Dicas para Quarentena: Vídeos Espetaculares no YouTube

Quando estou melancólico e desejo escutar blues, minha primeira opção é o canal do YouTube, Don’s Tunes, com “o cara” do Madman. Reúne músicas e fotografias, em geral, de artistas ou modelos lindíssimas. E muitas letras têm legendas em inglês!

Restored & Colorized Rare Old Blues for Little Walter, Howlin Wolf, Muddy Waters, Otis Spann, Mable Hillery, Sonny Terry, Brownie McGhee, Willie Dixon, and Sunnyland Slim você encontra em:

Aprecio muito me deliciar com pinturas, enquanto escuto música e bebo um drink, ou seja, “louvo todos os deuses, bebo meu bom vinho… e deixo o mundo ser mundo”. Um dos meus canais preferidos no YouTube é o de NNigani.

Um canal com vídeos musicais sobre apreciação de pinturas belíssimas é o da Mari. Recomendo a inscrição.

Veja e escute o audiovisual abaixo também no canal da MariMari 142:

From the Teatro Real de Madrid, 2011 CARMEN | by Antonio Gades and Carlos Saura | ANTONIO GADES COMPANY Masterpiece of Spanish dance that was added to Antonio Gades’ repertoire: Bodas de Sangre and the Suite Flamenca.

Última dica de hoje: o canal Biscoito Fino para ver shows completos de cantores/compositores da MPB, como Chico Buarque, Gal Costa, Maria Bethânia, Tom Jobim, entre outros:

https://www.youtube.com/channel/UC0MFq331Z7_CoSFimP84Mbw

Dicas para Quarentena: Vídeos Musicais no YouTube

Fiquei três meses experimentando o YouTube Premium sem propaganda e resolvi o assinar. O YouTube com publicidade já era o canal mais visto por mim, seguido do Netflix. Praticamente, abandonei os canais de TV, seja aberta, seja os pagos. Quando a gente se acostuma on demand (streaming) não dá mais para submeter-se à horário fixo ou ver o que está passando sem critério.

Fazendo o rebalanceamento periodicamente necessário no orçamento doméstico, por exemplo, trocando Sem Parar por ConnectCar. Só a troca das três mensalidades (R$ 75) pelo pré-pago sem mensalidade já pagou, largamente, a mensalidade de R$ 20,90 do YouTube Premium. Para o Plano Família se paga mais R$ 11,00/mês. Mas só pode adicionar até cinco membros da família (maiores de 13 anos) moradores na mesma casa. É um equívoco econômico do YouTube. Eu assinaria para meus dois filhos moradores em São Paulo — e pagaria 50% a mais!

Estou dando essas dicas para compartilhar com o seguidor deste blog de algumas descobertas realizadas no YouTube Music. Há inúmeras opções, mas estou em fase de escutar mais Swing Jazz Band, Banjo Dixieland and Bluegrass ou New Orleans Jazz. Confira essas playlists no Spotify.

Hoje, as sugestões são musicais. Em outro post, darei dicas de incríveis filmagens da Natureza acompanhadas de belas trilhas musicais. Basta se inscrever nos canais, inclusive em 4K ou 8K.

The Speakeasies Swing Band é uma banda grega com repertório principalmente em inglês muito dançante. Em 2012, eles lançaram seu primeiro álbum, “Bathtub Gin”, juntamente com os videoclipes “Bright Lights Late Nights” e o premiado com o International Songwriting Competition (ISC), “Black Swamp Village”.

Em 2015, eles voltaram com “Land of Plenty”, um álbum composto por 10 músicas no Swing, Jazz, Blues e Dixieland. Em 2017, eles participaram do Athens & Epidaurus Festival com a performance teatral “Homesickness Blues“.

https://www.youtube.com/channel/UCvoue93C9HjfhkrGgCTZPMA

The Hot Sardines é uma banda de jazz americana formada em Nova York em 2007 pela diretora artística, cantora e escritora Elizabeth Bougerol e diretora artística, ator e pianista Evan Palazzo . Embora aclamados como “os carismáticos líderes do jazz vintage”, eles paradoxalmente enfatizam tanto a autenticidade quanto a irreverência em suas apresentações. Tocam “como se essas músicas tivessem sido escritas esta manhã, para a geração de hoje”. Com o tempo, montaram um repertório único com “um som e um estilo que são distintos”. Seu estilo distinto foi descrito pelos críticos de música como ” Paris da época da guerra por Nova Orleans“, enquanto firmemente enraizado no “aqui e agora”.

 

O Avalon Jazz Band representa o espírito de swing parisiense e da Era de Ouro na cidade de Nova York, com um repertório de padrões americanos atemporais e músicas de jazz francesas: clássicos antigos com um toque dançante.

 

The Dead South é um conjunto musical de folk-bluegrass canadense baseado em Regina, Saskatchewan, Canadá. A banda foi formada inicialmente em 2012 como um quarteto pelos canadenses Nate Hilts (vocais, guitarra, bandolim), Scott Pringle (guitarra, bandolim, vocais), Danny Kenyon (violoncelo, vocais) e Colton Crawford (banjo). Crawford deixou a banda em 2015 e foi substituído pela cantora Eliza Mary Doyle por vários anos. Crawford se juntou novamente à banda começando com a turnê Voices In Your Head em meados de 2018.

 

Big Bad Voodoo Daddy é uma banda norte-americana de rock e swing.

Músicas ao Redor do Mundo: Playing for Change

Comemoro meu aniversário de 68 anos compartilhando o prazer de escutar e ver os vídeos-musicais de “Playing for Change“. Nessa idade, finalmente, descobri esse projeto multimídia criado com o objetivo de unir músicos do mundo inteiro em defesa de mudanças globais. A música universal (hits populares) é a linguagem capaz de unir pessoas de todo o mundo!

Integra o projeto a Playing for Change Foundation, uma organização não-governamental. Ela tem construído escolas de música em comunidades carentes.

O projeto produz discos e vídeos com músicos como Grandpa Elliot e Keb’Mo junto a artistas desconhecidos de várias partes do mundo, tocando versões de canções conhecidas e composições próprias. Já foram lançados três discos: Playing for Change, PFC 2 e PFC 3.

Playing for Change é um movimento criado para inspirar e conectar o mundo através da música, nascido da ideia de a música ter o poder de romper fronteiras e superar distâncias entre as pessoas. Seu foco principal é gravar e filmar músicos atuantes em seus ambientes naturais e combinar seus talentos e poder cultural em vídeos inovadores chamados de Músicas ao Redor do Mundo ou Songs Around the World.

As montagens sincronizadas de músicas e sons com solos em diversos lugares em todo o mundo são geniais! Fora a surpresa de aparecer tanto desconhecidos super-músicos quanto conhecidos superstars como Keith Richard, Buddy Guy, David Crosby, Jack Johnson, Robbie Robertson, entre outros.

A criação dos vídeos motivou a formar a Banda Playing For Change – uma representação tangível e itinerante de sua missão, com músicos reunidos ao longo de nossa jornada e estabelecer a Fundação Playing For Change – uma organização sem fins lucrativos dedicada à criação de música e escolas de arte para crianças em todo o mundo. Através desses esforços, pretendem criar esperança e inspiração para o futuro do nosso planeta.

Leia mais:

home-pt

Ismaël Lô: World Music ou Música Africana ou Música Senegalesa?

Indiscutivelmente, o encontro mais direto de Pedro Almodóvar com o amplo corpus da world music vem, como já observado por Kathleen M. Vernon, no livro A Companion to Pedro Almodóvar (First Edition. Edited by Marvin D’Lugo and Kathleen M. Vernon. Blackwell Publishing Ltd. Published; 2013), em sua inclusão do “Tajabone” de Ismaël Lô na cena em Todo sobre mi madre quando a mãe triste Manuela (Cecilia Roth) chega em Barcelona em busca de seu ex-marido e pai de seu filho morto. Embora suponhamos, no início do filme, Manuela ter passado muitos anos estabelecidos em Madrid, a sua vida é mais tarde mostrada como tendo sido marcada por uma série de viagens, desde a sua cidade natal, Buenos Aires, até Barcelona e depois Madrid, e da capital espanhola para a Galícia, na trilha do coração transplantado de seu filho, e depois de volta para Barcelona.

Neste contexto, é útil considerar também itinerário seguido da música de Lô antes de sua chegada ao filme de Almodóvar. Largamente desconhecido para o público anglo-americano antes de Todo sobre mi madre, Lô já tinha alcançado sucesso considerável na França, especialmente após a liberação de seu sexto álbum. Ele incluiu o single “Tajabone“.

De fato, a biografia profissional de Lô, caracterizada por viagens regulares de ida e volta entre o Senegal e França e a fusão musical de M’balax senegalês com elementos do folk e blues americanos. Resultou em ele ser saudado como o “Bob Dylan Senegalês”. Isso corresponde de perto ao entendimento geral da categoria de world music e world musicians. Essa combinação de exotismo e familiaridade é cada vez mais visto como necessário para produzir a nota certa de “hibridismo” que, Timothy Taylor observa, tornou-se para os ouvintes ocidentais a nova garantia de “autenticidade” (2007: 140–1).

Em contraste com o latino-americano ou mesmo canções em italiano, português, francês ou inglês, ouvidas nos filmes de Almodóvar, o significado das palavras para “Tajabone”, escrito em wolof, perde-se no ouvinte-espectador. No entanto, são vantagens para aqueles que fazem uso de tradições musicais estrangeiras para seus próprios fins, ou assim nos é dito pelos estudiosos do uso da falsa world music, peças corais compostas de sílabas nonsense inventadas em spots publicitários (Taylor 2007: 185).

Continuar a ler

Buika: Síntese e Sinergias

Kathleen M. Vernon, no livro A Companion to Pedro Almodóvar (First Edition. Edited by Marvin D’Lugo and Kathleen M. Vernon. Blackwell Publishing Ltd. Published; 2013), narra: em 2010, Chavela Vargas e Buika foram escolhidas pela rede de rádio pública dos EUA, NPR, como duas cantoras entre as 50 Grandes Vozes do Mundo.

O site da NPR explica: “elas fizeram sua marca internacionalmente ao longo da história” (Blair 2010). O emparelhamento de Vargas com uma cantora cerca de cinquenta anos mais jovem, em uma lista diversificada [confira abaixo], que varia de Maria Callas e Nat King Cole para Celia Cruz e Youssou N’Dour (All 50 Great Voices A-Z), não é coincidência. O segmento do programa NPR dedicado a “Buika: The Voice of Freedom”, enfatizando as origens de sua voz distinta em sua singular história de vida, também destaca sua relação com Vargas, cimentada no CD da cantora mais jovem de 2009, El último trago, em grande parte dedicado a covers dos trabalhos de Vargas. Além da peça da NPR, outros artigos chamam a atenção para o papel de Vargas como mentora ou inspiradora.

Um artigo de 2010 no New York Times, por ocasião da turnê americana da cantora espanhola cita Vargas. Ela fala com aprovação de sua pretensa protegida: “Buika realmente se desenvolveu como cantora… Ela adicionou as influências do flamenco e outros gêneros para minhas músicas, mas a aspereza rouca em sua voz quando ela canta me lembra de mim mesmo” (Rohter 2010).

Além das afinidades musicais, Vargas, com sua sexualidade lésbica aberta e de sucesso em sua cultura adotiva outsider, oferece um ponto de referência para a Buika declaradamente bissexual e ultra “cosmopolita” (Byram; 2010) na projeção de um novo paradigma de sensibilidade musical latina global.

Apenas a terceira cantora a aparecer na tela como ela mesma, em um filme de Almodóvar, seguindo o duo Vargas e Veloso, Buika executa duas músicas em La piel que habito. Ambas aludem a sua trajetória de carreira, mostrando sua versatilidade, enquanto ancora um momento chave reunindo várias vertentes na trama. O cenário é um casamento na Galiza, com a presença do Dr. Ledgard, juntamente com a sua filha de vinte anos, Norma, ainda se recuperando anos depois dos efeitos da morte violenta de sua mãe.

Continuar a ler

Chavela Vargas: ícone e musa

Kathleen M. Vernon, no livro A Companion to Pedro Almodóvar (First Edition. Edited by Marvin D’Lugo and Kathleen M. Vernon. Blackwell Publishing Ltd. Published; 2013), afirmar ser uma característica fundamental das performances e dos performers que capturam a atenção de Almodóvar, proporcionando uma base comum para os desafios artísticos e as sinergias emocionais que o ligam a Veloso, bem como a Chavela Vargas e Buika, é a prática de criar versões novas e marcantes de músicas familiares. Chama, tomando emprestado o termo do capítulo de Marsha Kinder para este volume, “re-envoicements“.

Almodóvar elabora sobre esse fenômeno em seu blog: “Eu acredito muito nas versões, quando elas são interpretadas por inspirados e independentes artistas. Eles as consideram como novas criações e adaptam a música original aos seus próprios sentimentos… As músicas percorrem uma estrada oblíqua e fortuita até se encaixarem em meus filmes. Às vezes eles tiveram que se tornar o oposto do que eles originalmente eram para para eu me conectar com eles. Esse é o caso da “Tonada de luna llena“. é uma canção de vaqueiro venezuelana, uma espécie de música country indígena por Simón Díaz. Ele nunca teria tido qualquer ligação com as minhas histórias se não fosse pelo arranjos de Morelenbaum e a voz de Caetano Veloso. Ele transmutou o original, tornando-se uma espécie de canção de ninar escura e surrealista” (Almodóvar, 2008).

Vernon notou, anteriormente, a apreciação de Almodóvar da forma única musical de Vargas alquimia ao referir-se à sua inspiração para a versão de “Piensa en mí” de Agustín Lara, ouvido em Tacones lejanos. Nascida na Costa Rica em 1919, Vargas se destacou pela primeira vez na década de 1950, no México. Era especializada no repertório nacional clássico de compositores Lara, José Alfredo Jiménez, Cuco Sánchez e Tomás Méndez.

Embora muito atraída pela música popular mexicana da época, ou canción ranchera barulhenta baseada em mariachi, e o bolero boêmio com suas histórias de sofrimento amoroso, Vargas cedo demonstrou uma capacidade de interpretar as canções por conta própria. Subindo ao palco em um guarda-roupa andrógino de ponchos e sandálias de couro e acompanhadas por uma única guitarra, suas performances deixavam os tradicionalistas chocados, atraindo um grupo diversificado de admiradores da alta e baixa sociedade mexicana.

Continuar a ler

Caetano Veloso: Hearts, Minds e Market Share

Ao mover-se para explorar em maior profundidade as origens e o desenvolvimento musical de Almodóvar, em seus três filmes principais, e as colaborações discográficas para os insights que eles fornecem o funcionamento de seu imaginário musical global, Kathleen M. Vernon, no livro A Companion to Pedro Almodóvar (First Edition. Edited by Marvin D’Lugo and Kathleen M. Vernon. Blackwell Publishing Ltd. Published; 2013), começa com Caetano Veloso.

Certamente, este caso particular de contato cultural e troca interpõe seu próprio desafio desestabilizador ao eixo norte-sul desigual, postulado por Pacini-Hernández, enquanto a carreira do músico brasileiro multifacetado, compositor, ativista e ex-preso político propõe uma espécie de contra-modelo para o paradigma geocultural evidenciado no conceito de música mundial.

O projeto musical de Veloso é apoiado não só pelo seu papel de liderança no movimento Tropicália dos anos 60, fusão cosmopolita de fontes afro-brasileiras, europeias e norte-americanas, mas também pelas ligações da Tropicália à antiga tradição antropofágica de vanguarda exigente da assimilação e transformação de influências estrangeiras e artefatos culturais, invertendo assim a dinâmica hegemônica das relações culturais coloniais.

Em seu estudo do movimento Christopher Dunn define o papel de Veloso, juntamente com do companheiro tropicalista Gilberto Gil, como “mediador cultural” (2001: 74), entre a esquerda tradicional e a contracultura, bem como movimentos centrados na África dentro e fora do país.

Robert Stam vai ainda mais longe em sua avaliação da carreira de Veloso, saudando o último (e Gil) como “intelectuais órficos”, apoiando-se na noção de Gramsci do intelectual orgânico, “que escreve livros em um momento e liderar multidões de danças em outro. . . [como] não só os artistas populares cultura, mas também seus teóricos” (2008: 223).

Continuar a ler