Ataque à Democracia: Perda do Poder do Voto Popular

O JOGO DO MILHÃO - Congresso e Temer asseguram vantagem na eleição a candidatos com grande renda e patrimônio - Candidatos ricos - Página 4 - Poder - Doações

Conforme dados compilados pela Marta Arretche (leia post Debate sobre a Trajetória da Desigualdade de Renda no Brasil), sob a democracia (1985-2015), os estratos inferiores de renda obtiveram proporcionalmente mais do que os estratos superiores. A taxa de crescimento da renda dos extremamente pobres foi 94%, mas (excluído este estrato) a metade inferior da distribuição teve ganhos superiores a 140%. Este é o resultado agregado da contribuição de diferentes governos.

Ela ressalva que “esses foram ganhos relativos, contudo. Em termos absolutos, os mais ricos ganharam muito mais porque essas taxas de crescimento operaram sobre patamares de renda muito desiguais”.

A Constituição Federal de 1988, entre outros fatores demográficos, sociais e econômicos, converteu os beneficiários das políticas sociais, situados no piso e no meio da escala contínua da distribuição da renda, em categorias concentradas de eleitores interessados na expansão das políticas públicas que os favorecem.

Esse poder de escolha (e barganha por políticas favoráveis) dos eleitores pobres está sendo retirado desde o golpe!

O operador financeiro Lúcio Funaro confirmou, em depoimento à Procuradoria-Geral da República, a armação corrupta do golpe semi-parlamentarista pelo “quadrilhão do peemedebismo”. Ele repassou R$ 1 milhão para o ex-deputado Eduardo Cunha “comprar” votos a favor do impeachment de Dilma Rousseff, em 2016.

Uai, o aluguel de “partidos-de-aluguel” foi o “escândalo do mensalão do PT”, agora, o balcão de negócios do “quadrilhão do peemedebismo” é o “novo normal”?

Funaro disse que recebeu uma mensagem de Cunha, então presidente da Câmara, dias antes da votação no plenário, ocorrida em 17 de abril. “Ele me perguntou se eu tinha disponibilidade de dinheiro, que ele pudesse ter algum recurso disponível pra comprar algum voto ali favorável ao impeachment da Dilma. E eu falei que ele podia contar com até R$ 1 milhão e que eu liquidaria isso para ele em duas semanas no máximo”, disse.

A Folha teve acesso ao depoimento (assista a todos os vídeos aqui) prestado por Funaro à PGR em agosto deste ano. Seu acordo de delação foi homologado pelo ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal). E agora STF? Vai sair em defesa contra o golpe na Constituição Federal? Ou continuará submisso aos outros dois Poderes da República, o ilegítimo Executivo e o Legislativo corrupto e golpista?

Os atentados contra a democracia eleitoral brasileira continuam. Ranier Bragon (FSP, 15/10/17) noticia que políticos com mandato, patrimônio elevado ou boa relação com os formadores do PIB terão larga vantagem sobre os demais concorrentes na disputa de outubro de 2018, apesar de essa ser a primeira eleição geral em que empresas estarão proibidas de financiar os candidatos.

O Congresso Nacional chegou até a esboçar na atual reforma política a aprovação de três medidas para conferir maior equilíbrio ao jogo, mas todas foram vetadas pelo presidente Michel Temer em acordo com parcelas significativas do Senado e da Câmara dos Deputados. Continue reading “Ataque à Democracia: Perda do Poder do Voto Popular”

Efeito Cleptomania do “Quadrilhão”: Plano Neoliberal Maquiavélico

Cleptomaníaco é o indivíduo que sofre de cleptomania, um distúrbio psicológico que faz com que a pessoa sinta a necessidade incontrolável de roubar diversas coisas, inclusive objetos sem valor.

De acordo com a psiquiatria, a cleptomania é formada por um distúrbio do controle impulsivo da pessoa, fazendo com que não reconheça os limites sobre os atos que comete. Mas, para que determinada pessoa seja diagnosticada de fato como cleptomaníaca é preciso observar alguns sintomas básicos do transtorno:

  • Furto desassociado de qualquer expressão de sentimento (raiva, vingança e etc);
  • Ansiedade excessiva antes do furto;
  • Alívio ou satisfação após a conclusão do ato;
  • Fracasso total a resistência ao desejo de furtar.

Por norma os cleptomaníacos sentem muita ansiedade ao observar determinado objeto — p.ex., “a coisa pública” — que desejam furtar, sendo esta vontade incontrolável. A necessidade de voltar a roubar torna-se iminente para o cleptomaníaco, mesmo ocupando cargos públicos com alta remuneração — e tendo já acumulado malas de dinheiro vivo!

Vários fatores podem influenciar o surgimento de comportamentos cleptomaníacos, desde biológicos, sociais, culturais, entre outros. Mas a cleptomania não é um transtorno de conduta, um transtorno de personalidade ou consequência de nenhuma outra patologia mental. É apenas o peemedebismo!

Em “ato falho” no “país-da-piada-pronta”, Eduardo Cunha — presidiário arquiteto do golpe parlamentarista do “quadrilhão do peemedebismo” contra a Presidenta Dilma — nomeou para vice-presidente da Caixa um sujeito cujo sobrenome é Cleto! Predestinado!

Também Moreira Franco e Geddel Quadros Vieira Lima, notórios políticos brasileiros, filiados ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro, foram VPs da Caixa. Aecinho, quando era surfista carioca, na época de poder do vovô da dinastia Neves também foi. Snif, snif… Queimaram essa linha no meu currículo profissional… 😦 Continue reading “Efeito Cleptomania do “Quadrilhão”: Plano Neoliberal Maquiavélico”

Quem disse “não temer impopularidade” teme a democracia eleitoral

É divertido ver o desespero da centro-direita brasileira ao constatar nas pesquisas eleitorais que seus candidatos não decolam. Com sua parcialidade característica o Editorial da FSP (01/10/17) registra: “O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, um dos nomes que poderiam ocupar essa faixa, ainda disputa com o prefeito paulistano João Doria a candidatura do PSDB. Nos diversos cenários, ambos aparecem em posição equivalente, sem superar 10% das intenções. É plausível que candidaturas moderadas venham a conquistar terreno na disputa. Afinal, parte relevante do eleitorado evita os extremos do espectro ideológico, aproximando-se do centro. Se confirmada, a expectativa de aceleração da economia no próximo ano também concorre, em tese ao menos, para esvaziar radicalismos”. Snif, snif… Como fazer voar meus tucanos?

Veja como o “neutro” Editorial torce (e distorce) contra o líder de todas as pesquisas, ou seja, o candidato mais popular, Lula. Afirma que sua popularidade é “por ter governado em época de vacas gordas”! Ora, “o olho do dono engorda os bois”… 🙂

Os paulistanos esnobes não conseguem entender o que denominam de “populismo”, isto é, quem beneficia o povo tem logicamente maior preferência popular em relação a “quem não se importa com a impopularidade”. Veja o ódio popular ao governo temeroso que o PIG colocou no Poder. E ainda quer eleger gente aliada a ele!

Fracasso da Perseguição Política contra Lula

Ricardo Mendonça (Valor, 26/09/17) informa que a pesquisa do instituto Ipsos recém divulgada não traz boas notícias para o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB). Pudera, entre outros malfeitos, o Santo (codinome na Odebrecht) não reajusta seu salário há cinco anos para se travestir de uma persona fake, a de “caçador de marajás” — já vimos esse filme com Collor — na próxima campanha presidencial. Impõe assim um teto de reajustes em carreira acadêmica baseada em mérito, medido por defesas de teses e publicações em concursos. Ele está destruindo as universidades estaduais paulistas!

Entre os presidenciáveis assumidos e os nomes publicamente cotados para 2018, o tucano pode ser considerado o campeão absoluto em desaprovação. Conforme o levantamento, feito entre os dias 1o e 14 de setembro, 75% dos brasileiros desaprovam a forma como Alckmin vem atuando. Avaliações positivas somam 13%.

A Ipsos fez esse tipo de teste mensalmente com diversos nomes de destaque do meio político, inclusive com figuras que não podem ou não pretendem concorrer nas próximas eleições.

A taxa de desaprovação a Alckmin o coloca em uma posição ligeiramente melhor que a da ex-presidente Dilma Rousseff (78% de desaprovação devido ainda ao recall do golpe) e um pouco pior que a do senador pemedebista Renan Calheiros (72%), um dos principais alvos de manifestações de rua desde 2013.

Como a margem de erro do levantamento é de três pontos percentuais para mais ou para menos, é possível afirmar que, em desaprovação, Alckmin está empatado com a petista e com o pemedebista alagoano. Continue reading “Fracasso da Perseguição Política contra Lula”

Temer, O Mais Odiado; Lula, O Mais Popular


Nunca houve um presidente tão odiado quanto o golpista Temer. Confira na pesquisa abaixo que o Presidente Lula é o político mais popular. Se os golpistas não derem um segundo golpe na democracia brasileira, impugnando sua candidatura, ele vencerá em segundo turno todos os potenciais concorrentes. Isto apesar da campanha midiática intensa contra ele, a perseguição política dos procuradores e do justiceiro, e o desespero do high society

Como high society ficou conhecida a chamada “classe alta”, ou seja, um grupo formado por pessoas com alto poder aquisitivo e financeiro, além de terem um destaque em coluna social. No Brasil, esta expressão passou a ser bastante popular para designar a alta burguesia, formada por pessoas com muito dinheiro e que frequentam ambientes elitistas.

Os “coxinhas” — “baba-ovos” tipicamente conservadores da classe média — se caracterizam por admiração inautêntica por tudo aquilo que está em voga nos ambientes de gente inculta que se imagina “refinada”. Têm uma tendência para desprezar os humildes e apreciar exageradamente a elite econômica. Demonstram falsa e exagerada superioridade, pernosticismo, afetação. Por exemplo, é visível o esnobismo intelectual na subcasta dos economistas neoliberais. Eles vivem pregando em favor da prioridade concedida a evitar “eutanásia dos rentistas”, via inflação, e a insolvência do governo, i.é, a incapacidade de pagamento da dívida pública.

Leia a pesquisa completa:  Relatório Síntese da Pesquisa CNT-MDA 134 – 13 a 16 set 2017

Rede Atlas: Financiamento da Direita Golpista Brasileira


A história da Rede Atlas e seu profundo impacto na ideologia e no poder político nunca foram totalmente contadas. Mas os registros de negócios e os registros políticos em três continentes, juntamente com entrevistas com líderes neoliberais em todo o hemisfério, revelam o alcance de sua influente história.

A rede neoliberal, que reestruturou o poder político em país após país, também funcionou como uma extensão silenciosa da política externa dos EUA, com os think tanks associados ao Atlas recebendo financiamento silencioso do Departamento de Estado e do National Endowment for Democracy, um braço de soft power americano.

Embora as investigações recentes tenham esclarecido o papel de bilionários conservadores poderosos, como os irmãos Koch, ao desenvolver uma “versão amistosa” do pensamento neoliberal, a rede Atlas, que recebe financiamento das fundações de Koch, recriou métodos aprimorados no mundo ocidental para países em desenvolvimento. Continue reading “Rede Atlas: Financiamento da Direita Golpista Brasileira”

Plano B

A CNTU colocou em discussão, na sua 11ª Jornada Brasil Inteligente, realizada em 18 de agosto de 2017, no auditório do Sindicato dos Engenheiros no Estado de São Paulo (Seesp), os caminhos para se chegar ao Bicentenário da Independência, em 2022, com empregos decentes e desenvolvimento sustentável. Ciro Gomes falou sobre os entraves que inibem o crescimento brasileiro à abertura da Jornada Brasil Inteligente.

Vale a pena examinar suas ideias. Caso seja dado um golpe judicial na candidatura mais popular do Lula, talvez Ciro Gomes, aliado com o Fernando Haddad, seja a melhor alternativa para os eleitores de centro-esquerda. Anular o voto como forma de protesto contra  o novo golpe na democracia brasileira não me parece ser sensato face à perspectiva de facilitar a eleição de um candidato da direita, seja neoliberal, seja neofascista.

A tarefa de elaborar um projeto de Nação para a economia brasileira voltar a crescer a renda e oferecer empregos, como salientou à abertura a presidente em exercício da entidade, Gilda Almeida, “é fundamental no momento em que o País enfrenta o desemprego crescente e a desindustrialização”. Para ela, à confederação se apresenta o desafio de participar do processo de enfrentamento de políticas errôneas “para sairmos vitoriosos”.

Continue reading “Plano B”