Armadilha Anti-intelectualista do Populismo: Esnobismo X “É Gente Como É A Gente”

 

PêTê

Tudo kulpa do petê o partido que acabou com o Brasil! E do Lula, o enviado do dimônio.

Essis boçalnaros sempre foram petralhas! E vão entregar o pais para aquele pais kumunista da américa do norte! Bem que o olavão disse que o problema dos mortadela era a falta de tiro na moleira. Agora vão ver que o nosso pais jamais será socialista. E nossa bandeira não é vermelha! Fábrica de avião e submarino nuclear prá quê? Nunca tivemos competência para tirar petróleo do mar, tem que entregar logo para quem sabe porque daqui a pouca os karros serão elétrico! A ditadura do petê nunca mais! Acabou essi negocio de bolsa isso bolsa aquilo. Tem que mandar os vagabundo comprar a vara e ir pescar! Faça algo útil em vez de querer ideolizar as criancinha nas escola! Kit gay, mamadeira de pica, coisa de kumunista safado!

Cambada de vagabundo, vai prá Cuba!   

🙂  🙂  🙂

JOSÉ FRANCISCO PAULA FILHO

Existem basicamente 3 tipos de ppptttss; 1) os que fazem algazarra por 30 dinheiros + um pão com salame; 2) os que dão dindin para tirar o genoíno, o ZD e a Pobrecriaturaperseguida da cadeia, 3) aqueles que colocam o produto dos desvios na suiça . . . . . em qual time você se encaixa???

JOSÉ FRANCISCO PAULA FILHO

Bom mesmo é A “Auma maiz Onesta” deste planeta, a Pobrecriaturaperseguida, os seus asseclas e o seu ParTido do roubo.

EDMUNDO NASCIMENTO

Lula = maior enganador de todos os tempos PeTe = partido que mais roubou no mundo em todos os tempos Esquerda brasileira = sinônimo de roubalheira e incom petência Pessoas que acreditam que tudo contra o LUllalla é gópi = mudem-se para Venezuela ou Cuba ou assumam sua condição de zumbi.

RODRIGO CAVALCANTI

Lula = maior enganador de todos os tempos PeTe = partido que mais roubou no mundo em todos os tempos Esquerda brasileira = sinônimo de roubalheira e incom petência Pessoas que acreditam que tudo contra o LUllalla é gópi = mudem-se para Venezuela ou Cuba ou assumam sua condição de zumbi.

RODRIGO CAVALCANTI

O dinheiro desviado do PeTe está em vários lugares. Exterior, paises bolivarianos, em bens dos politicos petistas, e provavelmente em muito caviar que já comeram na Europa. Fica tranquilo porque ainda vao aparecer. Sem falar nos bilhões que já foram devolvidos para a Petrobras..

Obs.: o primeiro comentário, evidentemente, é uma sátira, mas as demais foram colhidas na Folha de S.Paulo como uma amostra da realidade. Basta ler os comentários em qualquer notícia envolvendo Lula e/ou PT para constatar como os mesmos imbecis robóticos se repetem sem criatividade. Pior, idiotas votaram na ignorância com base no argumento “é gente como gente“. Triste. Lamentável. Ser gente como essa gentinha…

Pablo Ortellado é Professor do curso de Gestão de Políticas Públicas da USP, é doutor em Filosofia. Publicou em sua coluna (FSP, 27/11/18) um artigo cujo teor me deixou em dúvidas. Não sei se concordo ou não com ele. Intolerância é intransigência com relação a opiniões, atitudes, crenças, e modo de ser, reprovados ou julgados falsos. Nesse sentido, a inteligência derrotada não pode tolerar a burrice vitoriosa na eleição de 2018.

Se a intolerância é mútua, “Bolsonaro e sua tchurma” têm complexo de inferioridade e abominam a gente inteligente, fazer o quê?!

Tendo a discordar quanto ao argumento exposto no artigo reproduzido abaixo. Os cultos não devem se adequar ao comportamento de gente inculta e repressora de ideias desaprovadas por motivos religiosos ou doutrinários com uso da coação ou da força. 

Daí não significa minha aprovação do esnobismoatitude de quem despreza o relacionamento com gente humilde e imita, geralmente de maneira afetada, o gosto, o estilo e as maneiras de pessoas de prestígio ou alta posição social.

O complexo de superioridade como contraponto ao complexo de inferioridade assume ares de superioridade a propósito de tudo. Não aprecio, seja este sentimento de superioridade exacerbado, seja o gosto excessivo pela moda cultural, inclusive as trivialidades pop de gosto popular. Reproduzo o artigo de Ortellado em seguida. Continue reading “Armadilha Anti-intelectualista do Populismo: Esnobismo X “É Gente Como É A Gente””

Raiva e Testosterona no Voto Macho em Bolsonaro: Burro, Mau e Feio

Arthur do Val (DEM), de cinza, eleito deputado estadual, e Eduardo Bolsonaro (PSL), de azul, reeleito deputado federal, destaques de uma eleição em que prevaleceu o discurso do ódio Foto: Reprodução

Arthur do Val (DEM), de cinza, eleito deputado estadual, e Eduardo Bolsonaro (PSL), de azul, reeleito deputado federal, destaques de uma eleição em que prevaleceu o discurso do ódio.

Helena Borges e Rafael Ciscati (Época, 06/11/2018) publicou reportagem sobre quem rodeou Bolsonaro em sua campanha de rua: machos embrutecidos com raiva da inteligência, das mulheres insubmissas e dos homossexuais. Vale a pena ler sobre essa gente forjada em academias de fisicultura com muitos músculos e nenhum cérebro. Aliás, minto, os skinheads têm “2 neurônio”, o Tico e o Teco. Como um não conversa com o outro, a equipe bolsonarista quer os fundir em um só!

Conservadorismo

Amália Safatle (Valor, 28/09/2018) assinou reportagem investigativa sobre a resposta conservadora à crise de valores na sociedade contemporânea.

Segundo o Burke Instituto Conservador, cujo nome é de uma das referências do pensamento conservador, Edmund Burke, o mundo Ocidental enfrenta a mais profunda crise em sua estrutura moral e de valores. “Diante das abruptas e perturbadoras mudanças que assolam a sociedade, o pensamento conservador tem sido redescoberto e revalorizado. Muitos indivíduos têm-se assumido como conservadores, preferindo, diante das mudanças que lhes são impostas, resguardar os princípios éticos e morais herdados de suas experiências familiares, religiosas e escolares”, informa o instituto.

Duas reações associam-se a essa tentativa de resgate, avalia a psicanalista Maria Homem. A primeira, o sentimento de nostalgia em relação a um passado idealizado como estável. A segunda, a chancela de uma força que traga de volta aquele mundo idílico, conhecido e seguro. O sujeito conservador pede uma autoridade que considera capaz de restaurar aquele passado. Um exemplo emblemático é a frase do presidente americano Donald Trump “Make america great again”, ou seja, trazer de volta um período passado maravilhoso.

Curiosamente, o slogan da campanha do Haddad é “O Brasil feliz de novo”. Contrapõe-se ao raciocínio conservador no Brasil: “O país está um caos, tudo está frouxo, vamos colocar um messias [Jair Messias Bolsonaro] no lugar certo porque, em dois anos, ele dará conta de tudo.” Assim, o conservador se submete a essa força, como se deixasse vir à tona núcleos inconscientes, infantis, demandantes de um pai severo. “Um pai muito bravo, mas que é necessário para colocar ordem nessa criançada sem limite. É uma regressão em termos psicanalíticos”. Continue reading “Conservadorismo”

Sociedade Aética e Antidemocrática Vota em Militar. Civilizada Vota em Professor.

Leandro Karnal, no livro “Todos contra todos: O ódio nosso de cada dia”, diz não haver país no mundo com uma sociedade ética e um governo corrupto, em vez da direita lhe mandar um e-mail dizendo ele ser um idiota ou um “petralha”, desafia lhe mandar os exemplos dos países onde isso existe…

Devido ao viés da auto-validação, as pessoas dizem hoje: “Não leio fulano porque é um coxinha”; “Não leio fulano porque é um petralha”. Significa ela se recusar a qualquer argumento capaz de retirá-la de onde está, em sua zona de conforto. Além de ser um equívoco acadêmico, é um autoengano pessoal. É possível argumentos “coxinhas” e “petralhas” terem tanta verdade contra outros argumentos impróprios de modo então ser preciso pensar e refletir.

Todos os posts, tuítes e memes como expressão de discursos de ódio são fruto simplesmente de uma passionalidade sem base racional. “Provavelmente impedem que você veja as verdadeiras provas e evidências de corrupção.”

Karnal insiste em desafiar algum antipetista a lhe fazer uma demonstração do erro de sua proposição: “não existe país com governo corrupto e população honesta.”

“Não existe uma elite separada do todo”. Os políticos são ladrões e a sociedade brasileira é ética?! Ora… Continue reading “Sociedade Aética e Antidemocrática Vota em Militar. Civilizada Vota em Professor.”

Todos Contra Todos: O Ódio Nosso de Cada Dia

Leandro Karnal, no livro “Todos contra todos: O ódio nosso de cada dia”, diz ter havido uma regra desde o golpismo instalado após a reeleição da Dilma: “Não apenas me oponho a você, mas você é o obstáculo para o progresso brasileiro.” Ou: “O Brasil seria um bom lugar se você não existisse.” Daí cresce o ódio diante das mazelas políticas, porque se interpreta tudo de ruim a ocorrer no Brasil nascer do outro.

Em determinado momento do processo de golpe contra a Dilma, Karnal disse nas redes sociais e em palestras: “ele seria a pessoa mais feliz do momento se acreditasse a corrupção no Brasil estar ligada, exclusivamente, a uma pessoa ou a um partido”. Algo tão óbvio poderia ser considerado uma platitude. No entanto, foi atacado por centenas de pessoas, acusando-lhe de ser pró-governo Dilma e um petista.

Caiu o governo do PT, subiu o grupo oposto, e as denúncias de corrupção continuaram. É evidente a corrupção não ter terminado com o rito aparentemente legal do impeachment. Apesar de todos os governos terem casos de corrupção – Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma Rousseff e Michel Temer – Karnal estava dizendo os atos corruptos, denúncias e escândalos não se restringirem a um partido, ainda se, eventualmente, um ou outro partido se destacassem em dado momento.

Mas a corrupção é institucional e endêmica. Portanto, não seria a solução a queda de uma pessoa para resolver o problema da corrupção. Continue reading “Todos Contra Todos: O Ódio Nosso de Cada Dia”

Argumentar e Escrever

Antônio Suarez Abreu, no livro “A Arte de Argumentar – Gerenciando Razão e Emoção”, indica: argumentar não é tentar provar o tempo todo que temos razão, impondo nossa vontade. Aqueles que agem assim não passam de pessoas irritantes e quase sempre mal-educadas.

Argumentar é, em primeiro lugar, convencer, ou seja, vencer junto com o outro, caminhando ao seu lado, utilizando, com ética, as técnicas argumentativas, para remover os obstáculos que impedem o consenso.

Argumentar é também saber persuadir, preocupar-se em ver o outro por inteiro, ouvi-lo, entender suas necessidades, sensibilizar-se com seus sonhos e emoções. A maior parte das pessoas, neste mundo, só é capaz de pensar em si mesma. Por isso, o indivíduo que procura pensar no outro, investir em sua autoestima, praticamente não enfrenta concorrência.

Argumentar é motivar o outro a fazer o que queremos, mas deixando que ele faça isso com autonomia, sabendo que suas ações são frutos de sua própria escolha. Afinal, as pessoas não são máquinas esperando ser programadas.

Persuadir é ter certeza de que o outro também ganha com aquilo que ganhamos. É saber falar menos de si e do que se quer, e mais do outro e do que é importante para ele.

Argumentar é também saber dosar, “na medida certa”, o trabalho com ideias e emoções. A “medida certa” é gastar mais tempo em persuadir do que em convencer. Uma boa proporção é utilizar trinta por cento do tempo convencendo e setenta por cento persuadindo.

É preciso o educador, em primeiro lugar, ouvir os alunos, conhecer suas histórias pessoais, seus desejos e sonhos, procurando saber o que os está motivando intrinsecamente. O que as crianças querem é respeito, atenção, ver sentido naquilo que estão aprendendo. O que elas não querem é ser vigiadas e controladas como se fossem vagabundos ou delinquentes em potencial.

Afinal, educadores devem procurar mostrar às crianças um mundo mais livre, mais atraente e humano – e não se aliar à repressão doméstica de muitos pais. Por mais absurdo que pareça, as maiores violências contra as crianças são cometidas pelos próprios pais. Violência de toda ordem: física, moral, sexual etc.

Outra tarefa dos educadores é ensinar a ler e escrever. Estimulados, os alunos deverão sentir o prazer da criação – e se desenvolverão por conta própria. Continue reading “Argumentar e Escrever”

Hierarquia de Valores

Antônio Suarez Abreu, no livro “A Arte de Argumentar – Gerenciando Razão e Emoção”, distingue os valores. Eles podem ser concretos, como os bens ou os ativos, ou abstratos, como justiça, amizade e honestidade. Esses últimos são valores ao mesmo tempo sensíveis e úteis.

Um outro dado fundamental é os mesmos valores não serem impostos a todo mundo. Eles estão ligados à multiplicidade de grupos e de emoções. Quem quer persuadir deve saber previamente quais são os verdadeiros valores de seu interlocutor ou do grupo constituinte do seu auditório.

Os valores de uma pessoa não têm, obviamente, todos eles a mesma importância. Tanto A expressão HIERARQUIA DE VALORES é largamente utilizada. Em um processo persuasivo, a maneira como o auditório hierarquiza os seus valores chega a ser, às vezes, até mais importante do que os próprios valores em si.

Na verdade, o que caracteriza um auditório não são os valores que ele admite, mas como ele os hierarquiza. De fato, se dois grupos de pessoas possuem os mesmos valores, mas em escalas diferentes, acabam por configurar dois grupos diferentes.

As hierarquias de valores variam de pessoa para pessoa, em função da cultura, das ideologias e da própria história pessoal. Não se deve falar em corda na casa de um enforcado.

A exploração das hierarquias é um campo extraordinário. Em um processo persuasivo, é mortal rejeitar um valor do auditório. Imagine alguém, diante de uma assembleia de boçalnazis, dizer que “o mito” deles não tem condições morais e intelectuais de ganhar a eleição!

Mas, como descobrir a hierarquia de valores do outro? Pela intensidade de adesão a eles. A intensidade de adesão a valores diferentes sinaliza uma escolha hierárquica. Fatores culturais, históricos e ideológicos influem na elaboração dos valores e hierarquias.

A casta dos guerreiros-militares tem como valores a competição, a glória, a fama, a violência, a vingança, a honra, e coisas como tais desdenhadas pela casta dos sábios-universitários. Estes hierarquizam no topo de seus valores morais: educação, especialização de conhecimento, autonomia, auto expressão, liberalismo cultural e de costumes. Continue reading “Hierarquia de Valores”