Mil Dias da Era Bosolítica: Nada a Comemorar pelo Povo Lascado

Editorial do Valor (28/09/21) manda a ver bem!

Mil dias de governo de um presidente como Jair Bolsonaro parecem uma eternidade. Em contraste, foi rápida a queda do véu eleitoral do candidato da “nova política”, inimigo da corrupção e liberal empedernido e a volta à realidade de um político sedento de poder, autoritário e corporativista da velha guarda, envolto em suspeitas de “rachadinhas” com seus filhos e ex-esposa.

Bem no início de seu governo, Bolsonaro anteviu sua obra: “O Brasil não é um terreno aberto onde nós pretendemos construir coisas para o nosso povo. Nós temos é que desconstruir muita coisa”, disse. “Para depois começarmos a fazer” (17-3-2019). O capítulo da destruição segue avançado e inconcluso.

O presidente abriu seu mandato eliminando o Ministério da Cultura, hoje apêndice do Turismo, e seguiu em frente rumo à aniquilação da educação. As escolhas pessoais dos ministros da área seriam folclóricas, se não fossem letais.

O primeiro deles, Ricardo Vélez Rodríguez, durou três meses, tempo bastante para mostrar sua bizarra incapacidade para o cargo, sabujice e, claro, falta de educação. Um mês após assumir ordenou aos diretores de escolas que filmassem os alunos cantando o Hino Nacional e citando o lema da campanha eleitoral de Bolsonaro. Será lembrado pela entrevista à revista Veja, revelando ternura pelos cidadãos do país. “O brasileiro viajando é um canibal”, disse. “Rouba coisas do hotel (…), acha que sai de casa e pode carregar tudo”. A associação entre roubo e canibalismo é pouco frequente.

Seu sucessor, o indescritível Abraham Weintraub, inapto para o trabalho e hoje em uma sinecura bem-remunerada no Banco Mundial, achou que sua tarefa era agredir supostos inimigos do governo. “Botava esses vagabundos todos na cadeia, começando no STF”, disse, e saiu às pressas do país.

O atual ministro, Milton Ribeiro, assumiu em plena pandemia e só deixou traços de sua presença quando resolveu dar palpites, como o de que as universidades, por meio do pensamento existencialista, incentivam sexo “sem limites”. Ribeiro esteve ausente o tempo todo e nenhuma grave questão do ensino, entre muitas – ensino à distância, reabertura das escolas, etc – mereceu sua atenção.

Da educação, uma unanimidade, depende o futuro do país, e o país, com Bolsonaro, retrocedeu. O presente, que continua sendo a pandemia e quase 600 mil cadáveres, foi igualmente desprezado. Bolsonaro trocou ministros no auge da mortandade e nomeou um neófito, o general Eduardo Pazuello, um desastre anunciado.

O governo recusou-se a comprar vacinas, enquanto uma rede de aproveitadores, com conexões em um ministério repleto de militares, tentou extorquir dinheiro com esquemas malandros de obtenção de vacinas, como revelou a CPI. Bolsonaro até hoje diz que o kit covid é eficaz, ao contrário das vacinas, das quais desconfia, e que houve supernotificação das mortes por covid-19 nos hospitais.

Na economia, após uma reforma da previdência que já vinha andando do governo anterior, o liberalismo fake do presidente fez estrago. O ministro Paulo Guedes tentou com sua PEC Emergencial (5 de novembro de 2019) fazer três reformas em uma – só criou confusão sobre as prioridades e a PEC foi tosqueada pelo Congresso. O ministro tornou-se cabo eleitoral de Bolsonaro, e a economia segue o ritmo de cágado herdado, sem que suas ações tenham feito diferença relevante.

Bolsonaro mal completou três semanas no cargo até que viessem à tona depósitos de R$ 24 mil na conta da primeira dama, feitos pelo amigo miliciano Fabrício Queiroz, envolvido em processo de ‘rachadinhas’ que tem como protagonista Flavio Bolsonaro – investigação semelhante é feito sobre o vereador Carlos Bolsonaro. Ao mesmo tempo, descobriu-se o laranjal do PSL, com suspeitas sobre o ministro do Turismo, Marcelo Antônio. Em vez de afastá-lo, Bolsonaro ejetou do governo o ministro da Justiça, Sergio Moro, que impediu Lula de concorrer contra Bolsonaro.

Após ataques sem parar contra a democracia, culminando com as manifestações de 7 de setembro, Bolsonaro tem à frente popularidade em declínio, inflação em alta, perspectiva de crescimento medíocre e uma crise hídrica grave.

Abraçado às forças do atraso no Congresso, o presidente, que prometeu acabar com a reeleição, só pensa nisso e afirmou: “Eu sempre fui do Centrão”. Sua piromania na Amazônia e em outros biomas impede o Brasil de se engajar em outra agenda do futuro.

Em retrospecto há poucas coisas a comemorar e uma é certa: Bolsonaro foi impedido de fazer quase tudo o que pretendia. Mas não desistiu ainda.

Ana Inoue é superintendente do Itaú Educação e Trabalho. Angela Dannemann é superintendente do Itaú Social. Ricardo Henriques é superintendente executivo do Instituto Unibanco. Publicaram artigo (Valor, 28/09/2021) apresentado um diagnóstico do estado lastimável da Educação brasileira sem política pública coordenadora do MEC.

Estamos vivendo neste segundo semestre de 2021, pela primeira vez durante a pandemia, um momento de mais esperança na educação pública brasileira. Finalmente as escolas abriram as portas para a retomada gradual do ensino presencial, depois de um período marcado por perdas, incertezas e, principalmente, pelo aprofundamento das desigualdades. Agora temos de nos unir em torno de estratégias que acelerem a recuperação da aprendizagem para que nossas crianças, adolescentes e jovens possam ter oportunidades de um futuro mais próspero, apesar da crise que ainda estão vivenciando.

A pandemia interrompeu os avanços em curso no Brasil. Enquanto escolas de países como Alemanha, Reino Unido e França ficaram apenas três meses fechadas, o Brasil é um dos países que por mais tempo funcionou apenas com o ensino remoto: 13 meses. O resultado disso é a perda de aprendizagem e o aumento no risco de abandono e evasão. O gap educacional será sentido ao longo de décadas na economia, podendo levar a uma perda de renda futura dos jovens de até R$ 40 mil por indivíduo, de acordo com levantamento do Instituto Unibanco e Insper. O mesmo estudo aponta que, durante a pandemia, os alunos do 3o ano do Ensino Médio, por exemplo, tiveram uma perda de aprendizagem estimada em 74%.

O cenário delineado por pesquisa do Datafolha, realizada a pedido do Itaú Social, Fundação Lemann e BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), também trouxe números preocupantes em relação à alfabetização. Os responsáveis disseram que os estudantes matriculados nos três primeiros anos do Ensino Fundamental não aprenderam nada de novo (29%) ou desaprenderam o que já sabiam (22%).

Ao entrar nesta nova fase da educação na pandemia, precisamos estabelecer um pacto nacional em prol da equidade, considerando todas as perdas dos grupos mais vulneráveis. Enquanto no Brasil 40% dos estudantes não estão evoluindo nos estudos, estão desmotivados e podem desistir da escola, esse índice é ainda maior quando falamos de negros (43% versus 35% para brancos); matriculados em área rural (51% versus 39% urbana); localizados na região Nordeste (50% versus 31% região Sul) e escolas de baixo nível socioeconômico (43% versus 33% escolas com alto nível).

Apesar de assustadores, os impactos poderiam ter sido piores se não fossem os esforços das redes de ensino para a continuidade do aprendizado. É preciso destacar o importante papel dos professores, o maior vínculo entre alunos e escola, que buscaram se adequar às novas tecnologias para propor atividades que prendessem a atenção dos estudantes.

Por falar em tecnologia, este foi o principal legado da pandemia e que seguirá sendo a base das estratégias para recuperação da aprendizagem. O ensino híbrido é uma realidade hoje e no futuro. Governos estaduais estão planejando ampliar atividades de ensino remoto e já aperfeiçoaram suas plataformas. De acordo com o IEAD (Índice de Ensino a Distância), elaborado pela Rede de Pesquisa Solidária, os Estados tiveram uma nota de 2,7 em 2020 e 5,2 neste ano. É evidente que Estados mais ricos tiveram programas de ensino remoto mais ambiciosos. Sem uma estratégia coordenada pela esfera federal, o socorro fiscal a Estados mais pobres ficou prejudicado, o que poderia ter evitado o crescimento de desigualdades regionais.

A mesma fragilidade ocorre nas redes municipais. Estudo do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) mostrou que as escolas municipais tiveram piores condições no ensino híbrido. Enquanto 72,8% das escolas estaduais ofereceram aulas ao vivo, por exemplo, apenas 31,9% das redes municipais fizeram uso deste recurso. Por isso, é urgente articular a implementação de políticas públicas de acesso à internet para a educação. Uma destas políticas recentes, aprovada pela lei 14.172/21, encontra dificuldades na liberação de R$ 3,5 bilhões para contratação de serviços de internet e compra de equipamentos (celulares e tablets) para as redes.

Além da conectividade, há outras estratégias fundamentais para a retomada, como a busca ativa escolar, considerada como prioridade por 60% das redes municipais, segundo o último levantamento da Undime (União dos Dirigentes Municipais de Educação). Ela tem como objetivo apoiar os governos na identificação de crianças e adolescentes fora da escola, rematriculá-los e acompanhá-los para garantir a permanência do vínculo escolar. Temos ainda que continuar apoiando os gestores escolares e professores em estratégias de flexibilização curricular, na formação dos profissionais e nas avaliações diagnósticas dos estudantes, apoiando o acolhimento pós-retorno, o planejamento de estratégias de recuperação e a aceleração de aprendizagens.

Temos que destacar ainda que, mesmo com o avanço da vacinação, a pandemia não acabou. É imprescindível manter protocolos de segurança com o uso correto de máscaras, priorização de ambientes bem ventilados, limites de distanciamento e rotinas de higienização. Medidas, que devem ser continuamente discutidas pela comunidade escolar.

Nesse sentido, governos precisam garantir as condições de implementação desses protocolos nas escolas, tanto com recursos financeiros e técnicos, quanto pela articulação com os órgãos de saúde. Parceiros no território do entorno da escola, como organizações sociais e equipamentos públicos de cultura e esporte, podem ser aliados nesse processo, permitindo ainda oferecer uma educação integral, que contemple as necessidades cognitivas, mas também físicas, sociais e emocionais dos estudantes.

Ao passo que as escolas garantam um ambiente sanitário seguro, é preciso se preocupar com o acolhimento dos profissionais da educação, dos estudantes e das famílias, que passaram por uma alta sobrecarga psicológica, porém, trarão na bagagem descobertas pessoais e aprendizados além de qualquer currículo escolar. Este segundo semestre será determinante para o Brasil como um todo e não podemos mais adiar o processo de recuperação das perdas de aprendizagem. Os impactos da pandemia foram cruéis, mas não irreversíveis, desde que todos nós ajamos coletivamente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s