Golpistas Direitistas: Anticomunistas Anacrônicos sob o Lema Fascista “Deus, Pátria e Família”

José de Souza Martins_ Agitação direitista em acampamento-manicômio _ Eu & _ Valor Econômico (20/01/23)

Por José de Souza Martins: sociólogo, professor emérito da Faculdade de Filosofia da USP, professor da Cátedra Simón Bolívar da Universidade de Cambridge, e fellow de Trinity Hall.

José de Souza Martins_ Agitação direiti…oso manicômio _ Eu & _ Valor Econômico

As ocorrências extralegais e paralelas no próprio dia da posse do novo presidente da República e a baderna insurrecional da invasão de Brasília e dos edifícios dos Três Poderes, no dia 8 de janeiro, em seus desdobramentos e consequências, fazem revelações sociológica e politicamente decisivas para conhecer os inimigos da democracia e do país. Revelam não só o conjunto de uma trama golpista, mas principalmente a estrutura social do movimento e a diferença entre agitadores, protagonistas, promotores e protetores, vários deles secretos. Não se trata de acaso, mas de poder paralelo e organizado.

A identificação dos presos em Brasília, no dia 8, faz revelações da maior importância para definir e compreender o perfil social dos envolvidos. É gente de baixa classe média, não só pelos recursos minguados da maioria visível, mas também pela ignorância sobejamente demonstrada no ataque aos palácios como se fosse ataque ao novo governo. Governo não é um prédio nem uma parede, assim como democracia não é baderna.

Continuar a ler

Desempenho do Mercado de Capitais em 2022: Recorde em Renda Fixa X Fuga de Capitais aplicados em Renda Fixa com MtM (Market-to-Market)

As emissões das empresas nacionais em instrumentos de renda fixa somaram R$ 457 bilhões em 2022, o que representa avanço de 6,6% sobre 2021. O volume é o maior da nossa série histórica de mercado de capitais, iniciada em 2012, e foi puxado pelas ofertas de debêntures, que totalizaram R$ 271 bilhões no período – resultado que também é recorde.

Mesmo diante de desafios nos cenários interno e externo, a renda fixa teve um bom desempenho em 2022, o que demonstra a força e a maturidade que o mercado de capitais doméstico atingiu nos últimos anos. Com essa evolução, além das debêntures, há outros instrumentos ampliando participação no financiamento das empresas, como as notas comerciais, os CRIs (Certificados de Recebíveis Imobiliários) e os CRAs (Certificados de Recebíveis do Agronegócio).

No mercado de securitização, os CRIs totalizaram R$ 50,3 bilhões no ano, resultado que representa alta de 48,5% sobre 2021. Foram 677 operações, contra 623 no ano anterior. Os CRAs somaram R$ 40,8 bilhões, com avanço de 62,4%. O número de operações também cresceu na mesma base de comparação, passando de 185, em 2021, para 302. Os resultados dos CRIs e dos CRAs também são recordes da série histórica. Já os FIDCs (Fundos de Investimento em Direitos Creditórios) tiveram queda de 49,9% em relação a 2021, para R$ 46,2 bilhões.

Continuar a ler

Meta de Finanças Pessoais: Independência Financeira

Michael Viriato é assessor de investimentos e sócio fundador da Casa do Investidor. Escreveu a coluna abaixo (FSP, 06/01/23), útil para uso didático.

Para calcular qual seu objetivo de patrimônio financeiro para viver de renda, são necessários três dados:

1. o retorno no período de usufruto da renda do patrimônio,

2. o valor desejado para ter a renda mensal e

3. o prazo durante o qual deseja viver de renda.

É necessário aprender a estimar sua taxa de retorno no período de usufruto da renda. Para o prazo desejado viver de renda, seja cauteloso e considere você viver pelo menos até os 95 anos. Para definição deste período, você também precisa definir o momento quando deseja começar a receber a renda. O prazo desejado é a diferença entre 95 e a idade pretendida para alcançar a independência financeira.

Resta apenas selecionar o valor desejado receber mensalmente. Seja realista e ao mesmo tempo conservador. Considere, no primeiro momento, um valor 20% acima de suas despesas mensais neste momento. Lembre-se, o plano será revisado no futuro. Assim, se suas despesas mensais são de R$ 10 mil, considere uma renda alvo de R$ 12 mil.

Para chegar ao valor objetivo, use uma calculadora financeira. Se você colocar nos buscadores de internet a palavra “HP 12 C emulador” vai encontrar uma série de alternativas. Viriato costuma usar a disponível no link.

Continuar a ler

Previdência Privada perde perde investimentos com inflação e juros altos

Previdência perde fôlego com inflação e juros altos _ Finanças _ Valor Econômico (16/01/23)

O ano de 2022 foi mais de “rouba-monte” na previdência complementar do que de dinheiro novo, e 2023 tem elementos para repetir essa dinâmica. O setor guarda relação estreita com a atividade econômica, e fatores como juros altos e inflação consomem poder de compra e a capacidade de poupança da população. Mas são justamente os momentos de taxas elevadas considerados os melhores para se construir reservas para a aposentadoria, valendo-se da capitalização do dinheiro no tempo. A renda fixa tem liderado a preferência dos investidores.

Olhando-se a fotografia dos fundos que acolhem os recursos dos planos privados de previdência, a captação líquida totalizou R$ 13,0 bilhões no ano passado, um recuo de 2,5% em relação a 2021, com o patrimônio do segmento chegando a R$ 1,2 trilhão, segundo a Anbima, que representa o mercado de capitais e de investimentos. Em termos nominais, é o pior desempenho desde 2008.

Pelos números parciais de portabilidade da Susep, o regulador do setor de seguros e previdência, mais de R$ 40 bilhões tinham trocado de mãos, conforme as estatísticas disponíveis em novembro.

Continuar a ler

Investidor institucional tem a menor participação na bolsa em 12 anos

Fonte: Investidor institucional tem a menor participação na bolsa em 12 anos _ Finanças _ Valor Econômico (16/01/23)

Em um cenário de juros reais e nominais elevados, sem perspectiva de uma reversão no curto prazo, e ainda sofrendo com saques de cotistas, o investidor institucional – nesse caso, basicamente fundos de investimentos – tem encolhido progressivamente sua participação na bolsa brasileira. Depois de atingir um pico, ao responder por uma fatia de 35,2% dos negócios em 2019, a categoria viu sua participação ser reduzida a 23,7% no último dia 11, o menor percentual em 12 anos, mostra levantamento do Valor Data.

O movimento é oposto ao do investidor internacional. Mais otimista com o Brasil e com emergentes como um todo, por conta da reabertura da economia chinesa e do enfraquecimento do dólar com um possível fim do ciclo de aperto do Federal Reserve mais próximo, os estrangeiros registram agora 55,8% de participação na bolsa, o maior patamar desde o início da série histórica em 1994 – em 2019, essa fatia era de 42,6%.

O saldo de aportes dos não residentes no segmento secundário da B3 (ações listadas) no ano já era de R$ 1,54 bilhão até o dia 11, enquanto os institucionais acumulavam saques de R$ 965,9 milhões. No ano passado, o saldo foi positivo em R$ 100,8 bilhões para o estrangeiro e negativo em R$ 142,5 bilhões para o segundo grupo.

Parte da movimentação dos institucionais é explicada pelo próprio desempenho da indústria doméstica de fundos no ano passado, quando houve resgates em todas as modalidades – R$ 158,1 bilhões nos multimercados e de ações, e outros R$ 48,9 bilhões nos de renda fixa. Ou seja, os gestores tiveram que se mexer diante desse cenário.

Continuar a ler

Perfil da Massa de Manobra da Extrema-Direita

Ilustração Miguel Paiva

Assisti, no HBO Max, o documentário (150 minutos) “O Ataque ao Capitólio”. Mostra imagens detalhadas dos violentos confrontos com policiais, ocorridos em 6 de janeiro de 2021, quando uma turba da extrema-direita norte-americana invadiu o Capitólio dos Estados Unidos. Inclui entrevistas com membros do Congresso e dos invasores, além de relatos exclusivos de jornalistas, policiais e socorristas.

É muito impactante emocionalmente o recordar, face ao distanciamento histórico de dois anos e à proximidade temporal da repetição tupiniquim. Ambos foram instigados pelo não reconhecimento da derrota eleitoral pelos presidentes da República. Lá como cá, os populistas de direita não foram reeleitos e, em vez de assumir sua incompetência governamental, instigaram um quebra-quebra no Poder Legislativo.

“A história se repete, a primeira vez como tragédia e a segunda como farsa”, escreveu Karl Marx no livreto “Dezoito Brumário de Louis Bonaparte”, publicado em 1852. Talvez não existam palavras mais apropriadas para nomear o vandalismo na Praça dos Três Poderes em Brasília.

Farsa é uma modalidade burlesca de peça teatral, caracterizada por personagens e situações caricatas”. O burlesco provoca riso ou zombaria por extravagância ou ridículo.

Causa riso a caricatura de, no caso, uma revolta de um segmento social imaginada como fosse uma revolução. Os extremistas de direita deram-na um tratamento grotesco.

A palavra “burlesco” é de origem italiana. Deriva da palavra burla, com significado de “piada”, “ridículo” ou “zombaria”. Há inúmeras gravações, em vídeos encontrados no YouTube, com as cenas risíveis dos chamados “patriotários”.

Vejo-os e, logo, indago mentalmente: qual é o perfil socioeconômico dessa gente? Em suas aparências – veja em https://www.instagram.com/contragolpebrasil/ –, de imediato, vem a primeira impressão preconceituosa: como são feios! E ainda fazem caretas ou poses para as câmeras! Mas eles não se enxergam assim por causa do exacerbado narcisismo: amor pela própria imagem.

Continuar a ler

Finanças Pessoais: Gurus Influencers X Economistas

Finanças pessoais_ quem está certo, os … economistas_ _ Eu & _ Valor Econômico

Tim Harford (Financial Times 17/01/2023) escreveu a coluna abaixo.

A bem da verdade, eu não enfrentei problemas financeiros imediatamente após ter terminado meu mestrado em economia. Levou meses para isso acontecer. Eu tinha um emprego bem-remunerado para diplomados nesse nível e vivia dentro do que o meu orçamento me possibilitava. Então, como é que aconteceu? Simples: eu tinha “espertamente” posto todas as minhas economias em uma conta de aplicação a prazo fixo de 90 dias a fim de maximizar os juros que ganhava. Quando fui surpreendido pela minha primeira conta de impostos, não tinha como cumprir o prazo final do pagamento. E aí, o que fazer?

Felizmente, meu pai tinha condições de cobrir meu déficit. Ele não tinha qualquer formação em economia, e sim três décadas de experiência adicional que lhe tinham ensinado uma lição simples e direta: as coisas podem dar errado, por isso é melhor manter algum dinheiro em reserva para uso imediato, se possível. Essa não foi a primeira trombada entre a economia formal e a escola da vida, e não será a última.

Chamou-me a atenção recentemente um artigo de James Choi, “Popular Personal Financial Advice versus the Professors”. Choi é professor de finanças em Yale. Essa é, tradicionalmente, uma disciplina altamente técnica, mas, após Choi ter concordado em dar aula de finanças pessoais a uma turma de estudantes de graduação, mergulhou de cabeça no mercado de livros de autoajuda financeira de grande sucesso para ver o que gurus como Robert Kiyosaki, Suze Orman e Tony Robbins tinham a dizer sobre o assunto.

Continuar a ler

Fundos Multimercados: Estratégias

Em 2022, os multimercados registraram saques recordes de R$ 86,8 bilhões e interromperam uma sequência de seis anos de captação positiva (R$ 397 bilhões acumulados), conforme dados da Anbima, os portfólios com estratégia macro tiveram um dos melhores desempenhos da história recente. Há ganhos de até 39%, caso do Asa Hedge, seguido por SPX Raptor, Vinland e Capstone, com carteiras com valorização acima de 30%. Há ainda uma série de exemplos com valorização perto dos 20%.

Superam com folga os 12,4% da Selic efetiva no ano e os 13,6% do índice de hedge funds (IHF) da Anbima. Reúne carteiras dos mais diversos estilos. Essa foto parte de uma amostra feita por Einar Rivero, da TradeMap, com carteiras com patrimônio acima de R$ 100 milhões.

Foi o combo pró-alta de juros nos Estados Unidos e em outras economias e de queda das bolsas que permeou boa parte das estratégias de gestores ouvidos pelo Valor (04/01/23). Para 2023, o comportamento da inflação e o ciclo de aperto monetário americano são ingredientes a serem depurados para buscar retornos acima do CDI, o chamado alfa. No Brasil, em meio à transição de governo e dúvidas sobre o quadro fiscal, as posições estão por ora mais contidas.

Continuar a ler

Meta de Inflação Irrealista: Quem Perde, Quem Ganha

Quanto à crítica dirigida à baixa meta de inflação, Lula está certíssimo! Isto embora ele não seja infalível e/ou sobrenatural como os idolatras apresentam O Mercado: onipresente, onipotente e… onisciente, antes das ignoradas inconsistências contábeis da rede varejista Americanas.

A meta de inflação é fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Para 2022, a meta para o IPCA estava em 3,5%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual. Dessa forma, a inflação poderia ficar entre 2% e 5%. O Relatório de Inflação, publicado em março pelo BCB, estimava o IPCA atingir 8,8% em 2022. Atingiu 5,79% por causa da política eleitoreira dos preços de combustíveis – e não só pelos juros disparatados.

Pelo gráfico acima com a evolução da taxa de inflação (IPCA), desde 2004, apenas em dois anos (2015 e 2021) ela ficou muito acima da meta. Do mês inicial (março de 1999) do regime de meta de inflação até “a freada para arrumação” do primeiro governo Lula, isto é, no fim de 2003, a taxa média mensal de inflação ficou em 8,6% aa. Nos 228 meses seguintes até dezembro de 2022, essa taxa média ficou relativamente estável em torno de 5,8%, ou seja, a sociedade brasileira acostumou-se a conviver com essa inflação inercial.

Cabe, na atual conjuntura mundial, forçá-la a baixar para o centro da meta escolhida por livre arbítrio do CMN em circunstâncias totalmente distintas do atual fenômeno inflacionário global?!

Entre as doze maiores economias, cujo PIB brasileiro caiu no ranking para 12º lugar, a taxa de inflação do país só ficou acima da China (1,8%), Japão (4%), Coréia do Sul (5%) e praticamente empatou com a Índia (5,72%). Ficou abaixo da norte-americana (6,5%) e da Zona Euro (9,2%). Portanto, está alinhada com elas – e não “fora da curva”.

Em compensação, a taxa de juro brasileira em 13,75% aa é, disparadamente, a maior entre elas, bem distante da segunda maior (Rússia com 7,5% aa) e terceira (Índia com 6,25% aa). Como referências, a norte-americana é 4,5% aa e a europeia 2,5% aa.

O juro real brasileiro em 8 pontos percentuais (grosso modo) é o maior do mundo! A pergunta-chave é “quem ganha e quem perde” com ele?

Continuar a ler

Aniversário do Blog: 13 Anos!

Coincidentemente, além do Leonel Brizola, hoje também faria 101 anos meu pai, Anníbal Bonifácio da Costa, médico especializado em reabilitação física e medicina desportiva… O Mapa Astral não coincidiu. 😉

Meu pai foi um dos quatro filhos de imigrante português pobre e, de acordo com minha lembrança, inculto. Graças ao apoio de sua mãe e contra a opinião do pai, que desejava ele trabalhar no balcão de loja de tecidos, foi o único irmão a cursar o Ensino Superior. Formou-se e casou com minha mãe, nascida com “sorte de berço”. Meu avô paterno, também sem ensino, enriqueceu com uma carreira de negociante, iniciada como caixeiro-viajante.

Acho importante resgatar essas histórias familiares para verificar como esta Nação foi construída.

Somente em 7 de setembro de 1920, um século após a independência do país, o governo federal criou a primeira Universidade do Brasil, atualmente, UFRJ. É um capitalismo tardio e/ou atrasado em educação, ciência e tecnologia, possuindo com o menor percentual de formados em curso superior entre as grandes economias.

Daí a necessidade de compartilhar conhecimento por parte de quem só estudou em colégio e universidades públicas. Hoje também é aniversário deste modesto blog pessoal, justamente, quando acumulou 9.760.079 visitas em 13 anos!

Encontro Anual da Associação Econômica Americana (AEA)

A economia mundial parece estar em transição rumo a uma era mais complicada, na qual os juros serão mais altos, as tensões geopolíticas, maiores e as incertezas, mais acentuadas, alertam grandes nomes da economia – como o ex-secretário do Tesouro dos EUA Lawrence Summers, o ex-economista-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI) Kenneth Rogoff e uma ex-integrante do banco central britânico, Kristin Forbes.

A era de juros baixíssimos e de alto crescimento na China está saindo de cena, alertaram economistas participantes do encontro anual da Associação Econômica Americana (AEA), em Nova Orleans. Investidores e autoridades econômicas vão se deparar agora com um novo mundo, em que a crescente rivalidade entre EUA e China e riscos de defaults desastrosos serão a nova norma.

“Vivemos em uma era de muitos choques”, disse Rogoff, professor da Universidade Harvard. “Podemos estar em um ponto de inflexão da economia global”.

Continuar a ler

Centro de Estudos e Dados sobre Desigualdade Racial (CEDRA)

Uma iniciativa lançada em meados de dezembro promete ajudar com respostas. O Centro de Estudos e Dados sobre Desigualdade Racial (Cedra) desenvolveu a plataforma Cedra (cedra.org.br/). On-line e gratuita, reúne dados públicos e permite cruzar informações sobre emprego, escolaridade, moradia e renda, entre outras. Em um só lugar, disponibiliza, organiza e analisa informações hoje dispersas ou de difícil acesso.

A ideia da Cedra é “mostrar de maneira contundente o que é a desigualdade racial no Brasil”, conta o economista Eduardo Nunes, professor da PUC-Rio e ex-presidente do IBGE, um dos autores da iniciativa. Na medida em que for sendo alimentada, a plataforma se tornará cada vez mais uma ferramenta capaz de subsidiar com dados a elaboração de políticas públicas e programas privados de inclusão e diversidade.

No momento em que empresas despertam para o tema – estudo da consultoria LHH Brasil que na média empresas são 21% mais lucrativas quanto têm diversidade de gênero e 33% mais com diversidade racial – e que o governo promete dar atenção a ele, a plataforma é um avanço na democratização e análise dos dados. “Com a criação dos ministérios da Desigualdade Racial e das Mulheres, muitos pontos do discurso do governo já são aspectos que a gente trabalha, então podemos contribuir com o debate”, comenta Nunes.

A ideia, no futuro, é a Cedra se tornar mais do que um banco de dados e produzir estudos para municiar a discussão, além de receber estudos de fora.

Continuar a ler