Insultos a Chefes de Estado: Direito dos Cidadãos

OPINIÃO PÚBLICA – Download da pesquisa completa

Luís Francisco Carvalho Filho, advogado criminal, presidiu a Comissão Especial de Mortos e Desaparecidos Políticos (2001-2004). Publicou ótimo artigo (FSP, 23/3/19), intitulado “Revolução dos Cretinos“, em defesa da livre expressão: liberou geral!

“O pensamento radical e anarquista do escritor Lysander Spooner (1808-1887), pouco conhecido no Brasil, parece irresponsável, frágil e politicamente incorreto.

Além de defender a abolição da escravatura, combater o monopólio postal, negar legitimidade à sagrada Constituição dos Estados Unidos da América (aliás, de todas constituições, votadas ou impostas, autoritárias ou democráticas), Spooner define os governos como associações de “ladrões e assassinos”. É, talvez, sua maior contribuição intelectual.

A associação figurada de criminosos para governar engloba agentes de todas as esferas de poder (Executivo, Legislativo e Judiciário), mas a tradução de seu livro “No Treason “” The Constitution of no Authority” (1870) seria editada na França e em Portugal sob os títulos “Outrage à Chefs d’État” e “Insultos a Chefes de Estado”.

Independentemente de ideologias, governantes e autoridades existem também para serem afrontados, de forma justa ou injusta, com ou sem exageros. É direito natural. Compensa os confiscos de liberdade que a vida em sociedade impõe ao cidadão.

Governantes cretinos, como Jair Bolsonaro, seus filhos, ministros de Estado e gurus filosóficos, militantes patéticos de causas contrárias à evolução humanitária, tornam mais prazerosa e útil a prática do insulto e do xingamento. Continuar a ler

Meios de Pagamento Eletrônicos para Substituição de Papel-Moeda

Martha Funke (Valor, 20/07/18) informa: a adoção de novos formatos, como prazos mais longos no financiamento com juros do cartão de crédito e os pagamentos instantâneos (P2P, ou pessoa a pessoa na sigla em inglês), a tecnologia sem contato e o maior uso de cartão de crédito estão entre os elementos capazes de incentivar a expansão do uso dos meios de pagamentos eletrônicos no país.

A expectativa é alcançar 60% de penetração nos gastos das famílias em até cinco anos. Hoje a parcela é de 32%, com 13 bilhões de
transações anuais com valor em torno de R$ 1,36 trilhão, dos quais R$ 842,6 bilhões movimentados por cartões de crédito, R$ 508 bilhões pelo débito e R$ 6,6 bilhões por cartões pré-pagos.

As novidades do setor estão sendo analisadas em conjunto com o órgão regulador. O financiamento por cartão de crédito busca atender à solicitação de reduzir o prazo para pagamento dos lojistas e ampliar a possibilidade de oferta por parte de pequenos varejistas sem recursos suficientes para crediários próprios. A ideia é os emissores oferecerem juros competitivos.

Nos Estados Unidos, onde a indústria de cartões movimenta US$ 12 trilhões anuais, 53% correspondem a financiamento, enquanto no Brasil a parcela é de 11%. Continuar a ler

Mihaly Csikszentmihalyi – TED2004 – Flow, the secret to happiness

Abaixo a transcrição da Palestra TED de Mihaly Csikszentmihalyi – em 2004: Flow, the secret to happiness.

Eu cresci na Europa, e a Segunda Guerra Mundial me pegou quando eu tinha entre 7 e 10 anos. E percebi quão poucos adultos que eu conhecia eram capazes de resistir às tragédias que a guerra trouxe a eles; quão poucos deles podiam levar uma vida minimamente normal, contente, satisfeita, feliz, quando seus trabalhos, suas casas, sua segurança, foram destruídos pela guerra.

Então, fiquei interessado em entender o que contribuiu para uma vida que vale a pena viver. E tentei, na infância e adolescência, ler sobre filosofia e me envolver com arte e religião, e muitas outras formas que eu via como possíveis respostas àquela questão. E finalmente acabei encontrando a psicologia por acaso. Continuar a ler