Eleições 2022: Educação na Encruzilhada

A oportunidade trazida pela transição demográfica no país, com redução do contingente de crianças e jovens, é um dos eixos centrais de um estudo enviado às equipes dos candidatos à Presidência da República e aos governos estaduais de todo o país com propostas para a educação. O trabalho argumenta que a mudança na composição etária da população abre espaço para que, com os mesmos recursos, seja possível fazer mais pela qualidade do ensino básico no país (inclui da pré-escola ao ensino médio).

A ideia é investir mais em gestão e eficiência para garantir um salto no ensino, especialmente com nova política de atração e treinamento de professores, sem necessidade de mais dinheiro. Entre especialistas, no entanto, não há consenso. Há quem defenda que ainda assim é preciso ampliar orçamento para permitir melhores alcance e qualidade da educação.

Com mais de 70 páginas, o documento “Eleições 2022: a educação na encruzilhada” foi encomendado pelo Instituto Alfa e Beto à consultoria IDados, do mesmo grupo, e defende que a nova estrutura etária reduz a pressão por demanda de vagas. O estudo cita dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) de redução do número de matrículas.

Continuar a ler

Ensino Privado e Mal Pago

Após dois anos de pandemia, as faculdades voltaram a registrar, neste primeiro semestre de 2022, aumento de novas matrículas nos cursos presenciais – modalidade que perdeu cerca de 700 mil alunos entre 2020 e 2021. Os percentuais de crescimento variam entre as instituições de ensino, com casos de expansão de até 35%. No entanto, ainda há muita dificuldade para reajustar o valor da mensalidade, com muitas faculdades reduzindo o preço, diante do atual cenário de inflação alta e desemprego.

O valor médio das mensalidades em São Paulo, maior mercado de ensino superior do país, está em R$ 814,90 o que representa uma queda de 19% quando comparado a 2021, segundo pesquisa do Instituto Semesp.

“Captamos bem, conseguimos manter a base de alunos no presencial. Mas não há margem para crescimento de tíquete. A pandemia deixou um legado de dívidas e desemprego”, disse Arthur Sperandéo de Macedo, CEO da FMU, centro universitário controlado pela gestora Faralllon.

Segundo Celso Niskier, presidente da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (Abmes) e da Unicarioca, as instituições de ensino que voltaram a ofertar aulas presenciais mais cedo, conseguiram melhor captação, com aumento de até 30%. “Estamos num momento de retomada e o desempenho varia também conforme a praça. No Rio, a captação cresceu menos. Ainda temos guerra de preços”, disse Niskier. Em sua instituição de ensino, a Unicarioca, o volume de ingressantes da graduação presencial subiu 10% e o valor médio da mensalidades caiu na mesma proporção.

Levantamento da consultoria Educa Insights com 20 grandes faculdades, mostra crescimento de 30% a 35% no número de calouros no semestre, em relação ao primeiro semestre de 2021, mas ainda com valor de mensalidade menor. O tíquete médio nacional dos cursos presenciais é de R$ 750.

Continuar a ler

Evasão no Ensino Superior

Há progressos relevantes, mas localizados. A qualidade geral do ensino no Brasil continua baixa e o atraso e o abandono são a regra.

Nos últimos 40 anos, o produto por trabalhador no Brasil cresceu somente 0,5% ao ano, valor em torno de um terço do observado em países que já eram ricos em 1980. Comparativamente ao mundo desenvolvido, o Brasil retrocedeu. O pior é que os principais determinantes do desenvolvimento econômico – educação e eficiência produtiva – avançaram pouco, quando não retrocederam no passado recente.

A figura – construída a partir da base de dados Barro-Lee – mostra a evolução da educação primária e superior no Brasil e Coreia do Sul da população entre 30 e 34 anos, uma amostra da força de trabalho. Em 1950, a proporção de pessoas nessa faixa etária com no máximo educação primária era semelhante nos dois países, 94% do total. Já a parcela com alguma educação superior era ínfima em ambos países, cerca de 1%. Em suma, Brasil e Coreia apresentavam o mesmo quadro educacional muito ruim.

A evolução até o presente, entretanto, foi muito diferente. Em 2010, menos de 0,5% dos coreanos entre 30 e 34 anos não haviam completado o equivalente ao Ensino Fundamental, mas no Brasil essa cifra ainda era muito alta: 36,4%. Quanto ao ensino superior, cerca de 70% dos coreanos entre 30 e 34 anos o possuíam, enquanto somente 13,5% dos brasileiros haviam chegado à universidade.

Alunos do ensino superior na rede privada que não contam com financiamento estudantil têm mais probabilidade de abandonar os estudos. A evasão de estudantes de universidades particulares sem financiamento chega a 60%, dez pontos percentuais a mais do que dentre alunos que têm financiamento ou que estudam na rede pública.

Continuar a ler

Devemos nos livrar do artigo científico impresso? Como formato, é lento, incentiva a fraude — e é avaliado com parcialidade. Uma revisão radical da publicação pode tornar a Ciência melhor.

Stuart Ritchie (The Guardian, 11 Apr 2022 ) publicou a importante matéria abaixo.

Quando foi a última vez que você viu um artigo científico? Um impresso, quero dizer.

Um acadêmico mais velho em meu departamento anterior da universidade costumava manter todos os seus periódicos científicos em caixas de flocos de milho reciclados. Ao entrar em seu escritório, você seria recebido por uma parede de galos de Kellogg, ocupando prateleira após prateleira, em pacotes contendo várias edições do Journal of Experimental Psychology, Psychophysiology, Journal of Neuropsychology e similares.

Era uma visão estranha, mas havia um método: se você não mantivesse seus arquivos organizados, como poderia esperar encontrar o artigo específico que procurava?

O tempo das caixas de flocos de milho já passou: agora temos a internet. Tendo sido impressa em papel desde quando a primeira revista científica foi inaugurada em 1665, a esmagadora maioria das pesquisas agora é submetida, revisada e lida online.

Durante a pandemia, muitas vezes foi lido nas redes sociais uma parte essencial do desenrolar da história do Covid-19. As cópias impressas dos periódicos são cada vez mais vistas como curiosidades – ou não são vistas.

Continuar a ler

Ensino Superior: Quantidade X Qualidade

Quatro das dez ocupações que mais empregam jovens no país têm baixa exigência de escolaridade, de apenas o ensino fundamental incompleto. A conta considera o número de jovens em relação ao total de trabalhadores em determinada atividade.

Situação semelhante é observada também entre as ocupações com maior número absoluto de trabalhadores entre 15 e 29 anos: quatro entre as dez primeiras têm ensino fundamental incompleto como escolaridade mais frequente. As informações são de levantamento feito pela consultoria IDados para Lucianne Carneiro (Valor, 26/04/22) a partir de microdados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua referentes ao quarto trimestre de 2021, os mais recentes para o indicador.

Entre essas atividades estão, por exemplo, condutores de bicicleta, trabalhadores de centrais de atendimento e de serviços domésticos em geral e trabalhadores elementares da construção de edifícios.

O retrato coincide com momento em que há um avanço no grau de escolaridade dos jovens brasileiros. Para se ter uma ideia, 14,9% dos trabalhadores entre 15 e 29 anos têm o ensino superior completo, sendo que apenas parte deles teria idade para tal.

Somando-se os 12% de quem tem a formação incompleta, a parcela do ensino superior ultrapassa um quarto dos trabalhadores dessa faixa etária (26,9%). Além disso, são 42,9% com ensino médio completo. A fatia dos que têm apenas até o fundamental completo, por outro lado, é bem inferior, de 17,2%.

Horácio Lafer Piva, Pedro Passos e Pedro Wongtschowski são empresários. Publicaram artigo (Valor, 22/04/22) onde tecem críticas ao desmantelamento do Ensino Superior brasileiro, promovido pelo atual desgoverno.

Inspirados na famosa frase de Georges Clemenceau de 1887 (“La Guerre! C’est une chose trop grave pour la confier à des militaires”), podemos dizer que o ensino superior brasileiro é importante demais para ser deixado exclusivamente por conta dos nossos educadores. É uma questão para toda a sociedade brasileira.

[Ora, quais “educadores” foram ministros da Educação no atual desgoverno?! A casta dos militares no comando do Estado brasileiro desmantelaram a formação da casta dos sábios-intelectuais, da qual têm ódio, porque são recalcados e incultos.]

Vejamos o que indicam as estatísticas mais recentes disponíveis sobre os cursos de graduação no ensino superior presencial brasileiro (Inep – Censo da Educação Superior 2020), um dos muitos gritos de alerta a favor de uma atenção menos enviesada e dispersa que se dá a este assunto:

Continuar a ler

Falta de Qualificação Técnica: Explicação para Desemprego sob Individualismo Metodológico – não sob Holismo Metodológico

Em um mercado de trabalho em que mais da metade (58,1%) dos jovens entre 18 e 27 anos têm o ensino médio/técnico completo, a inserção desses jovens é parte importante dos esforços para melhorar as perspectivas de uma nova geração. Uma ampla pesquisa realizada com 802 empresas dos setores de indústria, comércio e serviços de todas as regiões do Brasil mostra os desafios para a contratação e a gestão de jovens para cargos de ensino médio/técnico e aponta caminhos para a inclusão deles.

A falta de qualificações técnicas é a principal dificuldade na contratação de cargos de médios/técnicos, apontada por dois terços (66%) dos entrevistados, seguida por falta de comprometimento (29%) e candidatos com pouca experiência (24%). Na hora de escolher entre habilidades técnicas ou socioemocionais na contratação, no entanto, as companhias revelam que preferem contratar um jovem com competência comportamental, mesmo que precise desenvolver a parte técnica (82%) do que quem tenha competência técnica, mas precise desenvolver comportamento e postura (18%).

Os dados são do estudo “Oportunidades e desafios para a inclusão profissional de jovens com ensino técnico: experiências do setor produtivo”, produzido em parceria por Itaú Educação e Trabalho, Fundação Roberto Marinho e Fundação Arymax e desenvolvida pela consultoria Plano CDE.

Continuar a ler

Ganhos com Educação Básica

Um bom desempenho ao longo da trajetória do ensino básico de jovens tem reflexos positivos já a curto prazo (cinco anos) em indicadores sociais, como número de homicídios, de matrículas no ensino superior e no saldo de empregos. A avaliação é resultado de um novo estudo do professor do Insper e da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA/USP) Naercio Menezes Filho, ao lado do aluno de mestrado da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto (FEA-RP/USP) Luciano Salomão. O estudo é financiado pelo Instituto Natura.

Foi criado um índice de qualidade no ensino básico nos municípios, chamado Ideb- Enem (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica-Exame Nacional do Ensino Médio), que leva em consideração dois aspectos: o percentual de alunos matriculados no primeiro ano do ensino fundamental que conseguem concluir o ensino médio no tempo previsto, sem repetência, e fazem o Enem em seguida, de cada cidade, e a nota média desses alunos no exame. A ideia é medir a evolução do aprendizado dos jovens do ensino fundamental ao fim do ensino médio. A partir daí, os pesquisadores correlacionaram a variação do índice entre duas gerações de jovens (com conclusão do ensino médio em 2009 e 2014) com os indicadores de violência, educação e emprego de cinco anos depois de formados.

Continuar a ler

Educação por si só não gera Emprego

Naercio Menezes Filho, professor titular da Cátedra Ruth Cardoso no Insper, professor associado da FEA-USP e membro da Academia Brasileira de Ciências (naercioamf@insper.edu.br). Ele (Valor,18/03/22) argumenta os impactos da Educação vão muito além de maiores salários, diminuem os homicídios sofridos e cometidos pelos jovens. Porém, sob o ponto de vista macroeconômico, não geram novos empregos. Estes são gerados mais por investimentos produtivos dos capitalistas.

Muitos municípios brasileiros sofrem com os altos índices de desemprego e de criminalidade dos seus jovens. Em que medida esses indicadores são resultados da baixa efetividade da educação básica? Será que uma educação de qualidade consegue realmente mudar a vida dos jovens? Em que medida os municípios que entregam jovens bem-preparados para a sociedade conseguem reduzir o crime, criar mais empregos com carteira assinada e aumentar as matrículas no ensino superior como consequência?

Para responder essas questões, em artigo recente nós criamos um novo indicador de qualidade da educação básica e investigamos seus efeitos sobre estes indicadores sociais1. Nosso índice mede quanto cada município contribui para a progressão e o aprendizado dos jovens no seu sistema escolar, desde o primeiro ano do ensino fundamental até o final do ensino médio. Esse indicador tem dois componentes. O primeiro é dado pelo número de alunos que completam o ensino médio e fazem o Enem, entre todos os que entraram na escola 10 anos antes. O segundo é a nota média que esses alunos tiram nas provas do Enem.

Continuar a ler

Assédio Estrangeiro por Profissionais de TI e Ciências dos Dados

Bárbara Bigarelli (Valor, 03/03/22) publicou reportagem oportuna para a elaboração de estratégias profissionais para jovens na hora de escolha de aprendizagem e profissão.

No fim de janeiro, um gerente de projetos de uma consultoria de tecnologia de Teresina (PI) viralizou no Twitter ao contar que perdeu dois funcionários para empresas estrangeiras. “Ambos são jovens, um aliás tem 23 anos, vão ganhar de R$ 30 mil a R$ 45 mil, contando a conversão do dólar, trabalhando em home office – em Belém (PA) e Sete Lagoas (MG)”.

Desde outubro, cinco profissionais de sua empresa, a maioria desenvolvedores, aceitaram propostas semelhantes. “Nós pagamos salário competitivo, de R$ 13 mil a R$ 15 mil para seniores, oferecemos flexibilidade e benefícios, mas enquanto o real estiver desvalorizado assim, não vejo como empresas brasileiras reterem esses talentos.”

Recrutadores e diretores de tecnologia confirmam esse assédio estrangeiro, intensificado em 2021 com a consolidação do modelo de trabalho remoto. Tem muitos clientes americanos e europeus procurando para contratar profissionais aqui no Brasil, de forma remota, e esta tendência não deve diminuir.

O trabalho remoto ampliado na pandemia abriu as portas para a internacionalização desses profissionais e o avanço da digitalização em negócios do mundo todo causou uma demanda desenfreada. O perfil mais demandado é o de desenvolvedor sênior – com bom nível de comunicação em inglês, ao menos cinco anos de experiência e capacidade de trabalhar remotamente com autonomia.

Continuar a ler

Necessidade de Reforma do Ensino Médio

João Batista Araujo e Oliveira é presidente do Instituto Alfa e Beto. Critica (Valor, 24/11/21): “os responsáveis por decisões sobre políticas do Ensino Médio creem sua função principal ser preparar para o vestibular — e o resto é resto”.

O Enem sempre mobiliza a mídia. É uma das poucas arenas em que a ação do governo na educação afeta a vida da classe média. Neste momento, temos duas crises. A primeira é passageira: a crise institucional que levou a um pedido de demissão em massa dos funcionários do Inep, órgão do MEC responsável pelo Enem. A segunda é estrutural: o futuro do Enem, que tem tudo a ver com o futuro do ensino médio. Sobre isso há notícias no front. E talvez não sejam boas.

O ensino médio é um problema. Para a economia, para o sistema educacional, para os alunos. O desempenho da maioria deles é baixíssimo. Os ganhos de aprendizagem nas escolas públicas ao longo dos três anos do ensino médio são irrisórios. O nível de deserção, elevadíssimo. Cerca de 20% dos alunos estão matriculados em cursos noturnos de eficácia duvidosa. Menos de 9% dos alunos estão em cursos profissionalizantes.

Continuar a ler

Dicas de Edição Digital

Edição de texto, artigo ou livro, para leitura em tablete (iPad), se torna cada vez mais comum. Com a experiência de ter editado cerca de 60 livros digitais de própria autoria ou de traduções, tomo a liberdade de sistematizar meu método de trabalho em edição com o sentido de o compartilhar. Talvez possa ser útil para meus colegas ou alunos, senão para os leitores em geral.

Vou fazê-lo de maneira esquemática, justamente, para levar em conta o objetivo número 1facilitar a leitura digital, distinta da realizada em impressos, porque não dever haver “economia de papel”. Quanto mais espaçoso e sistemático o formato do texto, mais facilitada será a leitura sem a aglomeração da diagramação tradicional.

Vamos na ordem do passo-a-passo.

Continuar a ler

Brasil: Atrasado Também em Talentos Humanos

Stela Campos (Valor, 20/10/21) informa: o Brasil ficou na 75a. posição entre 134 países no ranking de competitividade global de talentos 2021 realizado pela escola de negócios francesa Insead. Embora tenha melhorado sua colocação em relação ao ano passado, estando mais próximo do grupo que está progredindo, o país ainda ficou agrupado com os mais atrasados em relação à formação, atração e retenção de profissionais. Também pudera, com eleitores capazes de terem eleito um incapaz, ignorante e corporativista militar — e atuante apenas em defesa de sua família — para o presidir…

Enquanto China, Rússia, Costa Rica e Malásia subiram ao grupo dos campeões, onde estão os países mais desenvolvidos e que reúnem os profissionais mais preparados para os desafios globais.

Na liderança estão Suíça, Cingapura e Estados Unidos. Entre os 25 primeiros deste ano estão 17 países europeus. O destaque latino-americano foi o Chile, que chegou a 33a. posição no ranking global e liderou o da América Latina, onde o Brasil ficou na 9a posição.

Esta é a oitava edição do Índice de Competitividade Global de Talentos (GTCI), um amplo levantamento realizado pela escola de negócios francesa, que em 2021 teve como parceiro o Instituto Portulans e a consultoria Accenture. A cada ano o levantamento aborda um tema específico e desta vez o foco foi o impacto da pandemia no mercado de trabalho, na formação e mobilidade dos profissionais.

Continuar a ler