Teorias dos Ciclos de Civilização

BrasiliaeA insinuação implícita na Teoria dos Ciclos de Civilização é que todas as civilizações, não importa quão magníficas sejam, estão condenadas a decair e ruir. Durante séculos, historiadores, teóricos políticos, antropólogos e o público em geral tenderam a pensar na ascensão e na queda das civilizações em tais termos cíclicos e gradativos.

No Livro VI das Histórias de Políbio, que relataram a ascensão de Roma, o processo de anaciclose política é o seguinte:

  1. Monarquia
  2. Reinado
  3. Tirania
  4. Aristocracia
  5. Oligarquia
  6. Democracia
  7. Oclocracia (governo da multidão)

Em seu livro Ciência Nova (1725), o filósofo italiano Giambattista Vico descreve que todas as civilizações passam por um ricorso com três fases:

  1. a divina;
  2. a heroica;
  3. a humana ou racional, que retorna à divina por meio do que Vico chamou “barbarismo da reflexão”.

A ideia-básica, em muitos autores, é que até os governos mais sólidos, assim como os corpos mais saudáveis, carregam as sementes de sua destruição. Cada hora que vivem é uma hora menos que têm para viver.

Adam Smith, em A Riqueza das Nações, afirmou que o crescimento econômico – “opulência” – finalmente abriria caminho para o estado estacionário. Os idealistas e os materialistas concordaram em uma coisa. Tanto para Hegel quanto para Marx, foi a dialética que deu à história seu golpe inequívoco.

A história era sazonal para Oswald Spengler, historiador alemão. Ele escreveu em O Declínio do Ocidente (1918-22) que o século XIX havia sido “o inverno do Ocidente, a vitória do materialismo e do ceticismo, do socialismo, do parlamentarismo e do dinheiro”.

O Estudo da História (1936-54), em 12 volumes, do historiador britânico Arnold Toynbee apresentou um ciclo de oposição, reação por parte de “minorias criativas”, e então declínio – o suicídio da civilização –, quando os líderes param de responder com suficiente criatividade aos desafios que enfrentam.

Outra grande teoria foi a do sociólogo russo emigrante Pitrim Sorokin, que afirmou que todas as principais civilizações passaram por três fases:

  1. ideacional”, em que a realidade é espiritual;
  2. sensata”, em que a realidade é material;
  3. idealista”, um síntese das duas anteriores.

O historiador norte-americano Carroll Quigley ensinou a seus alunos que a civilização tinha, como os homens, sete idades:

  1. Mistura;
  2. Gestação;
  3. Expansão;
  4. Conflito;
  5. Império universal;
  6. Decadência;
  7. Invasão.

Cada um desses modelos é diferente, mas todos tem em comum o pressuposto de que a história tem ritmo.

Linhas de pensamento similares são encontradas em obras de autores mais modernos. Ascensão e Queda das Grandes Potências (1987), de Paul Kennedy, é mais uma obra de história cíclica, em que as grandes potencias surgem e desaparecem de acordo com os índices de crescimento de suas bases industriais e o custo de seus compromissos imperiais com relação a suas finanças públicas. Assim como em O Curso do Império, de Cole, a expansão imperial carrega as sementes da decadência futura. Esse fenômeno de “expansão imperial excessiva” é comum a todas as grandes potencias.

Mais recentemente, foi o antropólogo Jared Diamond quem capturou a imaginação social com uma grande Teoria de Ascensão e Queda. Seu livro, Colapso – como as sociedades escolhem o fracasso ou o sucesso (2005), é a história cíclica para a Era Verde: narrativas de sociedades, da Ilha da Páscoa do século XVII à China do século XXI, que correram ou correm o risco de se autodestruir por abusar de seu ambiente natural. Todos as civilizações chegam a sua “época de ouro” – e perecem.

De acordo com Diamond, os maias caíram em uma clássica armadilha malthusiana, uma vez que sua população cresceu a um ritmo que seu sistema agrícola frágil e ineficiente não foi capaz de suportar. Mas pessoas significava mais cultivo, mas mais cultivo significava desmatamento, erosão, seca e exaustão do solo. A consequência foi a guerra civil por recursos minguantes e, finalmente, a ruina.

A inferência de Diamond é, obviamente, que o mundo de hoje poderia seguir o caminho dos maias. O ponto crucial é que o suicídio ambiental é um processo lento e demorado. Infelizmente, os líderes políticos em quase todas as sociedades – primitivas ou sofisticadas – têm pouco incentivo para lidar com problemas que não têm probabilidade de se manifestar nos próximos cem anos ou mais. As reivindicações retóricas de “salvar o planeta” para as gerações futuras são insuficientes para superar os conflitos pela distribuição econômica entre países ricos e pobres que existem aqui e agora. Segundo Ferguson, “amamos nossos netos, mas é mais difícil enxergar uma relação com nossos tataranetos”.

Porém, é possível que todo esse sistema conceitual seja, na verdade, falho. Talvez a representação de um superciclo civilizacional de nascimento, crescimento e morte seja uma representação equivocada do processo histórico.

Ferguson lança as questões existenciais de todos os historiadores das civilizações:

  1. E se a história não for cíclica e lenta, mas sim arrítmica – às vezes quase estacionária, mas também capaz de aceleração violenta?
  2. E se o tempo histórico for menos como a mudança lenta e previsível das estações e mais como o tempo elástico de nossos sonhos?
  3. Acima de tudo, e se o colapso não demorar séculos para acontecer, mas acometer uma civilização de súbito, como “um ladrão na calada da noite”?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s