Concurso para Professor Titular da UNICAMP

Conceição

Prezados Seguidores,

hoje é um dia especial para mim. Estarei prestando o Concurso para Professor-Titular da UNICAMP. Simboliza, caso eu seja aprovado, atingir o topo da carreira acadêmica.

A banca julgadora será composta pelos seguintes membros:

MCT - desenhoMaria da Conceição Tavares (IE-UNICAMP/IE-UFRJ): é uma das economistas de maior influência sobre o pensamento econômico brasileiro desde os anos 60, em especial o heterodoxo. Após estudar Matemática em Lisboa, veio para o Brasil onde se formou economista pela então Universidade do Brasil, hoje UFRJ. Trabalhou na CEPAL e tornou-se professora da UFRJ e, mais tarde, da UNICAMP. Sua carreira acadêmica e sua obra sempre se pautaram por suas convicções éticas e políticas, de defesa de uma sociedade mais justa e solidária.

Seu espírito de luta acabou por levá-la a pleitear uma cadeira na Câmara de Deputados, mandato obtido e exercido de 1995 a 1999, em plena Era Neoliberal. Entretanto, sentiu não ser ali que melhor poderia servir às suas idéias e voltou às lides acadêmicas após esse período. Tornou-se célebre não só pelo vigor de seu pensamento, mas também pela paixão com que defende seus pontos de vista, sempre procurando identificar quais os interesses da grande maioria da população, excluída dos frutos do desenvolvimento, e tomar o seu partido: Partido dos Trabalhadores.

Sua obra é bastante diversificada: escreveu artigos e livros influentes, tanto no campo teórico quanto acerca de aspectos variados da economia brasileira. Seu primeiro trabalho clássico foi “Auge e declínio do processo de substituição de importações no Brasil“. Neste artigo já estavam presentes as questões que priorizaria mais adiante com a compreensão da dinâmica própria de economias como as latino-americanas, em particular a brasileira: como se inserem essas economias no mercado internacional, como evolui sua distribuição de renda, como se dá o progresso técnico, como é possível financiar o investimento e o consumo, superando a precariedade dos sistemas financeiros locais, foram alguns dos problemas para cujo equacionamento procurou contribuir. Uma preocupação fundamental, característica de seu pensamento, já estava aí presente: a assimetria de poder existente entre as diversas economias.

Esses problemas nortearam sua luta intelectual em defesa dos interesses dos excluídos e explorados. Profundamente interligados, tais problemas foram tratados tanto teórica quanto historicamente.

ana_celia_castroAna Célia Castro: Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1972), mestrado em Ciência Econômica pela Universidade Estadual de Campinas (1976), doutorado em Ciência Econômica pela Universidade Estadual de Campinas (1988) e pos-doutorado na USP e na Universidade da Califórnia, Berkeley (1999-2000). Atualmente é professora titular da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Tem experiência na área de Economia, com ênfase em Economia Institucional, atuando principalmente nos seguintes temas: sistema agroindustrial, tendências tecnológicas, inovação, competitividade e propriedade intelectual. É coordenadora do Programa de Pós-graduação em Políticas Públicas, Estratégias e Desenvolvimento (Instituto de Economia da UFJR www.ie.ufrj.br ewww.ideiad.com.br/pped), vice-coordenadora do INCT-PPED (Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Políticas Públicas, Estratégias e Desenvolvimento http://inctppedreport.ie.ufrj.br/) e coordenadora de MINDS (Multidisciplinary Institute on Development and Strategies) www.minds.org.br.

João Antônio de Paula: Professor titular do Departamento de Ciências Econômicas da UFMG. Graduado em Ciências Econômicas por essa universidade (1973), é mestre em Economia pela Unicamp (1977) e doutor em História pela USP (1988). É autor de mais de uma centena de artigos, em publicações acadêmicas, e capítulos de livros. Somam mais de uma vintena os livros que publicou e organizou. Tem mantido constante colaboração em revistas de divulgação científica e participação em conferências, congressos e seminários. Tem pesquisado e publicado em várias áreas das Ciências Sociais: Economia Política, História Econômica, História das Ideias, História das Cidades, Meio Ambiente. Publicou Raízes da modernidade em Minas Gerais (2000); A economia política da mudança: os desafios e os equívocos do início do governo Lula (2003); Adeus ao desenvolvimento. A opção do governo Lula (2005); O Ensaio Geral: Marx e a crítica da economia política (2010).

Luiz Fernando de PaulaLuiz Fernando de Paula: Professor titular da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (FCE/UERJ) e pesquisador nível 1 do CNPq. Ex-presidente da Associação Keynesiana Brasileira (AKB). É autor do livro “Financial Liberalization and Economic Performance: Brazil at the Crossroads” (Routledge) e coautor do livro “Economia Monetária e Financeira: Teoria e Política” (Campus/Elsevier). Publicou vários artigos acadêmicos na área de Economia Bancária, Macroeconomia e Economia Internacional.

 

claudio dedecca

Cláudio Salvadori Dedecca: Professor titular do Instituto de Economia da Unicamp com especialização na área de economia social e do trabalho. Atualmente é membro titular da Comissão de Avaliação e Desenvolvimento Institucional – CADI da Unicamp e da Congregação do Instituto de Economia. Ex-presidente da Associação Brasileira de Estudos do Trabalho. Atua como professor e pesquisador visitante de universidades e instituições de pesquisa internacionais. Assessora instituições de pesquisa e desenvolvimento nacionais e estrangeiras, e participa de grupos interdisciplinares e interinstitucionais de pesquisa.

Em minha prova didática, darei a seguinte aula, quando tentarei demonstrar meu didatismo “como fosse para uma turma de alunos da Graduação”:

Prova Didática no Concurso para Titular – Mercado Bancário 020315

Antes de responder à arguição da banca julgadora, farei um resumo, para a platéia, dos temas em debate:

Apresentação do Memorial Acadêmico

Pelo calendário oficial, a Prova de Títulos será às 09:30 h, a Prova Didática (aula) será às 11:00 h e a Arguição será às 14:00 h. Serão na sala 23 do Pavilhão da Pós-Graduação. Se a audiência for muito grande, passaremos para o Auditório do IE-UNICAMP.

Todos estão convidados, pois a Prova Didática e a Arguição são públicas. Jogar no próprio campo, com torcida a favor, ajuda a sair do banco (de reservas) e virar titular!

PS: à noite a Professora Maria da Conceição Tavares será homenageada com um jantar, promovido pelo IE-UNICAMP, em reconhecimento à sua extraordinária carreira acadêmica e política.

Abuso Infantil: Doutrinação de Crianças Em Qualquer Religião

Criacionismo CristãoDarwinismoEvolucionismo Teísta

Os desenhos acima (Élder Galvão) em matéria de Reinaldo José Lopes (Folhinha, 18/10/14), dirigida às crianças , são tolerantes com o multiculturalismo. No entanto, deveria alertar que os criacionistas, quando não os católicos, são comumente intolerantes com os cientistas ateus.

“Não é o bastante ver que um jardim é bonito sem ter que acreditar também que há fadas escondidas nele?” (epígrafe de Richard Dawkins em “Deus, um Delirio”).

Neste livro, Richard Dawkins, um dos intelectuais mais respeitados da atualidade, escreveu um texto sarcástico para atacar com muito fundamento o que considera um dos grandes equívocos da humanidade: a fé em qualquer entidade divina ou sobrenatural, seja Alá, seja o Deus católico, evangélico ou judeu.

“Se este livro funcionar do modo como espero, os leitores religiosos que o abrirem serão ateus quando o terminarem” , diz ele no prefácio — não sem reconhecer sua presunção. Dawkins admite que dificilmente convencerá os fiéis recalcados, mas quer, pelo menos, atingir aqueles que creem por inércia e fazê-los assumir o ateísmo com orgulho. Ele quer mudar o mundo, pois acha de modo científico que “outro mundo é possível”!

Para tal, o biólogo usa argumentos muito bem embasados para questionar a tese do design inteligente e a própria existência de Deus, sugerindo hipóteses darwinistas para nossa predisposição psicológica a acreditar em uma entidade divina. Por causa disso, Dawkins faz um apelo racional contra a doutrinação de crianças em qualquer religião. Para ele, o simples fato de dizermos “criança católica” ou “criança judia” é uma forma de abuso infantil, comparável até ao abuso sexual, tão absurdo como falar de “criança neoliberal”. Continuar a ler

Universidades Federais Durante os 8 Anos de Governo do PSDB

Evolução da matrículas, ingressantes e concluintes no Ensino Superior

grafico-concessão-de-bolsas-de-pós

De 2002 a 2012, o número de ingressantes nas Universidades cresceu 91,9%, o número de concluintes cresceu 124,5%, atingindo 1.050.413 formandos. Os matriculados na graduação dobraram, passando de 3,5 milhões em 2002 para 7 milhões! Antes, durante os governos FHC (1995-2002) as universidades federais brasileiras foram sucateadas e sofreram um esfacelamento geral. Vejamos alguns indicadores:

1) Contratação de novos professores: Durante 5 anos (1997-2001) foram proibidas quaisquer contratações de professores, ao mesmo tempo que mudanças nas leis sobre as IFES levaram a uma enorme quantidade de pedidos de aposentadorias precoces;

2) Vagas: ao longo dos 8 anos do governo FHC não houve qualquer expansão de vagas nas universidades públicas federais, fazendo com que a escala social de acesso ao ensino público e gratuito se verticalizasse cada vez mais;

3) Novas universidades: durante os 8 anos não foi criada nenhuma nova universidade federal;

4) Novos campi: o número de campi federais se manteve inalterado ao longo dos 8 anos de governo FHC;

5) Orçamento: durante todo o governo FHC ocorreram cortes sequenciais de verbas orçamentários, tanto para infraestrutura como para as atividades de ensino, pesquisa e extensão;

6) Salários de professores: por mais de 5 anos os salários dos docentes das IFES ficaram congelados levando a perdas salariais significativas para o conjunto da categoria, obrigando a mesma a desencadear greves em praticamente todos os anos do Governo FHC;

7) Programas de qualificação docente: restrição enorme de bolsas para programação de doutorado e de pós-doutorado visando qualificar melhor a mão-de-obra docente;

8) Bolsas aos estudantes de pós-graduação: restrição enorme de bolsas de estudos, mantendo-se, inclusive, os valores congelados por muitos anos;

9) Bolsas aos estudantes de graduação: restrição enorme de bolsas para estudantes de graduação, especial nas áreas de iniciação científica e de extensão;

10) Programa internacionais de intercâmbio para os estudantes de graduação: nenhuma ação para este segmento estudantil foi implementada ao longo de 8 anos. Ao contrário, até mesmo as poucas bolsas existentes foram reduzidas.

11) Técnico Administrativos em Educação: restrição sequencial de contratações de novos servidores com implicação negativa sobre o funcionamento das universidades;

12) Salários do TAEs: arrocho salarial durante todo período com perdas salariais ao longo dos dois mandatos do governo FHC;

13) Expansão do ensino superior privado: uma política clara de opção pelo ensino superior privado no país, inclusive com o ministro da Educação virando consultor das instituições privadas de ensino superior e do próprio Banco Mundial.

Então, estudantes universitários que desejam a continuidade do ProUni-FIES-Ciência Sem Fronteira: vote em Dilma no segundo turno!

Dicas de Ensino: Formação Multidisciplinar

WolframMathematicaVirtualConference

O amigo virtual deste modesto blog, Reinaldo Christo, cientista ateísta militante (ver link para seu blog destacado na coluna ao lado), a próposito de todos os comentários sobre a formação doutrinária, seja ortodoxa, seja heterodoxa, principalmente enviados por parte de estudantes do IE-Unicamp que “acham a grama do vizinho mais verde”, ele pode observar que “a visão dos estudantes de Economia depende da instituição em que estuda”. E, eu acrescento, ela sofre do viés heurístico de autovalidação ou validação ilusória.

Há diversas Escolas de Pensamento Econômico e conflitos de interesses no tratamento de seus objetos de pesquisa e ensino. Não há instituição perfeita ou completa. As Faculdades e Universidades podem somente dar uma formação básica sobre certos temas, indicando um caminho a seguir. A etimologia do verbo “conhecer” é “procurar saber, tomar conhecimento de, reconhecer”. Ensinar é “dar uma senha” para o aluno “aprender a conhecer”.  Se ele “aprender a aprender”, vai longe como autodidata! Continuar a ler

Carta Aberta do Instituto de Economia da UNICAMP

cropped-unicamp_entrada-i.jpgA propósito dos agressivos ataques dos gurus econômicos da Marina (ler em Debate Tacanho e Fundamentalismo do Livre-Mercado + Fundamentalismo Religioso = Deus nos Acuda!) ao IE-UNICAMP — isso sem falar na desqualificação ignorante lançada ao Celso Furtado –, a resposta institucional é sóbria. Por eles serem persona non grata, isto é, “pessoas não bem-vindas”, essa resposta representa um “tapa-de-luva”: demonstra seus erros de avaliação e com educação e elegância possibilita eles reverem seus conceitos. Reproduzo abaixo a carta-aberta do IE-UNICAMP.

O Instituto de Economia da Unicamp vem a público reiterar seu compromisso com o Desenvolvimento Econômico e Social do Brasil. Defendemos e exercitamos a qualidade e pluralidade do debate acadêmico e político e refutamos todas as agressões infundadas e levianas à nossa instituição por motivações ideológicas, partidárias e eleitorais. Continuar a ler

Mais um prêmio recebido por um ex-aluno!

Prêmio

Meu ex-aluno Rodolfo Buscarini foi laureado com o Prêmio Plínio Cantanhede, do Instituto Brasileiro do Petróleo (IBP), de melhor artigo por eles publicado entre 2012 e 2014. Este paper foi escrito em parceria com o seu amigo matemático Igor Gimenes Cesca e seu título é “Análise do Impacto dos Veículos Flex-Fuel na Formação e Regulação de Preços de Combustíveis Veiculares no Brasil”. Ele foi apresentado no Rio Oil&Gas 2012, congresso mais importante desta área na América Latina. Segue o artigo premiado:

ANÁLISE DO IMPACTO DOS VEÍCULOS FLEX-FUEL NA FORMAÇÃO E REGULAÇÃO DE PREÇOS DE COMBUSTÍVEIS VEICULARES NO BRASIL Continuar a ler

Guia de Frases Acadêmicas

bla_bla_blaCaro Fernando,

Parabéns pelo site. Tenho uma dica que acredito que será interessante para os seus leitores. Trata-se do Guia de Frases Acadêmicas do bab.la (http://pt.bab.la/dicionario/ingles-portugues/), um portal alemão dedicado ao aprendizado de línguas. Ele traduz termos acadêmicos do português para 19 línguas. O Guia, assim como todo o conteúdo do site, é completamente gratuito. Acredito que ele seria interessante especialmente para quem vai começar um curso universitário no exterior ou um intercâmbio pelo Ciência Sem Fronteiras.

Você pode acessá-lo aqui:
http://pt.bab.la/frases/academico/introducao/portugues-ingles/

Te convido a dar uma olhada no nosso guia de frases e, caso você acredite que será de interesse para os seus leitores, adicionar o link ao seu site ou escrever uma nota sobre o assunto. Se precisar de algum esclarecimento, por favor não hesite em me contatar. Ficarei aguardando o seu retorno.

Desejando-lhe um ótimo dia!
Laís Clemente
Equipe Bab.la