Encarteiramento de Debêntures por Bancos

Luciana Del Caro (Valor, 29/06/2020) informam: as debêntures estão sofrendo com o desinteresse daqueles que eram os seus principais compradores: os Fundos de Crédito Privado. As ofertas após o aprofundamento da crise do coronavírus só foram possíveis porque os bancos ocuparam o espaço dos gestores de fundos e adquiriram os papéis, provendo recursos para as empresas. Embora recentemente a situação do mercado tenha melhorado, profissionais acreditam a retomada das emissões sera muito lenta.

Nos primeiros cinco meses deste ano, as ofertas de debêntures caíram 44% em relação ao mesmo período de 2019 e totalizaram R$ 38,7 bilhões, segundo a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). Os fundos de investimento, que tinham comprado 68,8% das ofertas de janeiro a maio de 2019, ficaram com apenas 8,9% neste ano, até maio. A participação dos bancos, por sua vez, passou de 21,3% para 87%.

A maior parte das emissões recentes ficou no balanço dos bancos, exceto as de debêntures de infraestrutura. Estas têm demanda. As ofertas de papéis incentivados devem voltar antes das debêntures comuns. Como esses títulos contam com isenção do Imposto de Renda (IR), têm tido maior aceitação e procura por parte de pessoas físicas.

Continuar a ler

Poupança face à Pandemia

Planejamento da vida financeira exige Educação Financeira para disciplinar o cérebro e evitar erros recorrentes, apontados nos vieses heurísticos levantados pelas Finanças Comportamentais. Os investimentos financeiros planejados, em “débito automático” de determinado percentual da renda recebida, se diferenciam dos acasos: sobrar renda em relação ao consumo. Este caiu em tempos de isolamento social com “gastos na rua”: comer fora-de-casa, vestuário, transporte, etc. Logo, cresceu a “poupança” de maneira involuntária.

Anaïs Fernandes (Valor, 25/06/2020) entrevistou Daniel Leichsenring, economista-chefe da Verde Asset Management, em Live do Valor.

A política fiscal brasileira na pandemia tem sido marcada pela transferência de recursos do setor público às famílias “em nível inacreditavelmente alto”, o que exige atenção das autoridades para a âncora fiscal não ser perdida, mas também pode contribuir para uma recuperação um pouco mais rápida da atividade. Essa é a típica visão neoliberal ou “liberista”, onde se coloca o combate ao risco da eutanásia dos rentistas acima de tudo, inclusive da sobrevivência das famílias pobres.

Nos últimos três meses, a renda das famílias oriunda do trabalho caiu em torno de R$ 70 bilhões, mas só o auxílio-emergencial de R$ 600 gerou uma transferência ao redor de R$ 150 bilhões. “Na prática, as famílias – na média, não é verdade para todos os indivíduos -, têm, hoje, mais renda do que no pré-coronavírus.

A taxa de poupança das famílias pode mais do que dobrar neste ano. “Isso é uma diferença brutal em relação à crise anterior, quando elas estavam na sua menor taxa de poupança.” Continuar a ler

Volta, Dilma! A DLSP era 33% do PIB…

Estevão Taiar e Alex Ribeiro (Valor, 01/07/2020) informam: a dívida bruta dos governos (DBGG) no Brasil superou em maio pela primeira vez em toda a série histórica do Banco Central (BC) a marca de 80% do Produto Interno Bruto (PIB). No mês passado, o indicador cresceu 2,1 pontos percentuais e a DBGG atingiu 81,9% do PIB, o maior patamar da série histórica. Em reais, a dívida bruta ficou em R$ 5,9 trilhões.

Segundo o BC, três fatores principais explicam o avanço da dívida no mês passado:

  1. emissões líquidas de dívida bruta (impacto de 1,3 ponto percentual);
  2. a variação do PIB nominal (alta de 0,5 ponto); e
  3. a incorporação de juros nominais (0,3 ponto).

Estudo citado com frequência por analistas de contas públicas, realizado pelos economistas Carmen Reinhart e Kenneth Rogoff, identificou o patamar de 80% do PIB como um possível gatilho para crises de solvência. É apenas um número cabalístico se não examinar as trajetórias e os pesos dos componentes da DBGG.

“Ultrapassar um valor redondo não faz muita diferença. O que faz diferença é uma trajetória de crescimento. O nível é importante, mas a trajetória também”, afirmou o chefe do departamento de estatísticas do BC, Fernando Rocha, em entrevista coletiva para comentar os dados. Para o fim do ano, expectativa de vários analistas é que o indicador ficará na casa de 95% do PIB. Continuar a ler

No lugar de W a previsão é um M na Bolsa de Valores

Adriana Cotias (Valor, 01/07/2020) informa: depois de os mercados terem sido arrastados por um crash no primeiro semestre por causa da crise da covid-19, os investidores entram na segunda metade do ano em busca de pistas na economia real que balizem os preços dos ativos. Assimilada a fase mais dura da pandemia, entre março e abril, houve uma recuperação expressiva em ações, fundos imobiliários e na renda fixa longa. Bolsa, títulos públicos e privados e ativos “offshore” compõem as recomendações para o resto de 2020.

Em junho, as ações imobiliárias é que levaram a melhor, seguidas pelo indicador que reúne as companhias de menor capitalização na bolsa (ver tabela). O Ibovespa, principal referência da bolsa brasileira, ganhou 8,8%, no terceiro mês consecutivo de valorização. Desde o piso de 23 de março de 2020, o índice já subiu mais de 40%. No ano, ainda perde 17,8%. O campeão de valorização foi o ouro, com ganhos de 53%, seguido por euro e dólar, com altas de mais de 35%.

Na renda fixa, o IMA-B 5+, que representa uma cesta com títulos públicos longos atrelados à inflação, tem perda de 5,3% no ano. Graças à desvalorização desses papéis que os retornos ficaram mais gordinhos. No Tesouro Direto, por exemplo, as Notas do Tesouro Nacional série B (NTN-B) com vencimentos em 2035 e 2045 asseguram taxas acima de 4%, além da correção pelo IPCA.

Apesar da Selic baixa, em 2,25% ao ano, o jogo para a renda fixa não acabou e há muito valor ao longo dos vencimentos de juros. Títulos de cinco anos com quase 6%, o longo a 8% ou a B [Nota do Tesouro Nacional série B] longa a 4,3% vale para quem pode carregar até o vencimento.

Há espaço para o Banco Central (BC) aprofundar a sua política de corte de juros. Para provocar inflação contra a Grande Depressão Deflacionária, quando o Brasil está preso a uma armadilha da liquidez com queda de preços, provocando corte de salários e lucros. Com inflação desestimula a poupança (corte de gastos em consumo) e estimula o crédito, se houve demanda para alavancagem financeira com PPP (Parceria Público-Privada) em investimentos na infraestrutura. Continuar a ler

Escritura de Imóvel Em Nome dos Filhos

Luciana Pantaroto, CFP, responde (Valor, 15/06/20) à pergunta: caso uma mulher no segundo casamento queira comprar um imóvel à vista, com seu próprio dinheiro, e fazer a escritura no nome dos filhos do primeiro casamento, fazendo a tal doação, ela precisa da assinatura/permissão do marido para alguma coisa? Se fosse um financiamento no nome da mulher, ela precisaria, mas como funciona nesse caso de ser à vista e a escritura no nome dos filhos?

“Prezado(a) leitor(a),

Sua questão é relevante e oportuna, evidenciando sua cautela com as questões patrimoniais de sua família.

Os indivíduos casados, em regra, precisam de autorização do cônjuge para doar bens imóveis, ainda que sejam bens particulares, ou seja, que não integrem o patrimônio comum do casal.

Os indivíduos casados precisam de autorização do cônjuge também para doar bens móveis que integrem o patrimônio comum do casal ou que possam integrar futura meação (a meação é, em resumo, a metade ideal do patrimônio comum do casal que pertence a cada cônjuge. O patrimônio comum do casal depende do regime de bens adotado).

No entanto, há exceções: os indivíduos casados pelo regime da separação total de bens (a partir de 2003) podem dispor de seu patrimônio sem autorização do outro cônjuge. Continuar a ler

Renda Básica Universal e Gestão do Dinheiro Público

Valores e comportamentos frente ao presente e ao futuro se refletem no grau de preocupação com o dinheiro disponível em fluxo de renda e no patrimônio líquido financeiro dos indivíduos. Pesquisa da ANBIMA, “Dinheiro na Trajetória da Vida do Brasileiro”, publicada em julho de 2017, procurou identificar grupos com um nível interno de homogeneidade e suficientemente heterogêneos frente aos demais.

Nessa segmentação, foram identificados, em pesquisa qualitativa, cinco grupos de comportamentos: sonhador (7%), despreocupado (12%), camaleão (27%), planejador (23%), construtor (30%). O tamanho de cada variava conforme o perfil geracional.

A geração Z (16 a 21 anos) se diferencia mais. Tem maior participação de sonhador (14%), despreocupado (17%), planejador (29%), e menor de camaleão (11%) e construtor (27%). Seus perfis ainda estão em formação.

Nas gerações X (40-52 anos) e baby-boomers – BB (53-72 anos), o perfil camaleão (34%) predomina sobre o planejador. Este vai perdendo participação de acordo com o aumento de idade: Z (29%), Y (25%), Z (20%), BB (18%).

Os comportamentos típicos de cada perfil são expressos nas seguintes características:

  1. Sonhador: investimento só se for com as grandes quantias necessárias para viabilizar seu projeto de vida megalomaníaco;
  2. Despreocupado: prefere viver o presente em lugar de se preocupar com o futuro, gasta com prazer sem pensar em investimento, acha sempre ser possível dar um jeito no fim, isto se ele viver até a longínqua aposentadoria;
  3. Camaleão: não sobra dinheiro para investimento, porque toda a renda recebida é gasta em consumo, conta com crédito emergencial para sobreviver a cada mês;
  4. Planejador: planeja um investimento automático de certa parcela da renda recebida, com metas definidas para cada ano, contando com a capitalização do seu dinheiro com foco no longo prazo;
  5. Construtor: poupa se tiver sobra de renda sobre o consumo, porque necessita de segurança para o futuro, e esse dinheiro guardado lhe dá segurança.

Continuar a ler

Paradoxo Brasileiro: Baixar Juro Aumenta Poupança

Em artigo recente, “Impostos, Títulos de Dívida Pública ou Moeda”, publicado no GGN no dia 03/06/2020, contei brevemente a história da origem do mercado de títulos públicos nos séculos XIV e XV. Está na busca da capacidade de financiar guerras, ou seja, pagar soldados mercenários estrangeiros em soldo, moeda bizantina lastreada em ouro.

Em vez de pagar impostos, para cobrir os déficits provocados pela economia de guerra, os cidadãos ricos optaram por emprestar dinheiro para o governo, dominado por eles mesmos. Em compensação desses empréstimos, eles recebiam juros.

Além desses rendimentos, os cidadãos ricos também puderam obter liquidez. Tais títulos de dívida pública, com risco soberano, podiam ser vendidos a outros cidadãos, em mercado secundário, caso o investidor necessitasse de dinheiro de imediato.

A razão pela qual a rolagem dessa dívida ter continuidade se deveu aos ricos também controlarem as finanças públicas. Quem os emitia e vendia era também membro da autarquia compradora. Dessa forma, nasceu a exigência da elite em zelar, sobretudo, para seus juros serem sempre pagos, seja por impostos, seja por emissão monetária.

Na Era Moderna, políticas públicas na área de saúde, educação, segurança, etc., passam a justificar a ampliação da dívida pública. Títulos soberanos são uma forma segura de acumulação de riqueza financeira com a sobra dos rendimentos do trabalho recebendo juros do governo. O capital de origem trabalhista é majoritário.

Por exemplo, as participações relativas dos detentores da Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi) em maio de 2020 demonstra alterações significativas em relação a 2014, fim da Era Social-Desenvolvimentista (2003-2014). As Instituições Financeiras diminuíram de 30% para 26%, os Fundos (com segmentos de clientes PF) aumentaram de 20% para 26%, a Previdência Complementar elevou de 17% também para 26%, enquanto os investidores não-residentes diminuíram de 19% para 9%. Isso demonstra a perda de confiança do capital estrangeiro com a volta da Velha Matriz Neoliberal – VMN (2015-2020). Demais grupos permaneceram em torno de 14%.

Continuar a ler

Empobrecimento em Valor de Mercado Global

Ivan Ryngelblum (Valor, 09/06/2020) informa: a pandemia de covid-19 reduziu em 15% o valor de mercado das 100 maiores empresas do mundo neste começo de ano, de acordo com levantamento realizado pela consultoria e auditoria PwC.

Nos primeiros três meses de 2020, a capitalização das principais companhias de capital aberto caiu US$ 3,9 trilhões, para US$ 21,5 trilhões, na comparação com os números apurados entre março e dezembro em 2019, período em que o valor registrou alta de 20%.

A PwC realiza a pesquisa todos os anos e divulga os resultados acumulados em 12 meses, contados de março de um ano a março do outro. Mas para mostrar os impactos da covid-19 nas empresas, afetadas pela forte volatilidade do mercado em um curto espaço de tempo, ela decidiu separar os números de janeiro a março deste ano dos dados apurados entre março e dezembro de 2019.

Continuar a ler

Perda de Liquidez dos Fundos para Evitar Transferência de Riqueza entre Cotistas

Ana Paula Ragazzi (Valor, 03/06/2020) informa: os fortes resgates nas carteiras de crédito privado nos últimos três meses – ultrapassaram os R$ 60 bilhões – levaram o mercado a discutir mecanismos para, em momentos de crise, evitar a “transferência de riqueza” entre cotistas. Esse é um problema típico desses portfólios porque concentram ativos pouco líquidos.

No pior momento da crise, quem pediu resgate primeiro dos fundos de crédito privado conseguiu sair com um valor de cota mais alto, equivalente à venda dos ativos mais líquidos, como títulos públicos. Para honrar novas levas de saques, contudo, gestores passaram a ter de vender papéis menos líquidos, como debêntures. Estes, na ausência de um mercado secundário desenvolvido no país, acabaram saindo com desconto em relação ao valor marcado na carteira.

O impacto negativo desse processo foi se acumulando na cota dos fundos, inclusive DI entupidos de debêntures sem advertência para os investidores com perfil conservador, e prejudicando o retorno para aqueles investidores que ficaram. Mas abriu uma oportunidade para o mercado brasileiro discutir medidas para aprimorar o tratamento dado aos cotistas nessas situações, defendeu em comunicado o CFA Society Brasil, braço da associação global de profissionais de investimento, responsável pela certificação CFA (Chatered Financial Analyst).

A crise evidenciou os efeitos de um problema dessa proporção. No exterior, além de melhores sistemas de precificação, os bancos centrais atuam nos mercados secundários e dispositivos disciplinam a porta de saída como opções para preservar o mercado. Aqui, se não há ferramentas de defesa, o mercado fica disfuncional por mais tempo. E quanto mais tempo ele fica disfuncional, mais gera oportunidades para arbitragem.

Continuar a ler

Fuga de Capital Estrangeiro mantida enquanto Investidor PF entra… bem

Marcelle Gutierrez (Valor, 03/06/2020) informa: o fluxo do investidor estrangeiro na bolsa brasileira seguiu negativo em maio de 2020 – com saída de R$ 7,44 bilhões -, mas as duas últimas semanas mostraram uma mudança relativa de humor, período quando justamente o Ibovespa ganhou tração e retomou o nível dos 90 mil pontos.

A explicação está no preço atrativo, com a forte desvalorização das ações e do real – causada pela crise do coronavírus -, na recuperação dos preços commodities e na melhora global da percepção de risco. Essa tendência mais positiva, contudo, tende a durar pouco: dois meses, no máximo. Um fluxo mais consistente de recursos estrangeiros vai depender da melhora dos fundamentos econômicos, da cena político e do controle da pandemia.

Nas duas primeiras semanas de maio, o investidor estrangeiro tirou R$ 8,4 bilhões da bolsa, fluxo que se inverteu entre os dias 19 e 28 de maio, com entrada de R$ 2,2 bilhões, segundo dados divulgados ontem pela B3.

No ano, até maio, o Ibovespa amarga queda de 43,86% em dólar. Um movimento pior do que em outros emergentes, como África do Sul, que cai em dólar 28,77%, México (-28,8%), Rússia (-21,25%) e Turquia (-19,95%). Em março, no ápice da crise, o Ibovespa recuou 51,05% em dólar. Continuar a ler

Bolsas de Valores em W

Laurence Fletcher (Financial Times 05/06/2020) informa: os hedge funds estão se preparando para outro crash das bolsas de valores, sob a leitura de a escalada de preços não estar refletindo problemas econômicos futuros. Algumas gestoras temem os investidores de ações terem se tornado complacentes demais com a rapidez imaginada de as economias se recuperar da crise do coronavírus e com a eficiência a ser exibida pelos pacotes de incentivos dos bancos centrais e governos.

O Índice S&P 500 concluiu sua melhor série de 50 dias da história no dia 04/06/2020, de acordo com a LPL Financial. Os mercados estão precificados para a perfeição. A estabilidade dos mercados não reflete perdas de emprego em insolvências futuras.

Fundos de Hedge têm comprado opções de venda. Eles protegem contra quedas do mercado ao permitir seu detentor vender o ativo a um preço predeterminado. Isso tando em índices de ações quanto em moedas sensíveis ao apetite por risco como o dólar australiano e o won sul-coreano. Esperam novas baixas nas bolsas mundiais posteriormente neste ano. Como março de 2020 mostrou, os preços não conseguem divergir dos fundamentos econômicos por muito tempo.

Outras gestoras de recursos manifestaram preocupação com a recuperação acentuada das ações a partir das baixas de março. Esperam uma onda de falências e uma recuperação econômica em forma de V a é uma “fantasia”. É mais provável diversos WWW.

Continuar a ler

Nova Tentativa-e-Erro em Investir no Mercado de Capitais Brasileiro?

Adriana Cotias (Valor, 29/05/2020) informa: dólar e ouro perderam ímpeto em maio, mas ainda figuram como as modalidades de melhor performance no ranking das aplicações financeiras no ano. A um dia do encerramento do mês é a renda variável despontava na liderança mesmo em meio à pandemia de covid-19, previsões pessimistas para o PIB e ruídos de toda sorte vindos do campo político.

O Ibovespa subia 8% até o dia 28/05/2020, com os índices setoriais igualmente em recuperação. No ano, o principal termômetro do mercado de ações ainda acumulava queda de -24,8%. Já o contrato de ouro na B3 tem, desde janeiro, valorização de +45,6%, enquanto o dólar ganha +34,2%. Entre os índices de renda fixa, o destaque era do IMA-B, que representa uma cesta de títulos públicos atrelados à inflação (NTN-B), com valorização de 1,44% no mês.

Profissionais da área de investimentos “vendedores-de-ilusões” têm um olhar seletivo para a bolsa e no mix de alocação veem chances de ganhos em papéis atrelados à inflação, crédito privado, ouro e multimercados.

Desde a mínima do ano, em 23 de março de 2020, quando fechou em 63.570 pontos, o Ibovespa já subiu quase 37%, premiando quem teve fôlego para ir às compras nos dias de estresse. Mas os bons números não devem dar a impressão de que a crise ficou para trás.

Não dá para falar que as coisas voltaram ao normal. É um cenário que está em processo, porque tem a questão de saúde, mas também a econômica. Para os investidores sem excesso de exposição, a recomendação foi manter a parcela em ações. Se o investidor está alocado na medida correta, baseado na sua aversão por risco, vale a pena continuar se não há alternativa em renda fixa — e se predominar esse pensamento entre os investidores.

Quem tenha perdido quase 30% na bolsa em fevereiro e março, se tivesse resgatado para colocar em uma aplicação atrelada à Selic, demoraria 20 anos para reaver o seu capital. Quem ficou já recuperou boa parte — e poderá perder de novo se não realizar o ganho de capital… Continuar a ler