Nova Página: Cursos à Distância

Guia de Início Rápido do Excel 2016

Prezado Seguidor,

em via de receber 5.000.000 visitas (acumuladas desde 22/01/2010) e ter 1.500 seguidores, acrescento mais uma página (coluna à esquerda) neste modesto blog pessoal: Cursos à Distância. Como tudo nele, é um compartilhamento social de um conhecimento que é útil para mim.

No caso, trata-se principalmente de treinamento em Excel.  Um Sistema Complexo emerge de interações entre seus diversos componentes. Sua análise exige o desafio de transformar Complexidade em Simplicidade. No caso, transformar planilhas de inúmeras linhas e colunas com dados e informações já disponíveis na rede social em indicadores simples e analíticos.

Outros instrumentos muitos úteis para o planejamento da vida financeira, que coloco acessível sob forma de links,  refere-se à Matemática Financeira Aplicada às Finanças Pessoais, com o uso tanto de planilha Excel, quanto de calculadora financeira HP 12C, inclusive online ou virtual.

Acrescento vários simuladores automáticos com fórmulas já inseridas e planilhas com exemplos de usos. E a dica: se você ainda não abaixou um aplicativo de Finanças Pessoais, sugiro que o faça em https://www.guiabolso.com.br.

Educação Executiva Continuada

sucesso-e-felicidade

Françoise Terzian (Valor, 27/06/16) cita: “Não há nada tão inútil quanto fazer eficientemente o que não deveria ser feito.” A frase do austríaco Peter Drucker, o pai da Administração moderna, resume bem o resultado de uma escolha mal feita.

Ter um MBA de peso no currículo, o projeto da maioria dos profissionais, é mais difícil do que se supõe. Não pelo desafio de ser aceito na escola, frequentar todas as aulas e sair-se exemplarmente bem. Antes de todo esse processo, é preciso muito cuidado na hora de escolher a instituição e o MBA mais adequados ao seu perfil e, consequentemente, às metas profissionais.

O Brasil tem, pelo menos, 1.000 cursos de MBAs, segundo o Guia do MBA de 2016, lançado recentemente pelo jornal “O Estado de S.Paulo” em parceria com a Associação Nacional de MBA (Anamba). É tanta opção que a escolha equivocada pode levar à perda de tempo e de dinheiro.

Com a crise, a busca por MBAs aumentou, o que é um fator importante para se diferenciar no momento da recolocação. Afinal, um profissional que fica fora da escola por cinco anos está literalmente fora do mercado. Motivo: falta de atualização deixa o indivíduo, por mais experiente que seja, aquém dos outros.

Continue reading “Educação Executiva Continuada”

Proposta de Cotas na Pós-Graduação

Escolaridade da População Ocupada 2010

Grupos Étnicos no IE e na UNICAMP

Um debate importante sobre a sociedade brasileira que desejamos iniciou-se agora com a reinvindicação de política afirmativa de cotas seja expandida também para a pós-graduação. Dada sua importância social, não devemos reduzi-lo a uma querela entre “elitistas de direita” e “populistas de esquerda”.

De acordo com o GEMAA (Grupo de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa), as ações afirmativas são “políticas focais que alocam recursos em benefício de pessoas pertencentes a grupos discriminados e vitimados pela exclusão socioeconômica no passado ou no presente. Trata-se de medidas que têm como objetivo combater discriminações étnicas, raciais, religiosas, de gênero ou de casta, aumentando a participação de minorias no processo político, no acesso a educação, saúde, emprego, bens materiais, redes de proteção social e/ou reconhecimento cultural”.

A discussão diz respeito à implementação de reserva de vagas para negros, indígenas e deficientes nos processos de seleção da Pós-Graduação do Instituto de Economia da Unicamp. Esta proposta defende também políticas de acompanhamento, como direito às bolsas estudantis e ao auxílio moradia. Continue reading “Proposta de Cotas na Pós-Graduação”

Da Linha Mestra À Estrutura da Apresentação

Obs.: legenda em português em configurações no canto à direita.

Chris Anderson, no livro “TED Talks: O guia oficial do TED para falar em público”, examina esta palavra: “estrutura”. Ela é crucial. Diferentes palestras podem ter diferentes estruturas ligadas à linha mestra central.

  1. Uma palestra pode começar com uma introdução ao problema em que o palestrante está trabalhando e contar uma história que o ilustre.
  2. Pode então passar para algumas tentativas históricas de solucionar o problema e dar dois exemplos que acabaram fracassando.
  3. Pode avançar com a solução proposta pelo palestrante, incluindo um fato novo e eloquente que sustente sua ideia.
  4. E pode terminar com três implicações para o futuro.

Imagine a estrutura da palestra como uma árvore. Há uma linha mestra central, que sobe verticalmente e na qual os galhos representam expansões da narrativa principal:

  1. um perto da base para a história de abertura;
  2. dois um pouco acima, na seção de história, para os exemplos fracassados;
  3. um para a solução proposta, que destaque o fato novo; e
  4. três no alto, ilustrando as implicações para o futuro.

Continue reading “Da Linha Mestra À Estrutura da Apresentação”

Era Social-Desenvolvimentista: Formação de Doutores em Escala Nacional

Mapa dos Doutores

Lígia Guimarães (Valor, 05/07/16) informa que o número de doutores e mestres no Brasil cresceu expressiva e consistentemente nas últimas décadas, mas ainda está abaixo da média mundial. Os doutores brasileiros ficaram mais jovens, em torno dos 37 anos de idade, o que é boa notícia; eles chegam mais cedo ao mercado de trabalho e têm vida produtiva mais longa.

Houve também uma descentralização geográfica na formação dos pesquisadores: a região Sudeste deixou de ser a única formadora de mestres e doutores do Brasil, graças à expansão de centros acadêmicos pelo interior no país. Em 2014, o Brasil formou 50,2 mil mestres e 16,7 mil doutores, mais que em 2010, ano em que titulou 39,5 mil mestres e 11,3 mil doutores. Na comparação com 1996, o crescimento impressiona: a expansão de títulos concedidos em mestrado e doutorado entre 1996 e 2014 foi, respectivamente, de 379% e 486%.

Os dados integram um estudo inédito do Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE) que divulgado em Porto Seguro (BA), durante a 68a Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC). A pesquisa cruzou as bases de dados da Rais/MTE, Coleta Capes e Plataforma Sucupira/Capes.

Continue reading “Era Social-Desenvolvimentista: Formação de Doutores em Escala Nacional”

Jeito Certo e Jeito Errado de Palestrar

Obs.: legenda em português em configurações no canto à direita.

Chris Anderson, no livro “TED Talks: O guia oficial do TED para falar em público”, afirma que “o jeito errado de condensar sua palestra é incluir todos os fatos que você acha que precisa dizer e, depois, reduzir o tempo dedicado a cada um”.

Curiosamente, é bem possível que você consiga criar um roteiro que produza esse resultado. Todos os pontos importantes que você deseja cobrir estão lá, de forma sucinta. O trabalho foi apresentado em toda a sua extensão!

Você pode até achar que há uma linha mestra ligando todos os aspectos, uma ampla fundamentação do trabalho. Você pode ter a impressão de que deu a essa preparação o melhor de si e fez o possível para se ajustar ao tempo concedido.

Entretanto, uma linha mestra que ligue muitos conceitos não funciona. Há uma consequência grave quando você passa muito depressa por diversos assuntos: eles não causam impacto. Continue reading “Jeito Certo e Jeito Errado de Palestrar”

Era Social-Desenvolvimentista: Massificação do Ensino

Kroton mais EstácioFusão Kroton-EstácioEnsino Privado

Um dos maiores grupos de ensino superior do mundo, a Kroton promoveu sua fusão com a Estácio, o que cria uma companhia com valor de mercado de mais de R$ 22 bilhões e 1,6 milhão de alunos, que corresponde a 23,5% do setor de ensino superior privado brasileiro.

A investida da Kroton é justificada pelo momento em que vive o setor de educação. Com a recessão e a redução do programa de crédito estudantil do governo (Fies), as aquisições e fusões voltaram ao interesse das grandes companhias como caminho para ganhar mercado, uma vez que o crescimento orgânico é restrito no atual cenário de desemprego. Além disso, a oportunidade explorada pela Kroton – que é forte geradora de caixa – aumentou porque as ações Estácio se desvalorizaram muito do ano passado para cá.

Graziella Valenti e Beth Koike (Valor, 04/07/16) informa que, aos 40 anos, sendo seis deles à frente da Kroton, Rodrigo Galindo é um executivo com uma clara preferência por aquisições com potencial para transformar a companhia e nunca escondeu seu gosto por negócios marcados pela pressão. Ainda, assim, causou surpresa quando anunciou sua intenção de incorporar a segunda maior companhia de ensino superior do país, a Estácio.

A surpresa tem suas razões. Há três anos, Galindo liderou uma fusão com a Anhanguera que, na época, também ocupava a vice-liderança do setor. Foi um processo longo, de quase um ano no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), e que por diversas vezes correu o risco de não sair do papel. A autarquia aprovou com a operação com restrições e a integração das duas companhias foi concluída em 2015, no auge da crise do Fies, o programa de financiamento estudantil reduzido pela metade pelo governo.

Continue reading “Era Social-Desenvolvimentista: Massificação do Ensino”