Para onde vai o Banco Central?

LAWRENCE H. SUMMERS, ANNA STANSBURY (The Economist, 23 de agosto de 2019) escreveram artigo sobre o debate atual a respeito da política econômica. Enquanto isso, aqui, oh….

“Em um ambiente de estagnação secular nas economias desenvolvidas, a ingenuidade dos banqueiros centrais em afrouxar a política monetária é exatamente o que não é necessário. O que é necessário são admissões de impotência, a fim de estimular os esforços dos governos para promover a demanda por meio de políticas fiscais e outros meios.

Os banqueiros centrais do mundo e seus estudiosos estão tendo seu momento anual de reflexão em Jackson Hole, Wyoming. Mas o tema da reunião deste ano, “Desafios para a política monetária”, pode incentivar uma complacência insular – e perigosa.

Simplificando, ajustar metas de inflação, estratégias de comunicação ou mesmo balanços não é uma resposta adequada aos desafios enfrentados agora pelas grandes economias. Em vez disso, dez anos de inflação abaixo da meta em todo o mundo desenvolvido, com mais 30 anos esperados pelo mercado, e o fracasso total dos extensos esforços do Banco do Japão para aumentar a inflação sugerem: aquilo antes tratado como axiomático é, de fato, falso: os Bancos Centrais nem sempre podem estabelecer taxas de inflação por meio da política monetária.

Continuar a ler