Precariado do Século XXI

Standing é Ph.D pela Universidade de Cambrigde e pesquisa há décadas como as mudanças estruturais no mercado de trabalho, atreladas à globalização e à revolução tecnológica, constróem um novo grupo social e econômico, o qual ele chama de precariado. O termo, surgido na década de 1980 entre as mudanças do modelo de produção em massa, foi ressignificado em 2011, quando Standing lançou “O Precariado – A nova classe perigosa” – que ganhou edição brasileira pela editora Grupo Autêntica, em 2013. Leia mais sobre na entrevista completa com o economista britânico. Continuar a ler

Métodos de Análise Econômica V – 2019

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

Instituto de Economia

CE-542 – MÉTODOS DE ANÁLISE ECONÔMICA V

2º semestre de 2019

Prof. Dr. Fernando Nogueira da Costa

Ementa: Métodos e instrumentos de análise de conjuntura econômica. Análise das políticas socioeconômicas e formas de intervenção governamental para regulação de economia de mercado. Separação em Microeconomia (decisões dos agentes econômicos) e Macroeconomia (resultante sistêmica dessas diversas decisões). Reintegração da Economia como um dos componentes interativos de um Sistema Complexo. Transição da formação de profissionais especialistas para a de generalistas. Retomada da metodologia interdisciplinar em direção à metodologia transdisciplinar.

Horário: segunda-feira e quarta-feira no mesmo horário (10:00-12:00) – Sala IE-07

Programa:

Continuar a ler

Respostas Políticas às novas Formas de Trabalho com Desemprego Tecnológico

Ana Conceição (Valor, 25/07/19) informa: enquanto a tecnologia cria novas relações de trabalho, muitas vezes informais, e ameaça deixar muita gente sem emprego, alguns países começam a avaliar que tipo de política pública pode ser adotada para realocar trabalhadores ou simplesmente proporcionar uma renda mais estável à população. As ideias vão da adoção de uma renda mínima à extensão de benefícios sociais para quem não tem emprego formal. No Brasil, onde já existe uma espécie de renda básica, especialistas apontam para a necessidade de mudanças no sistema de ensino de jovens e requalificação de adultos.

Recentemente, a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) enviou questionários aos países que fazem parte do grupo perguntando que medidas estão sendo estudadas ou implementadas, tendo em vista o avanço da tecnologia sobre o mercado de trabalho e as mudanças demográficas. As respostas foram reunidas no relatório “Respostas Políticas às novas Formas de Trabalho“, lançado neste ano. Segundo a OCDE, medidas de proteção social têm de ser adaptadas à nova ordem, especialmente porque o trabalho por conta própria, em tempo parcial e intermitente está aumentando no mundo. Além disso, muitos adultos no bloco – 6 em cada 10 – não têm as habilidades tecnológicas necessárias para esse novo mercado.

As medidas mais comuns citadas são a extensão do seguro-desemprego a trabalhadores por conta própria e informais, a melhora no acesso de intermitentes e autônomos a benefícios, como auxílio-maternidade e seguro saúde. Em um dos casos, na Estônia, foi citada a implantação de um sistema de saúde universal, como o SUS brasileiro. Projetos de renda básica são escassos e a maioria se limita a regiões específicas e não a países. O caso mais rumoroso, o da Finlândia, foi deixado de lado após dois anos de testes. Mas essa iniciativa tem defensores ilustres como Elon Musk, CEO da Tesla, e o prêmio Nobel de Economia Angus Deaton.

Esse tipo de programa pode diminuir os impactos sociais e econômicos da diminuição drástica de postos de trabalho, com recursos vindo, por exemplo, da tributação da automatização nas empresas, afirma Herbert Kimura, pesquisador do Laboratório de Aprendizado de Máquina em Finanças e Organizações (Lamfo), da UnB. Mas como o impacto real da automação ainda é uma incógnita, é difícil avaliar se de fato as iniciativas de políticas públicas serão efetivas no médio e longo prazo. “Os governos têm de realmente colocar como prioritária a discussão da automação, dados os impactos sociais desconhecidos que, no entanto, podem ser profundos”, afirma Kimura.

Nem todo mundo vai ser aproveitado pelo mercado de trabalho, em especial os trabalhadores mais velhos. Neste caso, é preciso haver políticas como a renda mínima, afirma o economista Sergio Firpo, professor titular do Insper especialista em mercado de trabalho. Ele pondera, contudo, que se um projeto de requalificação de trabalhadores for colocado em prática, talvez o impacto do desemprego não seja tão alto. “Parte dessa mão de obra seria realocada em outras atividades”, diz. Continuar a ler

Luta pelo Teto Salarial Justo em Carreira Profissional baseada em Méritos

O teto salarial do funcionalismo público de São Paulo é, dentre todos os estados da federação, o penúltimo em termos de valores, ficando à frente apenas do Estado do Espírito Santo por R$ 48,59 (confira aqui). Há anos a ADunicamp tem se articulado com outras entidades de representação de servidores na luta pela equiparação do teto aos outros estados da federação.

Em junho de 2018, após muito trabalho de convencimento dos/as deputados/as na ALESP, a mudança do teto salarial pela PEC 05/2016 – deixaria de ser baseado no subsídio do governador e passaria a ter como referência o salário dos desembargadores – foi aprovada, em segundo turno, por 65 votos favoráveis e 4 contrários, vindo à luz a Emenda Constitucional 46/2018.

Após esta vitória, o prefeito de São Bernardo do Campo Orlando Morando (PSDB), do mesmo partido do governador candidato à eleição presidencial em 2022, entrou com uma ação de inconstitucionalidade, ou seja, judicializou a questão. Até então, estava em âmbito político: o menor salário dos governadores é do Estado com a maior arrecadação!

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ/SP) julgou procedente a ação, declarando a inconstitucionalidade da EC 46/2018. Em seguida, o ANDES-SN – por iniciativa da ADunicamp, ADUSP e ADunesp -, assim como a própria ALESP, um partido político e a Associação dos Agentes Fiscais de Renda de São Paulo apresentaram recursos contra a decisão do TJ/SP. Esse processo foi enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF) em 12 de julho último.

Essa situação impede professores com quase 70 anos e carreira meritocrática além de 35 anos se aposentarem, senão rebaixarão mais ainda seus vencimentos!

Site do meu orientador na Dissertação de Mestrado e Tese de Doutorado: Wilson Cano

Apresentação do Professor Wilson Cano no site: https://www.wilsoncano.com.br/

Poderia parecer estranho que, doze anos após me aposentar, e mais recentemente, depois de ter passado por “pesada” cirurgia no pâncreas e por um enfarte, tenha decidido fazer um site pessoal. Não foram essas, contudo, as principais razões de minha decisão.

O principal motivo que me levou a isto é a quase escuridão em que estamos vivendo nestas últimas quatro décadas neste país. Entendamos bem: não se trata de instalar e ligar poderosos holofotes para que as coisas fiquem mais claras! Para isso, precisaríamos de uma enorme quantidade deles, coisa aliás, rara, nos dias atuais.

O que estou aqui tentando fazer, contudo, é acender mais uma “lamparina” nessas trevas! É, modestamente, contribuir com maior acesso ao conhecimento de nossa economia nacional, de seu subdesenvolvimento, da explosiva e má formação de suas   economias urbana e regional e dos crassos erros cometidos em suas políticas púbicas, fatos que hoje têm sido pouco e mal debatidos no país, notadamente na universidade, no sindicato e na mídia.

Outra, bem mais simples e prática, é poder dar acesso gratuito ao acervo que estou incluindo neste site, os principais resultados que obtive ao longo dos últimos  60 anos, com as  várias pesquisas que fiz, leituras, reflexões, viagens, aulas, conferências, simpósios, entrevistas e escritos.

Continuar a ler

Desigualdade no Ensino Rural

A desigualdade do ensino no campo para as cidades permanece gritante, apesar dos avanços conquistados nas últimas décadas. É o que mostra um conjunto inédito de indicadores obtido pelo Valor (23/04/19). Dos jovens de 17 a 20 anos de áreas rurais, 75% concluíram o ensino fundamental, abaixo da média brasileira (85%). Só 47% das pessoas de 21 a 24 anos que moram no campo concluíram o ensino médio, enquanto, no total do país, 67% da população dessa idade tem essa escolaridade.

Para chegar aos números, o pesquisador Guilherme Hirata, da consultoria
IDados, recorreu aos microdados da Pesquisa Nacional por Amostra de
Domicílio Contínua (Pnad Contínua) de Educação, do IBGE, divulgados no ano passado. O instituto passou a incluir nos microdados da pesquisa a separação por zonas urbanas e rurais, embora não inclua os dados em relatórios.

Antigas pesquisas mostram que os indicadores já foram piores, embora os dados não sejam perfeitamente comparáveis por questões de amostragem e metodologias. Um estudo do Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade (Iests) com base na velha Pnad do IBGE mostrou que, em 2005, 43% dos jovens das áreas rurais completaram o ensino fundamental, e 40%, o ensino médio.

Mesmo quando conseguem completar o ensino médio, os estudantes das áreas rurais ainda precisam superar grandes barreiras para alcançar o ensino superior. De acordo com o levantamento, a proporção de jovens de 18 a 24 anos que frequentam o ensino superior é de 7,2% em áreas rurais. Isso representa apenas um terço (19,7%) do verificado na média nacional.

Continuar a ler

Metodologia Finlandesa de Ensino Superior

Stela Campos (Valor, 27/06/19) apresenta a proposta do curso de especialização “Ensino e Aprendizagem na Educação Superior”, programa da Universidade da Finlândia realizado em parceria com o Instituto Ânima: ensinar os professores brasileiros de cursos superiores a desenvolver metodologias próprias de ensino baseadas na experiência de seus pares da Finlândia –– referência mundial na área educacional.

O programa começa em setembro de 2019, com a primeira etapa on-line e a etapa presencial será ministrada na Universidade Judas Tadeu (USJT), em São Paulo e na UniBH, em Belo Horizonte. Ele será em português e terá o corpo docente formado por professores brasileiros treinados na Finlândia e por finlandeses, que serão responsáveis por dois módulos presenciais do curso, que soma 360 horas de aulas. Os participantes receberão dupla titulação pela USJT e pela Universidade de Tampere, na Finlândia.

A maior diferença entre a forma de ensinar na Finlândia e no Brasil é que no país nórdico os docentes têm muito mais flexibilidade para pensar pedagogicamente, segundo Kaisu Malkki, PhD e professora da Universidade de Tampere. Aqui os professores preparam alunos para provas porque as instituições [privadas] de ensino querem isso. Os finlandeses pensam em uma avaliação de modo a dar suporte a um aprendizado mais profundo e útil para a vida prática no trabalho.

Os números do ensino na Finlândia impressionam. O país tem 5,5 milhões de habitantes, onde 99% dos jovens concluem o ensino médio, maior índice do mundo. No teste educacional da OCDE, o Pisa, que avalia a competência de jovens de 15 anos em matemática, leitura e ciências, há anos os finlandeses figuram nas primeiras colocações. Este é um indicador de que o trabalho inovador dos professores tem surtido efeito. Até para dar aulas no ensino básico os professores precisam ter feito um mestrado,.

A ideia do programa não é apresentar teoricamente como se ensina na Finlândia, mas ajudar os brasileiros a desenvolverem as próprias práticas. A base do ensino finlandês está nas vivências em grupo, em trabalhos por projeto e no contato mais direto com os alunos.

Se estiverem em um ambiente estressante, muito hierárquico, em que precisam ser perfeitos o tempo todo, os estudantes não se desenvolvem. Eles precisam relaxar enquanto aprendem. Não significa eles poderem fazer o que bem entenderem, mas terem responsabilidade sobre o próprio aprendizado. Isto é significativo e respeitoso.

Um diferencial dos finlandeses em sala de aula é eles não cobrarem nem desconfiarem do aluno. Não existem provas ou notas mas “avaliações formativas e longitudinais”. A aprendizagem acompanha o ritmo de cada um. Cerca de 79 professores do instituto fizeram uma versão compacta desse curso, com 270 horas, em inglês.