmo de Adam Smith. A questão é: por que países com economias e instituições parecidas podem mostrar comportamento radicalmente diferente em relação a economizar, isto é, poupar uma parte da renda?

Bem, muitos economistas brilhantes passaram todas suas vidas trabalhando esta questão. Este é um campo que tivemos muito progresso e entendemos muito sobre isso. O que irei falar para vocês hoje é uma nova intrigante hipótese e algumas novas descobertas surpreendentes e poderosas.

Estou trabalhando sobre a ligação entre as estruturas da língua falada e como você se encontra em relação à propensão de economizar. Falarei um pouco sobre taxas de poupança, um pouco sobre idioma, e depois farei a conexão. Continuar a ler

Planejamento Financeiro para a Longevidade

Aura Rebelo (Valor,14/02/19) publicou artigo sobre tema do meu curso no último semestre da graduação do IE-UNICAMP. É uma disciplina eletiva denominada por mim de “Finanças Comportamentais para Planejamento da Vida Financeira“. O público-alvo são estudantes próximos a se formarem no Ensino Superior e necessitados, desde logo, de planejar suas Finanças Pessoais. Muitos economistas nunca aprenderam a fazer isto. Compartilho seu artigo abaixo.

“Muito tem se discutido sobre o aumento da longevidade do brasileiro. Estamos vivendo cada vez mais e a expectativa de vida média no país, hoje, é de cerca de 75 anos. Esse processo de envelhecimento populacional é intenso e contínuo. Além da inversão na pirâmide demográfica, com a redução da taxa de natalidade, o que reduz a proporção de jovens, os avanços médicos, tecnológicos e sociais são inúmeros e ajudam a prolongar a vida dos mais velhos.

Essas tendências acarretam implicações em diversas áreas: por exemplo, o Brasil tem hoje no Sistema Único de Saúde (SUS) um pediatra para cada 1.500 crianças e adolescentes de 0 a 17 anos. Em compensação, contamos com apenas um geriatra para cada 12 mil idosos.

Nos últimos dez anos, o número de pessoas com mais de cem anos no Brasil aumentou dez vezes, de pouco mais de 3 mil para 35 mil. E em mais algumas décadas, serão 1 milhão de centenários. Nos aspectos sociais, também fervem novidades: idosos hoje já se casam mais, se separam mais, viajam mais, empreendem… O conceito de expectativa de vida estendida abre espaço para a expectativa de qualidade de vida, também estendida.

Porém, ao contrário do que se imagina, vários estudos mostram que os últimos anos da vida de uma pessoa são os mais caros. Sem entrar na complexa discussão sobre a Previdência Social brasileira, é necessário conscientizarmos a população sobre os desafios de uma vida mais longeva. Afinal, se seus planos eram se aposentar aos 60 e “viver de renda”, pode ser que os seus recursos não sejam suficientes. Continuar a ler

Cartilha de Finanças Pessoais: Baixe o Livro

Cartilha de Finanças Pessoais

Com a edição revista e ampliada desta Cartilha de Finanças Pessoais – 2019 completei dezoito livros organizados no período desfrutado de Licenças-Prêmio e férias acumuladas. Você os encontrará para download gratuito na aba acima denominada Obras (Quase) Completas.

Fui entrevistado por uma estação de radio gaúcha e perguntado se era um recorde publicar dezoito livros em um ano. Obviamente, dei uma risada e expliquei: o material revisto para organizar esses livros eletrônicos foram posts e resenhas de livro publicados neste modesto blog pessoal desde 22/01/2010.

Continuar a ler