“O crime organizado começa na favela e termina em Wall Street”

pcc

Cristina Klein (Valor, 06/01/17) entrevistou o jornalista e escritor, Carlos Amorim, 64 anos, é autor de uma trilogia sobre o crime organizado, publicada pela editora Record e com a qual ganhou o Prêmio Jabuti por duas vezes. No primeiro livro, remonta a história da formação do Comando Vermelho (CV); no segundo, conta a construção da aliança do CV com o Primeiro Comando da Capital (PCC) de São Paulo e a expansão das duas facções por países vizinhos; no terceiro livro, “Assalto ao poder”, dedica-se a mostrar a infiltração do crime em instituições do Estado e do mercado. “O crime organizado começa na favela e termina em Wall Street”, afirma.

Amorim ressalta que, com ganhos entre US$ 3 trilhões e US$ 4 trilhões pelo mundo, segundo a ONU, o crime organizado não tem como movimentar esse volume de recursos sem as conexões com o sistema bancário. No Brasil, lembra que o mensalão teve no núcleo financeiro a direção do Banco Rural.

Em sua opinião, o Brasil representa o segundo caso mais grave da América Latina, depois do México, com um sistema prisional que fortalece as facções criminosas. “As condições carcerárias no país são tão péssimas que elas fomentam o surgimento de grupos organizados para resistir a essas condições. O fato de que o sujeito se organiza na cadeia é para sobreviver”. Amorim critica a reação de autoridades como o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, ao massacre que matou 60 detentos em presídio de Manaus e expôs as vísceras de um sistema negligenciado pelos governos. “O governo de São Paulo, por exemplo, sempre deixou muito claro que o PCC não existia, que o PCC era uma ficção da imprensa”, diz.

A seguir, leia os principais trechos da entrevista concedida ao Valor:

Continue reading ““O crime organizado começa na favela e termina em Wall Street””

Pacote Temeroso de Maldades contra Viúvas Pobres

pensoes-das-viuvas

Uma das maiores maldades que o governo golpista e impopular lançou em sua proposta de reforma da Previdência Social é o agravamento das sofridas condições de vida das viúvas que recebem cerca de um salário mínimo!

Edna Simão e Fabio Graner (Valor, 02/01/17) avaliam que a desvinculação das pensões por morte do salário mínimo deve atingir mais da metade dos beneficiários do sistema, número próximo de quatro milhões de pessoas. O Valor apurou que 55% das pensões são de até um salário mínimo. Essa é uma das mudanças mais maldosas na proposta de reforma da Previdência Social. Em 2015, último dado oficial disponível, havia 7,41 milhões de pensionistas.

A partir da aprovação da reforma, o governo vai editar um projeto de lei para definir como será o reajuste desses benefícios, que deixarão de acompanhar o piso salarial. A tendência é que o valor seja corrigido pela inflação, mas o aumento poderá deixar de ser anual, como atualmente é praticado na correção do Bolsa Família. Com isso, a elevação do benefício passará a ser feita conforme a margem fiscal do governo federal.

Será um genocídio, ou seja, a destruição total ou parcial de um grupo de viúvas através do método cruel de eliminação pelas condições subumanas de vida!

Continue reading “Pacote Temeroso de Maldades contra Viúvas Pobres”

Projeções Demográficas X Dados Verificados na Realidade

populacao-com-60-anos-ou-maisevolucao-da-expectativa-de-vida-no-brasilexpectativa-e-realidade

Camilla Veras Mota (Valor, 02/01/17) informa que a América Latina, junto da Ásia, é atualmente a região em que a população envelhece mais rapidamente, como constataram os economistas Rogério Nagamine Costanzi, especialista em Previdência, e Julimar da Silva Bichara, da Universidade Autónoma de Madrid.

Com base nas últimas projeções de população da Organização das Nações Unidas (ONU), eles verificaram que a proporção de pessoas com mais de 60 anos na América Latina deve saltar dos atuais 11,2% para 37,4% em 2100, nível maior do que o previsto para a Europa, hoje o continente mais envelhecido, 35%.

Para o Brasil, a expectativa é ainda superior, 38,8% em 2100, ante 11,7% atualmente. A marca dos 33%, afirma Costanzi, chegaria ainda em 2060, de acordo tanto com as projeções da ONU quanto com as do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que só divulga estimativas até esse período.

A principal fase de envelhecimento duraria entre 2020, quando se encerra o chamado “bônus demográfico“, até as décadas de 2060 e 2070, quando o nível passaria a crescer em ritmo bem menos acelerado.

Continue reading “Projeções Demográficas X Dados Verificados na Realidade”

Espiritualismo e Materialismo: O Resultado Econômico de Crendices

sucesso-financeiroSucesso financeiro se deve a investimento de sobra de renda do trabalho e/ou da herança em acumulação de renda capitalizada por juros compostos, cuja referência é determinada em última instância pelo Banco Central. Este não é Deus, talvez seja o Papa de O Mercado… Os neoliberais veem O Mercado como Deus.

evolucao-da-renda-dos-evangelicos

Desde agosto de 2006 até o fim da Era Social-desenvolvimentista em 2014, houve pequena evolução da renda dos evangélicos. Depois da volta da Velha Matriz Neoliberal, nos últimos dois anos, caiu o nível de renda deles. A fé em Deus diminuiu?

igrejas-e-pobreza

Esta fé, que “Deus dará”, é falseada pelos dados de distribuição de renda no Brasil — isto sem considerar a dos países onde os povos seguem outras religiões: budismo, hinduísmo, islamismo, etc. –, já que apenas 1,7% da população ocupada — considerando o contingente de 94,8 milhões na população ocupada (PO) em 2015, eram 1,6 milhão pessoas — recebiam mais do que dez salários mínimos (R$ 8.800), sendo a Classe B [10-20 SM] 1,4% e a Classe A [>20 SM] 0,3% ou apenas 284,4 mil pessoas. A Classe C [2-10 SM] tinha 21% da PO, a Classe D [1-2 SM], 37%, tendo aumentado em 3,5 pontos percentuais em 2015, e a Classe E, 30,4%. Que riqueza esperada é esta — material ou espiritual? Continue reading “Espiritualismo e Materialismo: O Resultado Econômico de Crendices”

Demografia Médica

pagamentos-e-doacoes-dirpf-ac-2014deducoes-de-despesas-medicas-dirpf-ac-2014

Pelo Censo Demográfico de 2010, existiam 241.510 médicos ou 0,4% da população ocupada (PO). Cerca de 29% deles estavam no 1% mais rico dessa população, sendo que neste top 11,1% eram médicos. Fora os 2.274.184 profissionais com Ensino Superior que trabalhavam com Administração, Negócios e Economia (3,6% do total da PO), que eram 15,4% do top 1% mais rico, mas só 4,3% estavam no 1% mais rico, nenhuma categoria profissional de nível superior superava a dos médicos em renda. Por natureza ocupacional, encontravam-se em sexto lugar no ranking de riquezas per capita e em oitavo lugar no ranking de rendas per capita.

Neste último ranking, fora os Titulares de Cartório, superavam os médicos só as ocupações próximas do(s Três) Poder(es), ou seja, aqueles profissionais que têm o poder de fixar a própria rendaAlguns médicos mercantilistas obtém esse poder junto às famílias do cliente rico na “hora da morte”, amém

Foram 331.988 médicos declarantes DIRPF 2015 – AC 2014 (veja tabelas acima). As deduções com Despesas Médicas foram as maiores, somando R$ 56,58 bilhões, superando até mesmo os R$ 55,34 bilhões com Previdência Oficial e Funpresp. Planos de Saúde no Brasil recebem os maiores pagamentos: R$ 47,52 bilhões ou 23,32% do total de Pagamentos e Doações. Somam-se a eles os pagamentos com “Hospitais, Clínicas e Laboratórios no Brasil” (11,93 bilhões ou 5,85%) e “Médicos no Brasil” (R$ 2,26 bilhões ou 1,11%), atingindo esses gastos com saúde dos 27.581.083 declarantes.

Estas despesas dedutíveis das castas — e não dos párias, que são atendidos por SUS –, atingem 30,28% dos gastos totais. Supera bastante as despesas com Instrução no Brasil (21%), sendo que as declaradas com um teto como limite de deduções somaram R$ 20 bilhões.

Continue reading “Demografia Médica”

Solução Definitiva para Equilibrar as Contas da Previdência Social

apertar-o-cintoMeu velho amigo, Liszt Vieira, depois de muito pensar, descobriu a solução definitiva para o problema da Previdência Social brasileira!

Dada a urgência da ideia inédita, jamais imaginada pelos sábios-tecnocratas, ele me permitiu com exclusividade, “furando” os jornalões brasileiros, a divulgação de tal fórmula milagrosa neste modesto blog pessoal. Reproduzo sua missiva — como diz o nosso temeroso golpista — abaixo:

“A PEC 55 já vai dar uma pequena contribuição ao chamado déficit da Previdência. Por falta de atendimento em serviços públicos básicos, por exemplo, alguns idosos e doentes vão morrer na fila do hospital.

Mas isso não será suficiente para zerar o déficit que, aliás, vem sendo questionado como inexistente pela oposição. Pelo projeto do Governo, o contribuinte terá de trabalhar 49 anos para receber aposentadoria integral. Poderá se aposentar aos 65 anos, mas só receberá integral após 49 anos de contribuição.

Assim, se começar a trabalhar aos 20 anos, só receberá integral aos 69 anos. Para receber integral aos 65, terá de começar a trabalhar aos 16 anos. Se só conseguir trabalho aos 25, só vai receber integral aos 74. Tudo isso se não ficar desempregado antes. Aos 50 anos, as empresas costumam demitir o empregado, já considerado velho.

O próprio Governo diz que isso não será suficiente para zerar o déficit. A proposta que apresento abaixo é a solução definitiva para equilibrar as contas da Previdência Social. Continue reading “Solução Definitiva para Equilibrar as Contas da Previdência Social”

Reforma da Previdência: Igualitarismo da Esquerda X Moralismo da Direita

charge-aposentadoriaLi, no Jornal GGN, artigo do senador Roberto Requião (PR) sobre “as razões dessa Reforma da Previdência às pressas, PEC 55, Lava Jato e abuso de autoridade” (http://jornalggn.com.br/noticia/as-razoes-dessa-reforma-da-previdencia-as-pressas-e-pec-55-por-roberto-requiao), cujos argumentos são os mesmos que eu pretendia usar em análise sobre essa Reforma. Reproduzo sua primeira parte abaixo.

“Eu estou com os dados da Reforma da Previdência do Temer na mão. Estou estarrecido. Poucas pessoas conseguirão se aposentar com os salários que ganhavam.

O secretário da Previdência, Marcelo Caetano, mandou o projeto de Reforma da Previdência para o Congresso e agora para a Câmara. O projeto agora exclui os militares tanto do exército como da polícia militar. E, depois da devida pressão, excluiu também os bombeiros e a polícia civil. Eles não querem enfrentar uma dissidência armada. Pelo menos por enquanto…

Porém, tudo indica que, no ano que vem, o governo mandará também o projeto dos militares e dessas categorias armadas. Essas categorias acham que ficarão de fora. Não ficarão. Serão usadas para reprimir com violência os protestos dos outros trabalhadores, que ficarão ressentidos com elas. Quando tudo estiver mais calmo, este governo mandará um projeto de lei acabando com a aposentadoria também dos profissionais armados. Quando isso acontecer, ninguém mais lutará por eles.

E o governo fará isso, porque só os militares representam 45% do déficit da previdência. Continue reading “Reforma da Previdência: Igualitarismo da Esquerda X Moralismo da Direita”