Invenção do Mito Fundador da Nação Israelita

Shlomo Sand

Sholomo Sand, no livro A Invenção do Povo Judeu: da Bíblia ao Sionismo (São Paulo: Benvirá; 2011) ironiza o caso da historiografia judaica ao reinventar a história com o mito fundador: “figuram apenas verdades sólidas e precisas”.

Cada israelense sabe, “sem sombra de dúvida”, que o povo judeu existe desde que recebeu a Torá no Sinai e do qual ele próprio é o descendente direto e exclusivo (com exceção das dez tribos cuja localização ainda não está concluída). Cada um está persuadido de que esse povo saiu do Egito e se fixou na terra de Israel, “Terra Prometida” que ele conquistou e sobre a qual foi erigido o glorioso reino de Davi e Salomão, antes que acontecessem sua divisão e a fundação dos reinos de Judá e de Israel.

Da mesma forma, cada um tem a certeza de que esse povo, depois das horas de glória, conheceu o exílio por duas vezes: uma vez depois da destruição do Primeiro Templo, no século VI a.C. e uma segunda depois da destruição do Segundo Templo, no ano 70. O povo judeu havia conseguido, anteriormente, estabelecer o reino hebreu dos hasmoneus, após ter rejeitado a má influência dos gregos.

Esse povo, ao qual se identifica o judeu israelense e que ele vê como o mais antigo dentre os povos, conheceu a errância do exílio durante quase 2 mil anos, ao longo dos quais nem se enraizou nem se miscigenou aos “gentios” ao lado dos quais viveu. [Ironia…]

Esse povo sofreu uma grande dispersão: suas sofridas tribulações o levaram ao Iêmen, ao Marrocos, à Espanha, à Alemanha, à Polônia e até aos confins da Rússia, mas sempre conseguiu preservar vínculos estreitos de sangue entre suas comunidades afastadas, de forma que sua unicidade não se viu alterada. [Ironia…] Continuar a ler

Macroeconomia

Circulation_in_macroeconomics.svg

A grande massa de informações e dados numéricos de um sistema de estatísticas macroeconômicas pode ser de difícil interpretação. Propõe-se o uso, para países da América Latina, de um indicador composto que incorpora indicadores-chave do balanço de pagamentos, moeda e finanças, finanças públicas, etc. A análise de séries de longo prazo permite compreender a dinâmica macroeconômica subjacente. (“The use of key indicators to assess Latin America’s long­term economic performance” ­ Stefanie Garry e Francisco G. Villarreal)

http://bit.ly/1BzWp14

Download document(s)

This document belongs to the following collection(s):

Continuar a ler

A Invenção do Povo Judeu

 

A Invenção do Povo JudeuA Invenção do Povo Judeu: da Bíblia ao Sionismo (São Paulo: Benvirá; 2011) ficou 19 semanas na lista de livros mais vendidos em Israel, em 2008. Ele é alvo de polêmica acirrada onde quer que seja lançado. Neste trabalho iconoclasta, ao questionar a identidade dos judeus como nação, o historiador Shlomo Sand, assumidamente judeu, sugere as bases para uma nova visão do futuro político da “Terra Prometida”.

Amparado em farta pesquisa, apresentada em 555 páginas, o autor questiona o discurso historiográfico canônico e formula a tese de que os judeus sempre formaram comunidades religiosas importantes em diversas regiões do mundo, mas não constituem uma nação portadora de uma origem única. O conceito de Estado-Nação é, portanto, posto em xeque, assim como a ideia de Israel como um Estado pertencente aos judeus do mundo todo – aqueles que escolheram outra pátria em vez de retornar à terra de seus ancestrais.

Para o autor, Israel deveria reconhecer seus habitantes, sejam eles israelenses ou palestinos. Publicado em dez línguas, este é um livro questionador, e por isso mesmo necessário, assim como todos os que se propõem a lançar novas luzes sobre a História e seus mitos. Continuar a ler

Finanças Islâmicas: “Entrar em ROSCA” (Associações Rotativas de Crédito e Depósitos)

Sukuk

Recebi a seguinte mensagem de um seguidor: “descobri seu blog faz pouco tempo e estou sempre acompanhado. Confesso que não entendo alguns posts, pois sou formado em Ciências da Computação e meu conhecimento sobre economia ainda é básico, mas muitos trazem informações diversas e de fácil compreensão.

Bom, na verdade eu enviei este e-mail porque me surgiu algumas dúvidas quanto a reportagem do “Estadão” abaixo:

Finanças Islâmicas vivem boom apesar da religião proibir pagamento de juros

Eu não entendi muito o que é uma ROSCA. Você poderia escrever um post sobre isso ou me esclarecer algumas dúvidas?

Eu entendi que a pessoa faz o depósito nesta conta conjunta e deixa o dinheiro a disposição de outros, porém não tem retorno sobre isso, o foco é só ajudar e estimular que as pessoas que foram ajudadas prossigam com a ideia. É isto mesmo? Quem deixou o dinheiro a disposição pode retirá-lo depois? A pessoa que deixou o dinheiro à disposição dos outros perderia dinheiro por conta da inflação, pois pelo que entendi não existe ganho sobre isso, certo?

Espero que possa me esclarecer sobre essa dúvida, assim como já fez com vários de seus posts.

Parabéns pela qualidade das informações e pela frequência de atualização do blog.”

A reportagem citada, em resumo, era a seguinte. Continuar a ler

Dívida e (não muita) Desalavancagem

Ritmo mais fraco do G20

Sérgio Lammuci (Valor, 09/02/15) informa que o crescimento global pode sofrer forte desaceleração nos próximos 50 anos, devido à perspectiva de queda expressiva no ritmo de expansão da força de trabalho, aponta um estudo do McKinsey Global Institute (MGI) — leia abaixo. Após avançar à média de 3,6% entre 1964 e 2014, as 20 principais economias do mundo enfrentam o risco de crescer a uma taxa 40% mais baixa até 2064, de 2,1% ao ano, por causa do aumento muito mais fraco da população, que aponta para uma evolução modesta do emprego.

Para evitar esse destino, é necessário um salto de 80% na taxa de crescimento da produtividade, de 1,8% para 3,3% ao ano no caso do grupo das 20 principais economias – o G-19 (o G20 menos a União Europeia) mais a Nigéria, segundo o MGI. Isso faria o mundo manter o ritmo de avanço dos últimos 50 anos. Para o instituto, uma forte aceleração dos ganhos de eficiência é um desafio, mas possível.

Entre 1964 e 2014, as 20 principais economias do mundo, responsáveis por quatro quintos do PIB global, viram o emprego crescer 1,7% ao ano e a produtividade, 1,8%. Em resumo, cada um desses fatores explica cerca de metade da expansão média de 3,6% ao ano. “Em 1964, a economia global inteira era do tamanho da China hoje. Agora, ela é seis vezes maior”, diz Jaana Remes, sócia do MGI.

Continuar a ler

Objetivo Crescimento

Indicadores de Crescimento 2003-2008-2013

Assis Moreira (Valor, 09/02/15) informa que a redução da significante diferença de renda per capita entre o Brasil e os países ricos estagnou, principalmente por causa da fraca produtividade do trabalho. O país está ficando atrás de outros grandes emergentes, segundo mostra um relatório da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE).

OECD’s 2015 Going for Growth: Breaking the vicious circle
Remarks by Angel Gurría, OECD Secretary-General

Editorial: Breaking the vicious circle

Executive Summary

Press release

This year’s report launches on the first day of the G20 finance ministers’ meeting in Istanbul, Turkey. It identifies and assesses progress that countries have made on key reforms to boost long-term growth, improve competitiveness and productivity and create jobs. Read the book online

G20: Framework for Strong, Sustainable and Balanced Growth
Remarks by Angel Gurría, OECD Secretary-General

A entidade sugere que o Brasil, para elevar a produtividade e a competitividade, precisa:

  1. reduzir tarifas de importação,
  2. eliminar gradualmente exigências de conteúdo local e
  3. implementar de fato os projetos de infraestrutura.

É a velha pauta liberalizante da casta dos comerciantes-financistas, apresentada como fosse um consenso dos sábios economistas tecnocratas, sem contemplar os interesses nacionalistas dos guerreiros-militares e dos trabalhadores organizados. Só foi acrescentada, recentemente, do efeito desemprego para aumento da produtividade dos trabalhadores, i.é, produzem o mesmo com menos… e aumenta a produtividade!

Continuar a ler

Concurso para Professor Titular da UNICAMP

Conceição

Prezados Seguidores,

o dia 2 de março de 2015 foi um dia especial para mim. Prestei o Concurso para Professor-Titular da UNICAMP. Simboliza atingir o topo da carreira acadêmica.

Acredito que também foi um dia especial para todos (mais de 50 pessoas) que participaram do jantar em homenagem à Conceição. Foram dados muitos depoimentos espontâneos, afetivos, bem humorados e emocionados sobre como ela mudou a vida de quem falava.

Meu concurso para Professor-Titular, então, foi ótimo!

Se a nota significar alguma coisa, os 5 membros da banca deram-me a média 10 em currículo, 10 em didática e 9,9 no memorial. A Professora Maria da Conceição Tavares conferiu-me 10 nos 3 quesitos.

Jamais esquecerei tanta emoção.

Vou compartilhar algumas anotações do que me foi dito na Arguição.

A Professora Maria da Conceição Tavares disse que meu “currículo é espetacular”! Comentou que meu “memorial acadêmico fugiu do lugar-comum ao defender duas teses, uma sobre Ensino, outra sobre Pesquisa, reunindo muldisciplinaridade” e “memórias contadas como um trovador”. Contei “estórias desiguais, mas combinadas”. Registrou que “as teses foram bem defendidas”.

O Professor João Antônio de Paula dirigiu-me uma pergunta-chave, cuja resposta vai merecer uma reflexão até o fim da minha vida: “Se você pudesse refazer sua trajetória pessoal, faria tudo de novo? Escolheria a mesma profissão? Estudaria tudo de novo?”. Em referência ao meu Manifesto da Tropicalização Antropofágica Miscigenada, inspirada em Oswald de Andrade, ele citou uma brilhante ideia do Manifesto do Pau-Brasil, anterior ao Manifesto da Antropofagia: “a contribuição milionária de todos os erros”. Será que aprendemos com nossos erros?

O Professor Luiz Fernando de Paula perguntou-me: “por que você está prestando o Concurso para Titular só agora, já que tem reputação como um intelectual senior, com trajetória muito reconhecida, há muito tempo?“.

A Professora Ana Célia Castro disse-me: “gostei muito de participar e de poder compartilhar da sua reflexão fecunda, iconoclasta e sobretudo criativa”. Acrescentou: “você conseguiu expressar suas angústias intelectuais, fazendo perguntas-chaves existenciais”. Continuar a ler