Raízes Históricas do Neoliberalismo

As raízes históricas do neoliberalismo se encontram no iluminismo, um movimento intelectual que ocorreu na Europa do século XVIII, também conhecido como “Época das Luzes”. Seus temas giravam em torno da Liberdade, do Progresso e do Homem.

O Iluminismo surge como um processo desenvolvido para corrigir as desigualdades da sociedade e garantir os direitos naturais do indivíduo, como a liberdade e a livre posse de bens, contra a Monarquia absolutista e os privilégios da nobreza. Contra a tese da predestinação divina dos monarcas, os iluministas acreditavam que Deus estava presente na natureza e também no próprio indivíduo, sendo possível descobri-lo por meio da razão.

Iluminismo passou a ser o nome que se dá à ideologia que foi sendo desenvolvida e incorporada pela burguesia da Europa, a partir das lutas revolucionárias do final do século XVIII. Então, o iluminismo não foi apenas um movimento ideológico, mas também político, conforme demonstrado pela Revolução Francesa. Na França, onde o movimento teve maior expressão, os limites feudais se chocavam com o desenvolvimento do capitalismo emergente. A burguesia, liderando camponeses e operários, se lançou contra a nobreza e o clero, e assumiu a direção do movimento. Continue reading “Raízes Históricas do Neoliberalismo”

História da Riqueza no Brasil

 

O livro representa o ápice até aqui da carreira do escritor e jornalista Caldeira, 61 anos, em seus estudos de mais de três décadas sobre a história econômica do país.

É o 16º livro dele, cuja bibliografia é composta por obras de prestígio como “Mauá, O Empresário do Reino” (1995), “O Banqueiro do Sertão” (2006) e “Júlio Mesquita e seu Tempo” (2015). Continue reading “História da Riqueza no Brasil”

Impactos da Reforma Protestante

desenvolvimento econômico, suicídio, alfabetização feminina e antissemitismo. 

“Foi muito mais do que uma batalha sobre a teologia”, diz Sascha Becker, pesquisador alemão que investigou as principais consequências socioeconômicas desencadeadas pelas 95 teses de Martinho Lutero.Para o artigo completo de Becker, acesse “Causes and Consequences of the Protestant Reformation” (“Causas e Consequências da Reforma Protestante“, 47 págs., disponível em inglês). Continue reading “Impactos da Reforma Protestante”

Pós-Verdade de Delfim Netto: Adequação da Narrativa Histórica

Antonio Delfim Netto é professor emérito da FEA-USP, ex-ministro da Fazenda, Agricultura e Planejamento. Formou-se nessa Faculdade no ano em que eu nasci: 1951, ou seja, tem 66 anos de profissão, sendo o economista decano mais conhecido no Brasil: para o mal, para o… seu bem.

Eu não consigo gostar dele. Entenda-se: eu me graduei (1971-1974) quando ele era o maior tecnocrata da ditadura militar, para a qual ele tinha assinado o AI-5. Abomino suas tolas ironias contra a esquerda brasileira que o odeia. Infelizmente, Dilma apelou para conselhos dele. Resultado: assim como ele a louvou, hoje ele louva e defende o golpista temeroso! E continua seu esforço descomunal de pós-verdade: remonta a narrativa histórica de acordo com sua conveniência de momento! 

Confira isso em seu artigo (Valor, 03/10/17) reproduzido abaixo, onde ele se isenta de responsabilidade pela “década perdida dos 80s”. Fez duas maxidesvalorizações cambiais de 30% cada uma, quando inside information se deu bem, e dobrou o patamar da inflação, na primeira em dezembro de 1979 de 70% aa para 110% aa e na segunda em fevereiro de 1983 de 110% aa para 220% aa. Esse salto provocou a crise dos mutuários no Brasil (subprime avant la lettre) e quebrou o BNH.  O melancólico fim do regime militar deixou a herança maldita do regime de alta inflação, cujo combate se deu por causa do debate entre economistas de oposição ao Delfim.

Continue reading “Pós-Verdade de Delfim Netto: Adequação da Narrativa Histórica”

Yuval Noah Harari: Homo Sapiens e o Futuro da Historia da Humanidade

Renderização em 3D de um robô humanoide tentando solucionar um quebra-cabeça tridimensionalInteligência artificial está sendo vista como uma ameaça aos empregos dos animais humanos. O que fazer?

Os avanços em tecnologia, genética e inteligência artificial podem transformar a desigualdade econômica em desigualdade biológica?

O autor e historiador Yuval Noah Harari se fez essa pergunta. Professor de História na Universidade Hebraica de Jerusalém, ele estuda o passado para olhar para o futuro. Autor de dois best-sellers, Sapiens: Uma breve história da humanidade (editora L&PM)e Homo Deus: Uma breve história do amanhã (editora Companhia das Letras), Harari foi entrevistado pelo programa The Inquiry, da BBC, sobre a possibilidade de a tecnologia alterar o mundo e a espécie humana.

Leia abaixo o depoimento do professor à BBC: Continue reading “Yuval Noah Harari: Homo Sapiens e o Futuro da Historia da Humanidade”

Surgimento da Espécie de Animal Humano

Reconstrução do primeiro crânio de Homo sapiens, de Jebel Irhoud (Marrocos)Reconstrução do primeiro crânio de Homo sapiens, feito com base em ressonâncias de múltiplos fósseis originais

7 junho 2017) informa que a teoria de que o homem moderno evoluiu em um único “berço de humanidade” há 200 mil anos no leste da África perdeu sustentação científica, graças a novas pesquisas recém-divulgadas.

Fósseis dos cinco mais antigos humanos (Homo sapiens) de que se tem notícia foram encontrados no norte africano, mostrando que o Homo sapiens emergiu ao menos 100 mil anos antes do que se pensava.

Em trabalhos publicados no periódico científico Nature, os pesquisadores sugerem agora que a nossa espécie evoluiu por todo o continente, de forma muito mais fragmentada do que se pensava.

Essa descoberta fará com que “se reescrevam os livros de história” sobre nosso surgimento como espécie, diz o professor Jean-Jacques Hublin, do Instituto Max Planck de Antropologia Evolucionária (MPI), na Alemanha.

“Esse material (fóssil) representa a raiz da nossa espécie, é o mais antigo Homo sapiens já encontrado na África ou em qualquer outro lugar”, explica Hublin.

“Não se trata de uma história que aconteceu rapidamente em um ‘Jardim do Éden’ em um lugar da África. Nossa visão é de que (a evolução) foi um desenvolvimento mais gradual e envolveu todo o continente. Então, se houve um Jardim do Éden, ele foi a África inteira.” Continue reading “Surgimento da Espécie de Animal Humano”

Encontro de Fernando Haddad com o Patrimonialismo Brasileiro

Fernando Haddad é um colega pertencente à casta dos sábios-universitários, no caso, Professor de Ciência Política na USP, instituição onde graduou-se em Direito, fez mestrado em Economia e doutorou-se em Filosofia. Ele foi ministro da Educação entre julho de 2005 e janeiro de 2012, nos governos Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. Eu digo que esses governos social-desenvolvimentistas no Brasil representaram a aliança entre a casta dos trabalhadores organizados e a casta dos sábios-universitários. Na Europa, essa aliança era denominada de socialdemocracia.

Trabalhou como analista de investimento no Unibanco e, de 2001 até 2003, foi Subsecretário de Finanças e Desenvolvimento Econômico da Prefeitura de São Paulo da administração de Marta Suplicy. Integrou, ainda, o Ministério do Planejamento do Governo Lula durante a gestão de Guido Mantega (2003–2004), oportunidade na qual elaborou o projeto de lei que instituiu as Parcerias Público-Privadas (PPPs) no Brasil.

O Programa Universidade para Todos (ProUni) foi um projeto criado durante a gestão de Haddad no MEC, que concede bolsas de estudo em universidades privadas para estudantes de baixa renda. O embrião do projeto surgiu quando ele integrava a Secretaria de Finanças na gestão Marta Suplicy na Prefeitura de São Paulo. Na ocasião, já havia proposto uma lei municipal que permitia a transformação de débitos tributários de instituições privadas de ensino em bolsas de estudos. Quando assessorou o então ministro do Planejamento Guido Mantega, prosseguiu discutindo com universidades particulares a proposta de trocar tributos por bolsas.

Quando foi secretário executivo do Ministério da Educação, em 2004, concretizou a ideia na forma de projeto de lei federal. Foi durante a sua gestão como ministro que o programa se expandiu até atingir a marca de um milhão de bolsas concedidas. Entre 2005 e 2015, o aumento no total de matrículas de estudantes universitários foi de 75,7%. Em 2015, o Censo do Ensino Superior verificou que havia 8.033.574 matrículas, contra 4.626.740 em 2005.

Com o mesmo propósito de facilitar o acesso de estudantes de baixa renda à universidade, o ministro Haddad alterou as regras do Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (FIES). Assegurou a redução dos juros, o aumento de prazo de carência, a dispensa de fiador e um mecanismo de remissão da dívida para professores da escola pública e médicos do Sistema Único de Saúde (SUS), à razão de 1% por mês de exercício profissional.

Fernando Haddad, nascido em São Paulo, no dia 25 de janeiro de 1963, é um acadêmico e político brasileiro, filiado ao Partido dos Trabalhadores (PT). Foi prefeito da cidade de São Paulo entre 2013 e 2016. Para registro da memória histórica de eventos ainda recentes, escreveu um artigo de leitura imperdível com depoimento pessoal sobre sua experiência como prefeito. Reproduzo-o abaixo. Depois, veja alguns grandes números do último Censo do Ensino Superior, para o alcance deles Fernando Haddad foi um pilar fundamental.

Vivi na pele o que aprendi nos livros

Um encontro com o patrimonialismo brasileiro
Fernando Haddad – Fonte: piauí 129 Junho 2017 – História Pessoal

Continue reading “Encontro de Fernando Haddad com o Patrimonialismo Brasileiro”