Vídeos Memoráveis: Pink Floyd

O YouTube em smartTV propicia reencontros inesperados. No caso acima, meu algoritmo sugeriu escutar novamente, mas desta vez vendo seus vídeos, dois dos álbuns preferidos na minha adolescência: Echoes e Dark Side of The Moon com o rock progressivo de Pink Floyd. Eu os escutava continuamente ao fim das tardes de estudo.

No passado, não havia vídeos para a gente assistir. O visual ficava por conta da imaginação de cada um. Hoje, os desenhos digitais com mistura de técnicas vão além da imaginação de outrora! Confira abaixo.

Continuar a ler

Woody Guthrie: o trovador dos oprimidos, o menestrel da sindicalização

Woody Guthrie, cujo centenário se celebrou em 2012, em foto de 1944
Woody Guthrie, cujo centenário se celebrou em 2012, em foto de 1944

Rodolfo Lucena (FSP, 30/12/12) resenhou livros, entre eles uma autobiografia, que reconstituem a vida de Woody Guthrie.

“Vagabundo, peregrino, agitador, comunista, vidente, mulherengo, pintor, poeta, cantor: um amplo rol de rótulos tenta abarcar a personalidade de Woody Guthrie (1912-67), ícone da música folk americana e fonte de inspiração para artistas como Bob Dylan e Peter Seeger. As obras enfatizam sua infância pobre, as andanças de uma ponta a outra dos EUA e a militância como compositor de protesto durante a Grande Depressão e a 2ª Guerra. Não só nos Estados Unidos, que ele cruzou levando seu violão, mas mundo afora, eventos lembraram neste ano o centenário desse andarilho que se tornaria, talvez, o mais engajado artista norte-americano do século passado.

Hoje conhecido, sobretudo, por “This Land is Your Land” [“Esta Terra é Sua Terra”], composição que, retomada nos anos 1960 como canção de protesto, tornou-se uma espécie de hino de seu país -, Guthrie influenciou gerações de músicos folk que se tornaram muito mais famosos do que ele, como Bob Dylan e Joan Baez.

Continuar a ler

Lira Paulistana: “O Amor Salva O Dia, A Música Salva A Vida”

“In-Edit Brasil 2012”

Em SP, de 01/6 a 10/6/12; em Salvador, de 14 a 21/6/12. Programação, salas e horários em in-edit-brasil.com/2012.

Rodrigo Carneiro (Valor, 31/05/12) dá a dica para os amantes de Cinema & Música. Eu, por exemplo, acredito na filosofia que inspira o título deste post. Fui fã de longe (Rio de Janeiro, início dos anos 80 do século passado) da Lira Paulistana. Era coisa de vanguarda cultural. Eu não perdi nenhum dos shows no Rio do Itamar Assumpção e a banda Isca de Polícia, do Premeditando o Breque, do Rumos, do Arrigo Barnabé, Cida Moreira, entre outros. Eles são alguns dos personagens retratados no documentário “Lira Paulistana e a Vanguarda Paulista“. Veja: Lira Paulistana.

O In-Edit Brasil – Festival Internacional de Documentário Musical, que acontece entre hoje e 10 de junho, em São Paulo, chega à sua quarta edição confirmando-se como um dos eventos mais benévolos aos amantes da sétima arte. Em especial, àqueles que, a exemplo de Friedrich Nietzsche, sabem que “sem música, a vida seria um erro“. Criada na Espanha, no início dos anos 2000, a mostra de cinema é composta de um total de 70 títulos – muitos ainda inéditos no circuito comercial -, representando 11 países e que terão exibições em seis salas da capital paulista: Museu da Imagem e do Som (MIS), Cinesesc, Cinemateca Brasileira, Cine Olido, Cine Livraria Cultura e Matilha Cultural.

Continuar a ler

Nara Leão (por Bráulio Tavares)

Neste mês de janeiro completaram-se 70 anos do nascimento de Nara Leão, e, como sempre acontece com quem morre jovem, ficamos tentados a imaginar como seria ela com essa idade.  O rosto, o cabelo, a voz, o repertório…  O sorriso talvez continuasse igual. Aquele sorriso tímido que ela mostrava, meio encabulada, desviando o olhar para pensar melhor; mas deixava o sorriso segurando o interlocutor até que o olhar viesse de volta. 

Continuar a ler

Uma Música, Várias Versões: I Put A Spell On You

Uma música entre as mais gravadas do universo pop-rock-soul e até jazzístico é “I Put a Spell on You“, gravada originalmente em 1956 por Screamin’ Jay Hawkins. A canção começa como uma balada sobre a perda de um amor, mas termina transformando-se em violento rock no qual Hawkins reclama a posse de sua mulher. A intenção dele era converter “I Put a Spell on You” em balada tipo blues, porém o próprio autor declarou que o produtor converteu a sessão de gravação em festa, onde o álcool teve bastante influência na selvagem versão que terminou se convertendo em clássico.

Continuar a ler