Dicas para Quarentena: Vídeos Espetaculares no YouTube

Quando estou melancólico e desejo escutar blues, minha primeira opção é o canal do YouTube, Don’s Tunes, com “o cara” do Madman. Reúne músicas e fotografias, em geral, de artistas ou modelos lindíssimas. E muitas letras têm legendas em inglês!

Restored & Colorized Rare Old Blues for Little Walter, Howlin Wolf, Muddy Waters, Otis Spann, Mable Hillery, Sonny Terry, Brownie McGhee, Willie Dixon, and Sunnyland Slim você encontra em:

Aprecio muito me deliciar com pinturas, enquanto escuto música e bebo um drink, ou seja, “louvo todos os deuses, bebo meu bom vinho… e deixo o mundo ser mundo”. Um dos meus canais preferidos no YouTube é o de NNigani.

Um canal com vídeos musicais sobre apreciação de pinturas belíssimas é o da Mari. Recomendo a inscrição.

Veja e escute o audiovisual abaixo também no canal da MariMari 142:

From the Teatro Real de Madrid, 2011 CARMEN | by Antonio Gades and Carlos Saura | ANTONIO GADES COMPANY Masterpiece of Spanish dance that was added to Antonio Gades’ repertoire: Bodas de Sangre and the Suite Flamenca.

Última dica de hoje: o canal Biscoito Fino para ver shows completos de cantores/compositores da MPB, como Chico Buarque, Gal Costa, Maria Bethânia, Tom Jobim, entre outros:

https://www.youtube.com/channel/UC0MFq331Z7_CoSFimP84Mbw

Dicas para Quarentena: Vídeos Musicais no YouTube

Fiquei três meses experimentando o YouTube Premium sem propaganda e resolvi o assinar. O YouTube com publicidade já era o canal mais visto por mim, seguido do Netflix. Praticamente, abandonei os canais de TV, seja aberta, seja os pagos. Quando a gente se acostuma on demand (streaming) não dá mais para submeter-se à horário fixo ou ver o que está passando sem critério.

Fazendo o rebalanceamento periodicamente necessário no orçamento doméstico, por exemplo, trocando Sem Parar por ConnectCar. Só a troca das três mensalidades (R$ 75) pelo pré-pago sem mensalidade já pagou, largamente, a mensalidade de R$ 20,90 do YouTube Premium. Para o Plano Família se paga mais R$ 11,00/mês. Mas só pode adicionar até cinco membros da família (maiores de 13 anos) moradores na mesma casa. É um equívoco econômico do YouTube. Eu assinaria para meus dois filhos moradores em São Paulo — e pagaria 50% a mais!

Estou dando essas dicas para compartilhar com o seguidor deste blog de algumas descobertas realizadas no YouTube Music. Há inúmeras opções, mas estou em fase de escutar mais Swing Jazz Band, Banjo Dixieland and Bluegrass ou New Orleans Jazz. Confira essas playlists no Spotify.

Hoje, as sugestões são musicais. Em outro post, darei dicas de incríveis filmagens da Natureza acompanhadas de belas trilhas musicais. Basta se inscrever nos canais, inclusive em 4K ou 8K.

The Speakeasies Swing Band é uma banda grega com repertório principalmente em inglês muito dançante. Em 2012, eles lançaram seu primeiro álbum, “Bathtub Gin”, juntamente com os videoclipes “Bright Lights Late Nights” e o premiado com o International Songwriting Competition (ISC), “Black Swamp Village”.

Em 2015, eles voltaram com “Land of Plenty”, um álbum composto por 10 músicas no Swing, Jazz, Blues e Dixieland. Em 2017, eles participaram do Athens & Epidaurus Festival com a performance teatral “Homesickness Blues“.

https://www.youtube.com/channel/UCvoue93C9HjfhkrGgCTZPMA

The Hot Sardines é uma banda de jazz americana formada em Nova York em 2007 pela diretora artística, cantora e escritora Elizabeth Bougerol e diretora artística, ator e pianista Evan Palazzo . Embora aclamados como “os carismáticos líderes do jazz vintage”, eles paradoxalmente enfatizam tanto a autenticidade quanto a irreverência em suas apresentações. Tocam “como se essas músicas tivessem sido escritas esta manhã, para a geração de hoje”. Com o tempo, montaram um repertório único com “um som e um estilo que são distintos”. Seu estilo distinto foi descrito pelos críticos de música como ” Paris da época da guerra por Nova Orleans“, enquanto firmemente enraizado no “aqui e agora”.

 

O Avalon Jazz Band representa o espírito de swing parisiense e da Era de Ouro na cidade de Nova York, com um repertório de padrões americanos atemporais e músicas de jazz francesas: clássicos antigos com um toque dançante.

 

The Dead South é um conjunto musical de folk-bluegrass canadense baseado em Regina, Saskatchewan, Canadá. A banda foi formada inicialmente em 2012 como um quarteto pelos canadenses Nate Hilts (vocais, guitarra, bandolim), Scott Pringle (guitarra, bandolim, vocais), Danny Kenyon (violoncelo, vocais) e Colton Crawford (banjo). Crawford deixou a banda em 2015 e foi substituído pela cantora Eliza Mary Doyle por vários anos. Crawford se juntou novamente à banda começando com a turnê Voices In Your Head em meados de 2018.

 

Big Bad Voodoo Daddy é uma banda norte-americana de rock e swing.

Quero Haddad Presidente 13

Escutem essa música de um companheiro estudante de Medicina da Univasf em Petrolina.

MÚSICA: Quero Haddad Presidente 13
Letra e Música: José Everton Fagundes da Silva, Petrolina-PE.
Produção e gravação: P-10 Studio. Cleido José Ferreira

Wynton Marsalis & Eric Clapton Play The Blues Live From Jazz At Lincoln Center

Comprei este CD genial e não me canso de escutá-lo. Recomendo-o fortemente. Mas as seguintes notas assinadas Wynton Marsalis falam por si:

“Quando Louis Armstrong foi questionado sobre as diferentes formas de música popular em meados da década de 1960, ele respondeu: “… todos esses diferentes tipos de música fantástica que você ouve hoje – evidentemente só tocam guitarras agora – eu costumava ouvir no caminho de volta de velhas igrejas santificadas onde as irmãs costumavam gritar até que suas anáguas caíssem”. Ele não estava tentando destacar o conflito de gerações. Pops estava reconhecendo as experiências fundamentais que informam todas as músicas em sua “seção rítmica”. Ele foi contextualizar uma herança que inclui a dança irlandesa, as tradições musicais da África Ocidental, o hino inglês, e os spirituals negros, todos sintetizados e tocados sob a forma transcendental do blues.

Continuar a ler

Manhã Maravilhosa

É cedo do dia

Ela está imaginando a camisola tirar

Ela não põe maquiagem

E não escova seu cabelo longo e grisalho

E não necessita perguntar, “Eu pareço bem”?

E meus olhos dizem sim, você está maravilhosa esta manhã

E depois nós vamos para a Cultura

E ninguém se vira para ver

Este senhora bonita

Caminhando por toda parte comigo

E então ela me pergunta, “Você se sente bem”?

E eu digo sim, eu me sinto maravilhoso esta manhã

Eu me sinto maravilhoso porque eu vejo

a luz do amor no seu olhar

E a maravilha disso tudo

é que só você não percebe

o quanto amo você

É hora de ir para casa agora

E eu comprei o Disco do Ano

Então ela coloca para tocar no carro

E ela me ajuda cantarolar

E então eu falo para ela

Enquanto eu chego em casa

Eu digo minha querida, você estava maravilhosa esta manhã

Oh, minha querida, você estava maravilhosa esta manhã

(Adaptado da letra de Eric Clapton “Wonderful Tonight“)

Continuar a ler

Jeff e Tim Buckley

The Cinematic Orchestra – Lilac Wine

Miguel Amaral enviou-nos de Portugal dicas de dois vídeos diferentes sobre a mesma canção. Ela é uma de suas favoritas, bem como o artista, Jeff Buckley, que morreu muito jovem afogado enquanto nadava no rio Wolf, afluente do Rio Mississipi, em 1997. Ele parece ter tido a premonição da sua própria morte, pois seu pai, conhecido cantor folk dos anos 60’s, Tim Buckley, também morreu de forma muito precoce. Os dois vídeos são uma preciosidade, muito bonitos, tanto do Jeff Buckley como dos The Cinematic Orchestra. São dois momentos ímpares, a imagem e a canção.

Jeff BuckleyLilac Wine

Continuar a ler

Subgêneros do Soul

Sempre apreciei mais o soul da  Stax Records de Memphis no Tenesse do que o da gravadora Motown de Detroit. Este é fortemente rítmico e para dançar separado. Aquele é mais melódico e romântico, para dançar junto. Na fossa, sem dançar (tipo “Dançou? Dancei…”) , dá prá curtir uma dor-de-cotovelo legal! Experimente escutar “When A Man Loves A Woman“, repetidamente, ou você se mata ou se cura…

Continuar a ler

Soul

Continuando a série de recolhimento de informações para apreciar mais gêneros musicais que me “salvam a vida” (veja Categoria ao lado), desta vez vamos editar o verbete sobre Soul da Wikipedia. Soul (em inglês: alma) é gênero musical dos Estados Unidos da América que nasceu do rhythm and blues e do gospel, durante o final da década de 1950 e início da década de 1960, entre músicos negros. Durante a mesma época, o termo soul já era usado nos EUA como adjetivo usado em referência ao afro-americano, como em “soul food” (“comida de negro”). Esse uso apareceu justamente em época de vários movimentos de liberalismo social, tanto com a revolução dos jovens com o uso das drogas, como os movimentos anti-guerra e anti-racial. Por consequência, a “música soul” nada mais era que referência à música dos negros, independente de gênero.

Continuar a ler

Pianistas de Jazz

“Os pianistas de jazz contemporâneo estão na linha direta de Franz Liszt, o inventor do recital de piano solo clássico, em meados do século XIX. Antes dele, Mozart e Beethoven, na passagem dos séculos XVIII-XIX, eram eméritos improvisadores e embasbacavam as nobre platéias vienenses com suas habilidades extraordinárias. Mas Liszt foi mais longe. O dublê de compositor-pianista encarava grandes platéias sem anunciar o que iria tocar” (João Marcos Coelho, Valor Eu&Fim de Semana, 01/04/11). Ao ler isso, inspirei-me para fazer pesquisa no YouTube. Vejam e escutem o resultado dos clássicos para sempre, pois serão pianistas de jazz apreciados por gerações futuras.

Keith Jarrett The Koln Concert

Continuar a ler

Elogio à Beleza

Miguel Amaral envia duas sugestões do que considera “o elogio da beleza”. Diz que “uma beleza é produto da natureza, a outra beleza é fruto da nossa imaginação”. No meio de tanta beleza, ocorreu-lhe o seguinte pensamento: “a beleza pode ser sempre reforçada por outra beleza, neste caso, a beleza das imagens pode ser reforçada pela beleza da melodia”. Disse-me: “Fernando, creio que todos deveríamos ter direito a 6 minutos para apreciar a beleza. Enfim, pode parecer uma futilidade, principalmente, quando carecemos de tantas coisas”.

Na realidade, nossa motivação para viver é apreciar a beleza! Quando ela deixar de existir, o que nos restará?!

Dustin O’Halloran Opus 23 video

Continuar a ler

CEM: Confraria Etílico Musical (Epílogo)

Listei meus dez rocks preferidos (A Day in the Life, You Can’t Get What You Want, Feel So Good, Light My Fire, It Hurts Me Too, The Sound of Silence, See Me Feel Me, Atom Heart Mother, Stairway to Heaven, Dead Babies / Killer),  mas como acabou essa estória pessoal-musical? Em tom muito etílico e pouco musical?

Bem, no dia de minha apresentação de rock, virou festa! As moças, sem respeitarem a liturgia do momento, seduziram os rapazes para dançar, enquanto eu bancava o catedrático do rock… Não foi difícil, com o teor etílico dos membros da Confraria, todo mundo perder a compostura.

Mas eu estava preparado para o bis! Aqueles dez rocks iniciais eram todos com faixa longa de mais de dez minutos, que não se tocava em radio. Talvez eu os tenha escolhido, justamente, para demonstrar o conteúdo artístico do rock para quem não o apreciava, no fundo, porque o desconhecia. Achava que a musiquinha pop ou mesmo a discoteca bate-estaca eram rock. Esse desconhecimento constituía suprema ofensa para respeitável roqueiro! Que analfabetismo musical por parte de doutores em Economia…

Assim, prosseguindo a “profunda reflexão” a respeito do tema, passei a colocar os rocks de minha lista de “vinte mais” para tocar. Mas como eu poderia me lembrar no meio da festa? Simples, bastou relembrar o envolvimento afetivo (não necessariamente efetivo) com alguma amiga, quando cada música me chamou a atenção. E aí foi só renomear, mentalmente, a música. [Nick Hornby teve a mesma inspiração / insight em Londres anos depois.] Por exemplo, dez rocks inesquecíveis, entre os anos 70 e os 80, foram os seguintes.

Continuar a ler